Livro acessível
0
Carrinho
34 resultados
Companhia das Letras

Relato sobre a Editora Globo, criada na década de 1920, em Porto Alegre, o livro fala de um espécime raro e fascinante, o editor à antiga - aquele que inventa uma editora e constrói seu catálogo. Prefácio de Luís Fernando Verissimo. Leia +
Companhia das Letras

Na seqüência de Gato preto em campo de neve, Erico Verissimo narra com humor, faro jornalístico e olhar de romancista sua segunda viagem aos Estados Unidos, registrando suas impressões sobre o cotidiano dos americanos em plena Segunda Guerra Mundial. Esta edição traz prefácio de Clarissa Jaffe, filha de Erico. Leia +
Companhia das Letras

Influências, infância, viagens, política, literatura: a vida de Erico Verissimo em dois volumes de memórias que se lêem como romance. Os volumes apresentam uma cronologia que cruza dados biográficos da família Verissimo com a vida dos personagens das obras mais famosas do autor. Leia +
Companhia das Letras

Influências, infância, viagens, política, literatura: a vida de Erico Verissimo em dois volumes de memórias que se lêem como romance. Os volumes apresentam uma cronologia que cruza dados biográficos da família Verissimo com a vida dos personagens das obras mais famosas do autor. Leia +
Companhia das Letras

Pesquisa minuciosa e colossal, esta fotobiografia narra a curta, produtiva e surpreendente vida de Fernando Pessoa, restituindo em texto e imagem a dimensão humana do poeta português que inventou cerca de setenta personas literárias. Leia +
Companhia das Letras

Livro com as cartas inéditas de Jorge Amado e Zélia Gattai organizado pelo filho João Jorge Amado, numa bela edição ilustrada com manuscritos e postais. Leia +
Companhia das Letras

Com humor e autoironia, Jorge Amado passa em revista sua vida extraordinária, em episódios envolventes e vibrantes, dignos de seus melhores romances. Leia +
Companhia das Letras

Neste relato apaixonado da vida de Luís Carlos Prestes, Jorge Amado mescla o talento literário com a militância antifascista e a luta pela liberdade, para criar uma biografia que transita entre a tragédia e a epopeia. Posfácio de Anita Leocadia Prestes. Leia +
Companhia das Letras

Nestas memórias da infância de Jorge Amado, acompanhamos a formação da sensibilidade e dos valores do futuro escritor, no mundo conturbado e violento da zona cacaueira baiana das primeiras décadas do século XX. Entre personagens que serviriam de inspiração a muitos de seus livros, o menino grapiúna presenciou o nascimento de cidades, guerras sangrentas e a constituição de toda uma cultura e uma mitologia. Leia +
Companhia das Letras

Neste canto de louvor a Castro Alves, feito à maneira dos ABCs da literatura de cordel, Jorge Amado mostra a coerência entre a poesia arrebatada do "poeta dos escravos" e sua curta vida pessoal, feita de amores intensos e corajosa militância pela liberdade. Leia +
Companhia das Letras

Gay Talese, um dos mais conceituados jornalistas norte-americanos - autor de O reino e o poder (uma história do New York Times) e A mulher do próximo (a crônica da liberação sexual americana nos anos 1960) - investiga agora o seu próprio trabalho. Leia +
Companhia das Letras

Nestes fragmentos de memórias, Lygia Fagundes Telles passa a limpo momentos decisivos de sua formação literária e humana. Encontros com personalidades se entremeiam com reflexões sobre o ofício do escritor e a condição da mulher no mundo contemporâneo. Posfácio de Alberto da Costa e Silva. Leia +
Companhia das Letras
JUNKY (2013)

Marco cultural dos anos 1950, Junky descreve o périplo de um viciado em drogas pesadas. O livro entra agora para o time de clássicos malditos da coleção Má Companhia. Leia +
Companhia das Letras

Em novo volume da coleção Perfis Brasileiros, Miriam Dolhnikoff realiza um retrato abrangente de José Bonifácio de Andrada e Silva, figura central para o processo de Independência do Brasil. Leia +
Companhia das Letras

Em Antônio Vieira: Jesuíta do rei, o historiador Ronaldo Vainfas analisa a personalidade multifacetada de um dos maiores escritores da língua portuguesa e reconstitui a sua intensa ligação com o Brasil, além de sua vida política e religiosa. Da coleção Perfis Brasileiros. Leia +
Companhia das Letras

Marcada por ambivalência e controvérsia, a vida de Cláudio Manuel da Costa é revisitada pela historiadora Laura de Mello e Souza, que pesquisou inventários, escrituras e processos judiciais para reconstituir os passos do poeta no Brasil e na Europa. Leia +
Companhia das Letras

Em sua curta trajetória, Leila Diniz teve um currículo de realizações artísticas expressivas, mas, acima de tudo, acabou por revolucionar o papel da mulher na sociedade brasileira; nas décadas de 1960 e 70, falou sem pudor sobre sexualidade e se deixou fotografar grávida, de biquíni. Leia +
Companhia das Letras

Neste volume da coleção Perfis Brasileiros, o historiador Francisco Doratioto investiga a figura do General Osorio, o militar mais conhecido de seu tempo, e traça uma envolvente história dos países do Rio da Prata. Leia +
Companhia das Letras

Neste volume da coleção Perfis Brasileiros, Angela Alonso traça um retrato minucioso de Joaquim Nabuco, focalizando os dilemas pessoais e embates públicos do pensador e militante abolicionista. Leia +
Companhia das Letras

José Murilo de Carvalho apresenta dois personagens em conflito mútuo. Um, mais conhecido, é o imperador d. Pedro II, que governou o Brasil por quase meio século. O outro é Pedro d'Alcântara, cidadão comum, que amava as ciências e as letras tanto quanto detestava as pompas do poder. Leia +
Companhia das Letras
RONDON (2006)

Grande responsável pela construção da linha telegráfica que deveria cruzar enorme parte da bacia amazônica, o oficial do Exército brasileiro Cândido Mariano da Silva Rondon foi um dos responsáveis por pensar o Brasil como uma nação. O historiador norte-americano Todd A. Diacon parte das expedições de Rondon pela região amazônica para traçar o seu perfil. Leia +
Companhia das Letras
NASSAU (2006)

Ao contrário do que se pensa, João Maurício de Nassau-Siegen não era nem holandês, nem príncipe. Sua família tinha linhagem alemã, e ele nasceu conde - o título de príncipe só lhe foi concedido às vésperas de completar cinqüenta anos. Evaldo Cabral de Mello esmiúça a experiência de Nassau no Brasil à luz das guerras e disputas comerciais da Europa do século XVII. Leia +
Companhia das Letras

Isabel Lustosa escreve que d. Pedro I "é o personagem mais fascinante da história do Brasil" - impulsivo, desconfiado e vingativo, traiu amigos fiéis e foi implacável com os inimigos. Transitando entre o grande panorama da história brasileira e européia no século XIX, e o retrato íntimo de Pedro de Bragança e Bourbon, ela prova o seu ponto com verve e conhecimento de causa. Leia +
Companhia das Letras

Morto com apenas 24 anos, Castro Alves já era imensamente famoso em Salvador, no Recife, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Num livro que é ao mesmo tempo perfil empenhado e crítica literária cuidadosa, Alberto da Costa e Silva mostra como um jovem perfeitamente integrado na sociedade escravocrata veio a ser o poeta da abolição. Leia +
Companhia das Letras

Nenhum governante brasileiro permaneceu no poder por tanto tempo quanto Getúlio Vargas. Para traçar o seu perfil, Boris Fausto passa ao largo do maniqueísmo e dos estereótipos, do culto ao "pai dos pobres" e da denúncia do "caudilho". Ele parte das raízes familiares de Getúlio, bem como do ambiente político em que este se formou, no Rio Grande do Sul. Leia +
Companhia das Letras

As mais de duzentas cartas escritas e recebidas por Vinicius de Moraes durante quase cinqüenta anos, entre 1932 e 1980, revelam o homem por trás do artista. Entre destinatários e remetentes estão parentes - principalmente a mãe e as irmãs - e amigos, como Bandeira, Drummond, João Cabral, Tom Jobim, Rubem Braga, Otto Lara Resende e Chico Buarque, entre outros. Leia +
Companhia das Letras

Agora reunidos em volume único, os dois últimos livros de Zélia Gattai revivem saborosas memórias dos mais de cinquenta anos que ela compartilhou com Jorge Amado. Leia +
Companhia das Letras

Entre viagens a países longínquos e sentimentos ambíguos diante da política e da realidade, pequenas histórias do dia a dia e amigos que não param de lhe trazer surpresas, Zélia Gattai continua sua trajetória de narradora sábia e serena neste livro de memórias delicado. Leia +
Companhia das Letras

Zélia Gattai e Jorge Amado viveram longos anos num belo casarão no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Casa festiva e cheia de amigos, distante da clausura dos gabinetes e das academias literárias, é ela o centro deste livro delicioso, repleto de imagens de época. Leia +
Companhia das Letras

Neste livro delicado, Zélia se debruça sobre os hábitos e as idiossincrasias de sua família, mostrando que seus laços não se sustentam apenas nos vínculos de sangue, mas, sobretudo, na celebração de uma mesma língua. Leia +
Companhia das Letras

No aniversário de setenta anos de Jorge Amado, Zélia Gattai presenteou o marido com este livro sobre seus primeiros anos de casamento. Com bom humor e sensibilidade, ela narra as lutas políticas, as histórias divertidas da sogra e a descoberta da cultura baiana. Leia +
Companhia das Letras

Expulsos da França, depois de dois anos de exílio em Paris, Zélia Gattai e Jorge Amado são obrigados a se mudar para a Tchecoslováquia. Jardim de inverno narra os anos de desassossego e aflição, mas também de descobertas intensas, vividos pelo casal entre 1949 e 1952. Leia +
Companhia das Letras

O périplo do casal Jorge e Zélia no exílio europeu, ao lado de amigos e personalidades de fama mundial. Leia +
Companhia das Letras

Um retrato afetivo da vida em família na São Paulo do início do século XX. Leia +