Livro acessível
0
Carrinho
376 resultados
Companhia das Letras

Ambientado em Nova York, o novo romance do autor de O cheiro do ralo e O natimorto nos faz rodar por uma cidade em que a paranoia e a conspiração espreitam em cada esquina. No centro da história está o caso entre um homem que teve sua identidade trocada e uma mulher sobre quem recaem suspeitas de que seja um lagarto. Leia +
Companhia das Letras
BARREIRA (2013)

Istambul é o cenário de um romance ousado e absorvente. A estreia na narrativa longa de um dos melhores contistas brasileiros contemporâneos. Leia +
Companhia das Letras

Conspirações, deuses vingativos e uma agência de turismo que inventa lugares mal-assombrados em Dublin na volta de Daniel Pellizzari à ficção. Leia +
Companhia das Letras

Neste novo romance do projeto Amores Expressos, Paulo Scott narra uma delicada história de amor e amizade. Leia +
Companhia das Letras

Os sete contos que compõem o sexto volume da coleção Amores Expressos narram a viagem improvável de Antônio Fernandes à capital tcheca. A ponte Carlos é o eixo geográfico de aventuras que insistem na ideia de que transcendência, arte e sexo convergem em morte. Leia +
Companhia das Letras

Um jovem dentista brasileiro viaja a Havana, onde sua namorada pretende filmar um documentário. O desaparecimento repentino da garota atira o protagonista numa espiral obsessiva que encontra eco nas idiossincrasias da vida cubana. Leia +
Companhia das Letras

Destaque da nova geração de escritores brasileiros, J. P. Cuenca narra a tórrida e acidentada relação de um jovem executivo de Tóquio com uma garçonete do Leste Europeu. O casal é ameaçado pelo perverso pai do rapaz, um velho poeta que vive com uma boneca erótica e mantém uma rede de voyeurismo. Leia +
Companhia das Letras

Wilson e William são gêmeos mas não poderiam ser mais diferentes. Um é violento e taciturno, o outro é feminino e inteligente. Uma trama exótica e imprevisível, que nos leva da São Paulo da década de 1980 até os cabarés clandestinos de um Egito contemporâneo e decadente. Leia +
Companhia das Letras

Neste terceiro volume da coleção Amores Expressos, Luiz Ruffato revela sua mão segura e inventiva ao narrar a história de Serginho, mineiro desiludido com o casamento e a falta de emprego que decide se aventurar em Portugal, em busca de redenção financeira e, quiçá, amorosa. Leia +
Companhia das Letras

Segundo volume da coleção Amores Expressos, O filho da mãe entrelaça as histórias de um punhado de mulheres que buscam livrar seus filhos da guerra, da solidão e do crime. Do autor de Mongólia e Nove noites. Leia +
Companhia das Letras

Primeiro lançamento da coleção Amores Expressos, Cordilheira fala de uma escritora brasileira que muda sua vida ao conhecer um misterioso fã numa viagem à Argentina. Uma trama sobre perdas e sonhos, mas também uma reflexão sobre os limites nem sempre definidos entre realidade e ilusão. Leia +
Companhia das Letras
haicai
Vários autores

Reunindo autores de diversas gerações e tendências que praticam ou praticaram o haicai (pequeno poema de origem japonesa) no Brasil, esta rica coletânea completa a coleção Boa Companhia, que já lançou contos, poemas e crônicas. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

No terceiro lançamento da série Boa Companhia, 42 cronistas das mais variadas gerações e estirpes literárias formam um painel da crônica no Brasil, desde as origens no final do século XIX aos escritores recém-apresentados aos leitores. Prefácio e organização de Humberto Werneck. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

Boa Companhia - Poesia reúne dezesseis autores brasileiros contemporâneos de diversas gerações e tendências, com o objetivo de abarcar a grande variedade de vozes da atual poesia brasileira. Os poemas vão do coloquialismo ao apuro formal, da poesia visual ao haikai, da prosa poética ao verso tradicional. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

Primeiro volume de uma coleção que celebra o prazer da leitura. Momentos de descoberta, situações de crise e grandes aventuras narradas por Bernardo Carvalho, Amilcar Bettega Barbosa, Moacyr Scliar, Lívia Garcia-Roza, Luiz Alfredo Garcia-Roza, Ana Miranda, Reinaldo Moraes, Maria Telles Ribeiro, Heloisa Seixas, Luiz Schwarcz, Pedro Cavalcanti e Sérgio Sant'Anna. Leia +
Companhia das Letras

Relato sobre a Editora Globo, criada na década de 1920, em Porto Alegre, o livro fala de um espécime raro e fascinante, o editor à antiga - aquele que inventa uma editora e constrói seu catálogo. Prefácio de Luís Fernando Verissimo. Leia +
Companhia das Letras

Neste texto prazeroso, leve e de notável atualidade, Erico Verissimo se indaga sobre as raízes, a história e o destino dos judeus e do judaísmo. Para ele, a fundação do Estado de Israel teria sido o início de uma era de paz para a humanidade. Escrito em forma de diário, Verissimo convida o leitor a viajar com ele como se estivesse metido em sua pele. Leia +
Companhia das Letras
NOITE (2009)

Como o Raskolnikov de Dostoiévski, o Homem de gris sabe que tem uma culpa - mas, diferentemente do herói de Crime e castigo, não sabe que crime cometeu. Sabe que fez alguma coisa terrível. O que terá feito? Onde? Contra quem? Leia +
Companhia das Letras

Entre tragédias da história e comédias da vida cotidiana, Erico Verissimo cria um embaixador num país imaginário no mar do Caribe para questionar o sentido das revoluções e golpes militares nos países latino-americanos, debater o papel do intelectual em meio aos conflitos e defender a luta por princípios e o horror à violência. Leia +
Companhia das Letras

Numa obra complexa, ligando os enigmas da vida aos mistérios da morte, o consagrado escritor gaúcho faz a radiografia da sociedade porto-alegrense dos anos 1940 a partir da aparente sem-razão de um acontecimento trágico. Leia +
Companhia das Letras

No palco de um país dilacerado pela guerra, este romance alegórico de Erico Verissimo censura os desatinos da violência e expõe os dilemas de um homem em situação extrema. Leia +
Companhia das Letras

O encontro do Erico Verissimo autor principiante e escritor veterano numa edição especial, que reúne os contos de seu livro de estréia a contos da maturidade. Com anotações manuscritas e ilustrações do autor. Leia +
Companhia das Letras

Na seqüência de Gato preto em campo de neve, Erico Verissimo narra com humor, faro jornalístico e olhar de romancista sua segunda viagem aos Estados Unidos, registrando suas impressões sobre o cotidiano dos americanos em plena Segunda Guerra Mundial. Esta edição traz prefácio de Clarissa Jaffe, filha de Erico. Leia +
Companhia das Letras
SAGA (2006)

No romance que fecha o ciclo urbano das aventuras dos jovens Clarissa e Vasco, Erico Verissimo narra a trajetória de Vasco Bruno desde a Guerra Civil Espanhola até a volta a Porto Alegre e confronta as atrocidades da guerra com as injustiças cotidianas da sociedade. Leia +
Companhia das Letras

A lente do romancista Erico Verissimo revela a paisagem norte-americana num registro único, com as cores que só a percepção de um romancista sabe ver. Esta edição traz prefácio de Luis Fernando Verissimo e caderno de fotos com imagens da viagem de Erico aos Estados Unidos. Leia +
Companhia das Letras

Com a morte do pai, Clarissa é obrigada a sair de Jacarecanga e mudar-se com o primo Vasco para Porto Alegre, onde encontra a "grande cidade e seus dramas". Romance intenso, este volume compõe a terceira parte da saga iniciada com Clarissa. Leia +
Companhia das Letras

Influências, infância, viagens, política, literatura: a vida de Erico Verissimo em dois volumes de memórias que se lêem como romance. Os volumes apresentam uma cronologia que cruza dados biográficos da família Verissimo com a vida dos personagens das obras mais famosas do autor. Leia +
Companhia das Letras

Influências, infância, viagens, política, literatura: a vida de Erico Verissimo em dois volumes de memórias que se lêem como romance. Os volumes apresentam uma cronologia que cruza dados biográficos da família Verissimo com a vida dos personagens das obras mais famosas do autor. Leia +
Companhia das Letras

Clarissa, personagem do romance homônimo de Erico Verissimo, agora é professora e vive no casarão de sua família de ex-proprietários rurais. Enquanto acompanha a decadência da família, a jovem sonha com a promessa de um amor indefinido. Livro ganhador do Prêmio Machado de Assis. Leia +
Companhia das Letras

Olhai os lírios do campo narra a trajetória de um homem dividido entre o amor e a ambição, a consciência e as alianças sociais. Este romance de 1938 tornou-se o primeiro grande sucesso de Erico Verissimo. Leia +
Companhia das Letras
CLARISSA (2005)

Uma casa de pensão em Porto Alegre é o microcosmo do Brasil e do mundo, na década de 1930. Primeiro romance de Erico Verissimo, Clarissa narra a autodescoberta de uma adolescente de 13 anos cujo olhar é uma das principais vias de acesso a uma realidade fascinante, mas também por vezes estranha e cruel. Leia +
Companhia das Letras

Durante cerca de quatro anos, uma jovem professora mantém um diário em que confessa a insatisfação com o casamento, as dúvidas em relação à sua fé em Deus e o amor impossível pelo cunhado. Do diário de Sílvia tem como cenário a fictícia Santa Fé, e é parte integrante de O tempo e o vento. Leia +
Companhia das Letras

Numa sexta-feira 13, em 1963, sete pessoas morrem em Antares. Mas os coveiros estão em greve, e os defuntos, insepultos, vagam pela cidade vasculhando a intimidade de parentes e amigos. Em sua condição de fantasmas, podem denunciar à vontade os segredos dos mandantes locais. Leia +
Companhia das Letras

O povoado de Santa Fé vê com maus olhos a chegada do capitão Rodrigo Cambará, que parece zombar dos costumes e desdenhar a ordem local. O conflito se acirra quando Rodrigo se apaixona por Bibiana Terra, com quem Bento Amaral, filho do despótico coronel da cidade, deseja casar-se. Parte de O Continente vol. 1. Leia +
Companhia das Letras

Paixão, tragédia e luta marcam a vida de Ana Terra, grande criação de Erico Verissimo e um dos personagens inesquecíveis da literatura brasileira do século XX. Obra de grande força imaginativa, Ana Terra pertence à trilogia O tempo e o vento. Leia +
Companhia das Letras

Pesquisa minuciosa e colossal, esta fotobiografia narra a curta, produtiva e surpreendente vida de Fernando Pessoa, restituindo em texto e imagem a dimensão humana do poeta português que inventou cerca de setenta personas literárias. Leia +
Companhia das Letras

Terceiro e último volume da série consagrada à publicação da obra poética ortônima (Pessoa ele-mesmo) reúne 123 poemas inéditos. Leia +
Companhia das Letras
LISBOA (2008)
o que o turista deve ver

Escrito originalmente em inglês, por volta de 1925, Lisboa: o que o turista deve ver percorre, dentro de uma rigorosa perspectiva histórica, todo o patrimônio da cidade que Pessoa chamava de seu "lar". Leia +
Companhia das Letras

Fernando Pessoa marcou a poesia do século XX sobretudo por ter se desdobrado em vários. Mas, enquanto escrevia as obras poéticas de seus outros "eus", o autor tão multifacetado não deixava de modelar a própria faceta. A reunião dos poemas que Fernando Pessoa assinou com o próprio nome traz à tona um monumento poético. Leia +
Companhia das Letras

Fernando Pessoa, mais que um poeta, foi vários. Para muitos leitores, ele é mais conhecido como o criador de múltiplos "heterônimos". Mas a recente revelação de centenas de inéditos vem ressaltar a importância da obra poética que ele assinou com seu próprio nome. Leia +
Companhia das Letras

Além de poeta - ou, em alguma medida, como todo grande poeta -, Fernando Pessoa foi também um exímio frasista. Aforismos e afins traz à tona essa vertente de Pessoa. Leia +
Companhia das Letras
POESIA (2000)
Ricardo Reis

Este livro traz os poemas de Ricardo Reis, o mais clássico dos heterônimos de Fernando Pessoa. Refletindo um espírito rigoroso, defensor do autodomínio e da ausência de desejos como receita de sabedoria, as odes de Reis buscam recuperar a influência das civilizações grega e romana na poesia do século XX. Leia +
Companhia das Letras

Cartas literárias, comerciais, militantes, poéticas, filosóficas, políticas: a correspondência de Fernando Pessoa dá um sentido a mais à multiplicidade característica do poeta. Leia +
Companhia das Letras

A discussão da oralidade e da escrita, da ortografia, das línguas artificiais, do futuro das línguas existentes e, sobretudo, do português, empreendida pelo poeta que escreveu: "Quem não vê bem uma palavra não pode ver bem uma alma". Leia +
Companhia das Letras

De publicação póstuma, este é o texto de Fernando Pessoa que mais se presta ao debate acerca da correta apresentação dos trechos que o compõem. Em nova edição, as últimas descobertas e convenções sobre a gênese desta peculiar obra estão incorporadas e minuciosamente comentadas. Leia +
Companhia das Letras

Espécie de antologia composta de poemas que Pessoa publicou em jornais e revistas e que pretendia reunir em livro. Além de Pessoa, estão aqui os heterônimos Álvaro de Campos, Alberto Caeiro e Ricardo Reis. Leia +
Companhia das Letras
MENSAGEM (1998)

Nessa pequena epopéia o eu lírico é na verdade a nação ou a alma portuguesa. São poemas "em que se resume a história passada, e a promessa da história futura, de Portugal", como escreveu Pessoa. Leia +
Companhia das Letras

No sétimo volume de suas Obras Completas, Sigmund Freud analisa e desmistifica a origem e as intenções do chiste. Leia +
Companhia das Letras

Abordando casos clínicos de histeria, chega o décimo segundo lançamento das obras completas do mestre da psicanálise. Leia +
Companhia das Letras

A publicação das obras completas de Sigmund Freud prossegue com o volume 8, que inclui os textos de 1906 a 1909, entre eles "O pequeno Hans", fruto do único tratamento que Freud fez com uma criança. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A publicação das Obras completas de Sigmund Freud prossegue com o volume 11, que inclui os textos aparecidos entre 1912 e 1914, entre eles "Totem e tabu", um dos mais ousados trabalhos do autor. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A publicação das Obras Completas de Sigmund Freud (1856-1939) prossegue com o quarto lançamento, o do vol. 18, que inclui os textos aparecidos entre 1930 e 1936, entre eles O mal-estar na civilização e Por que a guerra?, uma longa carta aberta a Einstein. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A Companhia das Letras publica, pela primeira vez em português, as Obras Completas de Freud traduzidas diretamente do alemão e, ao mesmo tempo, organizadas na ordem cronológica em que apareceram originalmente os textos. Leia +
Companhia das Letras

A história de uma das mais importantes descobertas matemáticas de nossa era, e de como ela alterou profundamente o panorama científico do século XX. Leia +
Companhia das Letras

Tendo a Revolução Francesa como pano de fundo, este livro narra a trajetória científica de Antoine Lavoisier, que inaugurou a química moderna ao apresentar a idéia de ar atmosférico, feito de oxigênio e outros gases, e sistematizar a linguagem científica. Leia +
Companhia das Letras

Coletânea de ensaios atesta a crescente importância da obra inesgotável de Aby Warburg. Leia +
Companhia das Letras

Neste volume da Coleção História Social da Arte, os historiadores Dora e Erwin Panofsky destrincham os percursos e as metamorfoses do mito de Pandora ao longo dos séculos em diferentes tradições e registros. Leia +
Companhia das Letras

Neste livro da coleção História Social da Arte, coordenada por Sergio Miceli e Lilia Moritz Schwarcz, o historiador francês Fernand Braudel analisa as condições sociais, culturais e econômicas que propiciaram o apogeu italiano de 1450 a 1650. Leia +
Companhia das Letras

Neste clássico da história social da arte, publicado originalmente em 1985, Michael Baxandall investiga a relação entre o artista e seu tempo, em busca de uma nova maneira de entender obras antigas e modernas. Leia +
Companhia das Letras

Aclamado estudo sobre a pintura impressionista e a Paris do século XIX que se foca nas obras de arte e nas motivações sociais do período. Ensaio revitalizador da crítica da pintura moderna, o livro dá início à coleção História Social da Arte, coordenada por Sérgio Miceli e Lilia Moritz Schwarcz. Edição ilustrada com mais de 120 imagens. Leia +
Companhia das Letras

Livro com as cartas inéditas de Jorge Amado e Zélia Gattai organizado pelo filho João Jorge Amado, numa bela edição ilustrada com manuscritos e postais. Leia +
Companhia das Letras

Neste guia informal da cidade de Salvador, Jorge Amado compõe um panorama que privilegia a cultura popular, os personagens, a topografia e a magia, sem esquecer a crítica social. Leia +
Companhia das Letras

Com humor e autoironia, Jorge Amado passa em revista sua vida extraordinária, em episódios envolventes e vibrantes, dignos de seus melhores romances. Leia +
Companhia das Letras

O último volume da trilogia Os subterrâneos da liberdade narra o período em que o nazifascismo parecia triunfar na Europa e no Brasil, onde o Estado Novo demonstrava apreço por Hitler e perseguia comunistas e simpatizantes. Leia +
Companhia das Letras

No segundo volume da trilogia, Jorge Amado retrata ficcionalmente um momento sombrio da história brasileira: o endurecimento do Estado Novo, quando havia um temor real de que o país se alinhasse com as potências fascistas europeias e se tornasse uma ditadura totalitária. Leia +
Companhia das Letras

No primeiro volume desta monumental trilogia escrita nos anos 1950, Jorge Amado traça um retrato ficcional amplo e vívido do início da ditadura do Estado Novo, momento em que Getúlio Vargas mostrava simpatia perigosa pela Alemanha nazista. Leia +
Companhia das Letras

Neste relato apaixonado da vida de Luís Carlos Prestes, Jorge Amado mescla o talento literário com a militância antifascista e a luta pela liberdade, para criar uma biografia que transita entre a tragédia e a epopeia. Posfácio de Anita Leocadia Prestes. Leia +
Companhia das Letras

Em sua única peça teatral, Jorge Amado narra a triste história de amor entre Eugênia Câmara e o poeta Castro Alves, que se encontrava dividido entre a paixão carnal e a entrega à luta pela liberdade nos últimos anos de sua vida. Leia +
Companhia das Letras

Sintonizado com os dilemas de seu tempo, o primeiro romance de Jorge Amado - escrito em 1931, quando ele tinha dezoito anos - já revela uma literatura vívida e calorosa, em que a veia satírica convive com uma profunda compreensão das limitações humanas. Leia +
Companhia das Letras
SUOR (2011)

O terceiro romance de Jorge Amado demonstra a maturidade precoce do escritor baiano ao narrar o microcosmo de um cortiço no Pelourinho no começo dos anos 1930. Leia +
Companhia das Letras
CACAU (2010)

Esta saga da zona cacaueira, escrita na juventude de Jorge Amado em 1934, surpreendeu a crítica e os leitores da época pelo frescor de sua linguagem e pela crueza com que denunciava as duras condições de vida dos trabalhadores rurais do sul da Bahia. Leia +
Companhia das Letras

Na década de 1930, Ilhéus vive uma era de ouro sustentada pelas exportações de cacau. Jorge Amado narra com destreza esse momento de efervescência, entrecruzando os destinos trágicos e cômicos de coronéis e prostitutas, exportadores e artistas de cabaré, poetas e vigaristas. Leia +
Companhia das Letras

Nestas memórias da infância de Jorge Amado, acompanhamos a formação da sensibilidade e dos valores do futuro escritor, no mundo conturbado e violento da zona cacaueira baiana das primeiras décadas do século XX. Entre personagens que serviriam de inspiração a muitos de seus livros, o menino grapiúna presenciou o nascimento de cidades, guerras sangrentas e a constituição de toda uma cultura e uma mitologia. Leia +
Companhia das Letras

Neste canto de louvor a Castro Alves, feito à maneira dos ABCs da literatura de cordel, Jorge Amado mostra a coerência entre a poesia arrebatada do "poeta dos escravos" e sua curta vida pessoal, feita de amores intensos e corajosa militância pela liberdade. Leia +
Companhia das Letras

Caixa especial com três contos de Jorge Amado ricamente ilustrados e comentados por um time de peso. Leia +
Companhia das Letras

Num jorro verbal e erótico ininterrupto, o assassino confesso de Rosalinda conta as múltiplas vidas e mortes dessa mulher fantástica que é ao mesmo tempo princesa hindu, dona de casa, madre superiora e dona de prostíbulo, além de ex-amante do patriarca de Alexandria. Leia +
Companhia das Letras

Salvador, início dos anos 70. Uma imagem preciosa de santa Bárbara desaparece assim que chega ao cais da cidade. Misto de fábula mística e sátira política, este livro embaralha personagens reais e fictícios para narrar as caóticas 48 horas que se seguem ao misterioso acontecimento. Leia +
Companhia das Letras

Em seu grande épico da condição sertaneja, Jorge Amado narra a saga de uma família de lavradores pobres expulsos de suas terras. O cangaço, o misticismo e os embates políticos pontuam a penosa e acidentada trajetória desses indivíduos, configurando um vívido painel do Brasil. Posfácio de Nelson Pereira dos Santos. Leia +
Companhia das Letras

Em 1940, uma eleição na Academia Brasileira de Letras opõe as forças da cultura ao obscurantismo nazifascista. Ao reconstituir um momento crucial da história brasileira, Jorge Amado expõe com humor e ironia as entranhas das nossas elites. Posfácio de Alberto da Costa e Silva. Leia +
Companhia das Letras

Narrativa densa e madura em que o autor satiriza as contradições da sociedade brasileira, enlaçando de modo irresistível alguns de seus motivos permanentes: a luta pela emancipação social, a força da cultura popular, a mesquinhez e o ridículo da elite. Posfácio de Zuenir Ventura. Leia +
Companhia das Letras

Uma caudalosa e elaborada parábola moral e política, em que personagens inesquecíveis se veem às voltas com temas agudamente atuais, como o desequilíbrio ambiental e a corrupção política. Leia +
Companhia das Letras

Divertida parábola sobre os limites entre a verdade e o mito, narrada por um historiador de província que busca reconstituir os fatos trinta anos depois de ocorridos. Leia +
Companhia das Letras
JUBIABÁ (2008)

A história de Antônio Balduíno pode ser lida como a jornada de um homem bruto, de poucas luzes, em direção ao entendimento do mundo e do lugar que nele ocupa. Posfácio de Antônio Dimas. Leia +
Companhia das Letras

Conhecido pelos inúmeros romances, Jorge Amado escreveu algumas histórias breves, causos extraordinários que parecem contados numa mesa de bar, como este De como o mulato Porciúncula descarregou seu defunto, primorosamente ilustrado e comentado. Comentários de Mariana Amado Costa e José Eduardo Agualusa. Leia +
Companhia das Letras

Célebre pelos romances caudalosos, Jorge Amado foi também um contista bissexto. Suas narrativas breves, embora pouco conhecidas, são excelentes portas de entrada para o universo do escritor baiano. Comentário de Ana Miranda. Leia +
Companhia das Letras

Por meio de múltiplas vozes, Jorge Amado narra as muitas vidas de Tereza Batista, sobrevivente da barbárie: presidiária, prostituta, professora de primeiras letras, sambista de cabaré, amásia de coronel, enfermeira, líder comunitária. Leia +
Companhia das Letras

Nestas crônicas diárias inéditas em livro, o escritor baiano comenta os acontecimentos da guerra direto de Salvador. Em textos inflamados, mas com a ternura que conhecemos de seus romances, ele alerta para os perigos do nazifascismo e ataca os governos hesitantes da América Latina. Leia +
Companhia das Letras

Sobre o pano de fundo da discussão das teorias raciais que infestaram os meios intelectuais brasileiros no começo do século XX, o escritor compõe uma história viva da cultura popular baiana e discute a reconstrução deturpada do passado pelos detentores do poder político, intelectual e econômico. Leia +
Companhia das Letras

Uma página sangrenta da história social brasileira elevada à categoria de mito fundador de uma civilização maculada pela cobiça e a barbárie. Posfácio de Miguel Sousa Tavares, autor de Equador e Rio das Flores. Leia +
Companhia das Letras

Entrelaçando fundo e figura de modo sutil, o autor fala de um momento crucial da vida social brasileira, ao mesmo tempo que narra uma surpreendente história de amor. Posfácio de José Paulo Paes. Leia +
Companhia das Letras

Narrativa breve e bem-humorada sobre como o sangue árabe - ou "turco" - ajudou a compor a mistura brasileira, contribuindo para a formação de um povo sensual, alegre e trabalhador. Posfácio de José Saramago. Leia +
Companhia das Letras

Na beira do cais de Salvador, entrelaçam-se várias histórias de pescadores, marinheiros, prostitutas e malandros. No centro desse mundo que parece parado no tempo, isolado da história, comandado pelo mito de Iemanjá, desenvolve-se a trajetória de Guma, jovem mestre de saveiro. Leia +
Companhia das Letras

Saga da constituição de um lugarejo na região cacaueira do sul da Bahia, Tocaia Grande atravessa décadas acompanhando personagens plenos de vida e verdade. Nesta obra de maturidade e de pleno domínio sobre seus recursos literários, Jorge Amado combina o registro épico ao lírico e ao satírico. Leia +
Companhia das Letras

Capitães da Areia, a história crua e comovente de meninos pobres que moram num trapiche abandonado em Salvador, é talvez o romance mais influente de Jorge Amado. Clássico absoluto dos livros sobre a infância abandonada, assombrou e encantou várias gerações de leitores e permanece hoje tão atual quanto na época em que foi escrito. Leia +
Companhia das Letras

Jorge Amado narra nesta novela deliciosa o duplo óbito de Joaquim Soares da Cunha, vulgo Quincas Berro Dágua, cidadão exemplar que a certa altura da vida decide abandonar a família e a reputação ilibada para juntar-se à malandragem da cidade. Leia +
Companhia das Letras

Um dos romances mais populares de Jorge Amado, Dona Flor e seus dois maridos conta a história de uma mulher, a professora de culinária Florípedes Paiva, que conhece em seus dois casamentos sucessivos a dupla face do amor. Leia +
Companhia das Letras
Uma crônica da permissividade americana nas décadas de 1960 e 1970

Talese mergulha fundo na intimidade de seus contemporâneos, traça um fascinante painel da mudança de costumes sexuais que varreu os Estados Unidos nas décadas de 1960 e 70 e recompõe a trama cerrada das relações entre sexo, pornografia, religião e censura no país. Chocante ao ser lançado em 1980, A mulher do próximo é hoje um clássico. Leia +
Companhia das Letras

O relato definitivo sobre a Guerra Civil Espanhola que inspirou a obra-prima de Pablo Picasso, Guernica. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

As melhores reportagens da grande revista do jornalismo brasileiro. Leia +
Companhia das Letras
O VOYEUR (2016)

Um voyeur, um motel, um segredo: a aguardada reportagem de um dos maiores nomes do Novo Jornalismo americano. Leia +
Companhia das Letras

Reunião de ensaios antológicos sobre pintores, fotógrafos e outros profissionais do meio criativo, escritos por uma das mais importantes vozes do jornalismo cultural. Leia +
Companhia das Letras

Em outro livro de tirar o fôlego, um dos grandes nomes do jornalismo americano se volta a um julgamento aparentemente solucionado, mas que, sob seu olhar agudo e faro apurado, será posto em xeque. Leia +
Companhia das Letras

Neste clássico do jornalismo literário, o autor de O reino e o poder e A mulher do próximo narra a ascensão e a queda de uma das grandes famílias da máfia americana. Edição revista e ampliada pelo autor, com nova introdução de Pete Hamill. Leia +
Companhia das Letras

Publicado em 1957, Operação Massacre narra os bastidores da ação policial que resultou no fuzilamento clandestino de doze civis acusados de conspirar contra o governo ditatorial que depusera Perón um ano antes. Ao empregar técnicas narrativas da ficção, esta reportagem inaugura o jornalismo literário na Argentina. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

Um retrato mordaz - e certeiro - de figuras que, por afinidade ou manobra do destino, estão no centro do panorama político nacional. Escritos por grandes jornalistas da atualidade, os perfis da piauí são conhecidos por sua competência investigativa e pelo modo incomum de construir a identidade dos retratados. Leia +
Companhia das Letras
ensaio sobre a vida e o sumiço do coronel Fawcett

Em 1925, um oficial britânico tenta localizar um Eldorado no interior do Brasil, mas acaba desaparecendo na selva. Vinte e sete anos depois, o repórter Antonio Callado vai ao Xingu para escrever sobre o sumiço do explorador e produz um dos mais fascinantes relatos jornalísticos já feitos no Brasil. Leia +
Companhia das Letras

Concebido como reportagem sobre os efeitos da Grande Depressão, Elogiemos os homens ilustres foi recusado pela revista que o encomendou por romper os padrões de redação da época. Lançado em livro, tornou-se um clássico do jornalismo literário e da reportagem fotográfica, ao retratar de maneira original e arrebatadora a convivência do escritor James Agee e do fotógrafo Walker Evans com lavradores pobres do Alabama, em 1936. Leia +
Companhia das Letras

Gay Talese, um dos mais conceituados jornalistas norte-americanos - autor de O reino e o poder (uma história do New York Times) e A mulher do próximo (a crônica da liberação sexual americana nos anos 1960) - investiga agora o seu próprio trabalho. Leia +
Companhia das Letras

Em um relato de extraordinária qualidade literária, a australiana Anna Funder traça um emocionado perfil dos atos individuais de heroísmo e resistência que conduziram à queda do muro de Berlim. Posfácio de William Waack. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

O livro das vidas, uma seleção de obituários publicados no New York Times, é também uma aula de jornalismo, assinada por profissionais que combinam humor, ironia, poder de síntese e raro talento para contar a história de pessoas comuns que levaram vidas incomuns. Leia +
Companhia das Letras

O livro traz vinte e três dos melhores textos do jornalismo literário internacional. Perfis de personalidades como Mike Tyson, Philip Roth, Benjamin Netanyahu, Amós Oz, Vladimir Putin e outros, traçados pelo editor de uma das mais prestigiosas revistas americanas. Posfácio de João Moreira Salles. Leia +
Companhia das Letras

Reportagens clássicas de convenções presidenciais nos Estados Unidos, por um dos escritores mais provocantes da literatura americana, O super-homem vai ao supermercado é um marco do jornalismo literário e um mergulho nos traumas e paradoxos da América. Posfácio de Sérgio Dávila. Leia +
Companhia das Letras
BERLIM (2006)

Joseph Roth, um dos maiores jornalistas alemães do século XX, traça uma imagem vibrante da Berlim dos anos 20, que dedica o mesmo olhar curioso a grandes políticos e pequenos patifes, escritores e prostitutas, refugiados e boêmios. Posfácio de Alberto Dines. Leia +
Companhia das Letras
FILME (2005)

Ao acompanhar a realização de um filme de John Huston, a jornalista Lillian Ross compõe um quadro que revela os meandros da indústria cinematográfica americana e o ambiente controvertido de Hollywood. Com apresentação de Matinas Suzuki Jr. e posfácio de Davi Arrigucci Jr. Leia +
Companhia das Letras

Joel Silveira foi um dos pioneiros do jornalismo literário no Brasil. A feijoada que derrubou o governo reúne artigos, reportagens e crônicas sobre a política brasileira e internacional, contadas por esta verdadeira fera do texto jornalístico. Posfácio de Leão Serva. Leia +
Companhia das Letras

Textos que imprimem um retrato agudo do universo urbano de Nova York. Nas reportagens reunidas nesta antologia, o consagrado repórter americano ajudou a criar o "novo jornalismo". Publicado no Brasil em 1973 com o título de Aos olhos da multidão, o livro se tornou referência entre jornalistas e escritores. A edição inclui duas reportagens inéditas. Leia +
Companhia das Letras

No começo de 1989, Zuenir Ventura foi enviado ao Acre para uma série de reportagens sobre o assassinato do seringueiro Chico Mendes, ocorrido em dezembro de 1988. Os textos deram ao repórter o prêmio Esso de Jornalismo. Quinze anos depois, em 2003, Zuenir retornou à região para concluir a grande reportagem sobre o herói dos Povos da Floresta. Leia +
Companhia das Letras

Fruto de uma intensa investigação, feita ao longo de meses, A sangue frio é um dos livros que fundaram o jornalismo literário, gênero que combina a objetividade factual e os recursos da narrativa de ficção. O clássico de Truman Capote conta a história da brutal chacina da família Clutter e dos autores do crime, executados em 1965. Leia +
Companhia das Letras

Primeiro título brasileiro da coleção Jornalismo Literário, reúne textos do repórter que cobriu a Segunda Guerra a serviço de Assis Chateaubriand, o Chatô, que o considerava "uma víbora". Com reportagens, crônicas e entrevistas, o livro traça um panorama do país na década de 40, com a marca do bom humor e da ironia de Joel Silveira. Leia +
Companhia das Letras

Colaborador da revista The New Yorker, Mitchell foi um dos maiores jornalistas americanos do século XX. A reportagem "O segredo de Joe Gould" (1964) conta a história de um homem que vivia como um mendigo - perambulando pelo Greenwich Village, bairro boêmio de Nova York - e planejava publicar um livro monumental: História oral do nosso tempo. Leia +
Companhia das Letras

A reportagem clássica sobre a bomba atômica que devastou a cidade de Hiroshima em 1945: um retrato de seis sobreviventes escrito um ano depois da explosão. Quarenta anos mais tarde, o autor reencontrou os entrevistados e completou o trabalho. Hiroshima permitiu que o mundo tomasse consciência do catastrófico poder de destruição das armas nucleares. Leia +
Companhia das Letras

Durante boa parte do século XX, The New York Times exerceu "o quarto poder" nos Estados Unidos. A história do jornal mais influente do mundo é apresentada aqui pelo editor Gay Talese, num clássico da história do jornalismo que ergue diante de nós o reino da imprensa, com suas lutas, conflitos e manipulações. Leia +
Companhia das Letras

Reedição dos polêmicos artigos do mais famoso jornalista americano das décadas de 1920 e 1930, agora na coleção Jornalismo Literário. Leia +
Companhia das Letras

A reunião das quatro últimas obras de uma das vozes mais poderosas da literatura americana do século XX. Leia +
Companhia das Letras

Reunião de grande parte da poesia de Elizabeth Bishop, considerada um dos maiores nomes da poesia norte-americana do século XX. Seleção, tradução e textos introdutórios de Paulo Henriques Britto. Leia +
Companhia das Letras

Estes contos brilhantes e provocadores revelam a trajetória literária de Kenzaburo Oe, um dos maiores escritores japoneses vivos, ganhador do prêmio Nobel de 1994. Inéditos em português e traduzidos direto do japonês, com introdução de Arthur Dapieve. Leia +
Companhia das Letras

Embora as peças de Stoppard já tenham sido encenadas no Brasil, esta edição traduz, pela primeira vez, algumas de suas obras mais influentes. Ao todo, são sete peças que contemplam releituras satíricas de obras clássicas, algumas de suas criações de vanguarda e peças líricas. Leia +
Companhia das Letras

O volume reúne os três romances e a novela que serve de epílogo à trilogia em que Roth dá vida a uma de suas criações mais geniais: o escritor Nathan Zuckerman. Com uma arquitetura intricada e narrativas bastante diversas, essas obras formam uma investigação totalmente nova e altamente cômica sobre as consequências imprevistas da arte. Leia +
Companhia das Letras

Reunião de contos de John Cheever - considerado um dos maiores contistas americanos do século XX e aquele que obteve o maior sucesso comercial com o gênero em todos os tempos - revela momentos de epifania e transcendência no ambiente aparentemente anódino do subúrbio americano. Leia +
Companhia das Letras

Este volume reúne todos os contos publicados em vida por Lima Barreto, resgatados por meio de pesquisa em edições originais, jornais e revistas da época, e mais dezenas de inéditos, retirados de seus manuscritos. Com organização, apresentação e notas de Lilia Moritz Schwarcz. Leia +
Companhia das Letras

Esta coletânea reúne grande parte dos contos de Raymond Carver, um dos maiores ficcionistas americanos do século XX. Dispostas em ordem cronológica, as narrativas acompanham a trajetória do escritor, cheia de percalços pessoais, crises familiares e problemas relacionados ao alcoolismo e à falta de dinheiro. Leia +
Companhia das Letras

Atravessar o fogo reúne as mais de trezentas letras compostas por Lou Reed ao longo de seus quarenta e cinco anos de carreira. Um panorama abrangente da obra de um dos grandes poetas da música popular norte-americana contemporânea em edição bilíngue. Leia +
Companhia das Letras

Reunião de cinco peças fundamentais do dramaturgo, escritas ao redor da década de 1950, cujos temas centrais são tolerância religiosa, imigração e o sonho americano, este último representado pela figura de Willy Loman, um vendedor que chega à velhice vendo seus sonhos de grandeza desmoronar. Leia +
Companhia das Letras

Maupassant provocou um curto-circuito na máquina da razão ao apontar, no fim do século XIX, para o nascimento do homem psicanalítico conduzido pelo inconsciente freudiano. Leia +
Companhia das Letras

Esta edição brasileira, organizada, traduzida e prefaciada por Maurício Santana Dias, traz pela primeira vez uma reunião das quarenta novelas de Pirandello que estiveram na origem de textos dramatúrgicos famosíssimos como Seis personagens em busca de autor, Assim é (se lhe parece), O homem da flor na boca e tantos outros. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

Organizada por Alberto Manguel especialmente para o público brasileiro, esta antologia traz alguns dos mais importantes contos de amor do século XIX, de autoria de escritores consagrados como Oscar Wilde, Goethe e Balzac até outros menos conhecidos no Brasil. Leia +
Companhia das Letras

As histórias reunidas pela autora inglesa Angela Carter nesse livro traçam um extenso painel do folclore mundial e das tradições narrativas dos mais variados povos. Mas engana-se o leitor que pensa encontrar aqui contos de fadas infantis. Eles foram escritos em uma época em que esse tipo de narrativa não era destinado a crianças, e oferecem ainda um retrato do dia-a-dia no mundo pré-industrializado. Leia +
Companhia das Letras

Esta antologia do consagrado contista brasileiro traz clássicos como "O duelo", "O monstro" e "O vôo da madrugada", além de quatro contos inéditos em livro. Mestre em recriar o mundo à sua volta e em reverter as convenções literárias, Sérgio Sant'Anna amplia os contornos e questiona os limites do conto. Leia +
Companhia das Letras

Antologia indispensável com o melhor dos contos do grande escritor brasileiro. Leitura obrigatória do vestibular da Unicamp. Leia +
Companhia das Letras

A prosa de Juan Carlos Onetti reflete a dimensão quase trágica de personagens à deriva entre o sonho e o desencanto. Neste volume, que reúne todos os contos dos escritor uruguaio, o leitor confere sua obra severa e implacável, ganhadora do Prêmio Cervantes de 1980. Introdução de Antonio Muñoz Molina. Leia +
Companhia das Letras

Toda a prosa curta de Truman Capote, autor de A sangue frio e Bonequinha de luxo, reunida pela primeira vez em um só volume. Inclui o conto inédito "A pechincha". Leia +
Companhia das Letras

Nestes contos, Tennessee Williams, dono de um tom de voz narrativo descrito por Gore Vidal como "absolutamente envolvente", apresenta uma galeria de personagens frágeis, insensatos, perdidos, por vezes maravilhosamente loucos ou desvairadamente lúcidos, mas sempre apaixonantes. Leia +
Companhia das Letras

Os contos dos três livros reunidos neste volume transitam entre o realismo fantástico e o relato autobiográfico, o humor fulminante e o comentário social. Da mesma coleção que já publicou coletâneas de Rubem Fonseca, F. Scott Fitzgerald e Isaac B. Singer, além de uma compilação de contos fantásticos, organizada por Italo Calvino. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

Alguns dos mais importantes contos de horror do século XIX, selecionados para o público brasileiro pelo escritor Alberto Manguel. Novas traduções de todas as narrativas, cada uma a cargo de um nome expressivo da cultura brasileira contemporânea. Leia +
Companhia das Letras

Conhecido por romances como O grande Gatsby, que fizeram dele o cronista maior dos "loucos anos 20", F. Scott Fitzgerald foi também um contista inspirado e fascinante. Esta nova antologia traz a fina flor da narrativa breve de F. Scott Fitzgerald, selecionada e traduzida por Ruy Castro. Leia +
Companhia das Letras

Isaac Bashevis Singer, Prêmio Nobel de 1978, é autor de uma obra marcada por sua infância na Polônia e por uma rica visão de sua herança religiosa, o que o posiciona entre os grandes autores da ficção judaico-americana, ao lado de Saul Bellow e Philip Roth. O volume inicia a coleção de contos reunidos de escritores de épocas e tradições literárias diversas. Leia +
Companhia das Letras
Vários autores

Histórias de mistério, terror e suspense de 26 autores selecionados por Italo Calvino. A antologia inaugura - ao lado de 47 contos de Isaac Bashevis Singer - uma coleção de livros de contos que irá publicar narrativas curtas de grandes autores da literatura mundial, vertidas para o português por tradutores e escritores brasileiros consagrados. Leia +
Companhia das Letras

Nesta sua estréia na ficção, Ruy Castro envolve Olavo Bilac num caso hilariante de espionagem industrial. Ao investigar a possível morte de seu amigo José do Patrocínio, Bilac vê-se enredado numa trama que inclui um fabuloso dirigível, um padre ambicioso e uma sedutora espiã portuguesa - tudo sob a atmosfera agitada da Belle Époque carioca. Leia +
Companhia das Letras

Após conhecer seu ídolo Jorge Luis Borges em Buenos Aires, o cinqüentão solitário Vogelstein vê-se no centro de um crime que envolve demônios arcanos, a cabala e a possibilidade de destruição da humanidade. Humor e inteligência nessa história em que os sinais do crime estão sempre à vista. A questão é como vê-los. Leia +
Companhia das Letras

Com seu humor característico, Scliar conta a história de um jovem russo que, em 1916, deixa sua aldeia para cumprir uma missão revolucionária a mando de Trotski. Por engano, ele recebe um texto de Kafka e o entende como uma mensagem cifrada. A situação kafkiana que se cria terá desdobramentos até no Brasil do golpe militar. Leia +
Companhia das Letras

Um homem é acusado de ter matado uma pessoa que participou com ele de uma orgia. Como não se lembra de nada, vai parar num manicômio. Convencido de que é vítima de um mal-entendido, tenta dar nexo às imagens confusas de sua memória, conversando com o interno que está trancado com ele numa cela escura. Leia +
Companhia das Letras

Elaboração ficcional dos últimos dias de R. L. Stevenson nas ilhas Samoa. Manguel constrói uma espécie de redoma erótica e, dentro dela, explora as tensões entre o recato e a desinibição, entre o pecado e a simplicidade, entre fato e ficção. Leia +
Companhia das Letras

Em Passaporte para a China, Lygia Fagundes Telles, a grande dama da literatura brasileira reúne pela primeira vez em livro crônicas de viagem publicadas na imprensa em 1960, com impressões pitorescas e poéticas sobre a China, o Brasil e os paradoxos do mundo moderno. Leia +
Companhia das Letras

Carlos Drummond de Andrade chamou de "miniaturas" esses textos fragmentários, escritos à margem da vida, em que a realidade confina com as invenções da ficção e da memória afetiva. Pequenos contos, reflexões curtas, notas cotidianas: tudo aqui se confunde numa amorosa variedade. Leia +
Companhia das Letras

De um lado, uma jovem indecisa em tempos de crise de valores. De outro, sua mãe, presença forte e independente. Uma paixão irresistível virá aquecer o conflito entre as duas, num dos romances mais perturbadores da autora. Leia +
Companhia das Letras

Nestes fragmentos de memórias, Lygia Fagundes Telles passa a limpo momentos decisivos de sua formação literária e humana. Encontros com personalidades se entremeiam com reflexões sobre o ofício do escritor e a condição da mulher no mundo contemporâneo. Posfácio de Alberto da Costa e Silva. Leia +
Companhia das Letras

Num dos livros mais modernos e definitivos de Lygia Fagundes Telles, uma atriz decadente que se prepara para voltar aos palcos faz um amargo balanço de sua vida amorosa e de suas derrotas pessoais, ao mesmo tempo que lança luz aos dramas de seus homens, de sua filha e de sua jovem analista. Posfácio de José Paulo Paes. Leia +
Companhia das Letras

Os oito contos aqui reunidos falam de personagens em descompasso com o mundo ao seu redor. O peso opressivo do passado empurra essas criaturas para o desespero, a apatia, a fantasia ou o crime. A vida, parece nos dizer a autora, é frágil, fugaz e misteriosa como uma bolha de sabão. Posfácio de Alfredo Bosi. Leia +
Companhia das Letras

Publicados originalmente em 1995, os nove contos breves reunidos neste livro combinam alta intensidade dramática e extrema densidade literária. Com sua maestria narrativa, a autora cria situações que expõem suas personagens no que elas têm de mais secreto e indizível. Leia +
Companhia das Letras

Este originalíssimo romance de formação é um dos marcos da carreira de Lygia Fagundes Telles. Lançado em 1954, narra a história de uma família de classe média abalada em seus alicerces pela loucura, pela paixão e pela morte. Leia +
Companhia das Letras

Publicado originalmente em 1977, este volume reúne alguns dos contos mais sutis e complexos de Lygia Fagundes Telles, que palmilha o terreno do fantástico e lança mão de todos os seus recursos literários para tratar de temas como o amor, a loucura, a velhice, o poder e a morte. Leia +
Companhia das Letras

Nos dezoito contos reunidos em Antes do baile verde, Lygia Fagundes Telles examina com olhar ao mesmo tempo crítico e solidário os mais variados destinos humanos. Na prosa fluente e sedutora que a tornou uma de nossas autoras mais admiradas, descortinam-se conflitos amorosos, descobertas surpreendentes e a eterna tensão entre o desejo e a consciência moral. Leia +
Companhia das Letras

São Paulo, 1973, auge da ditadura militar. Num pensionato para moças, as universitárias Lorena, Lia e Ana Clara iniciam a vida adulta num mundo conturbado por rápidas transformações. Lygia Fagundes Telles entrelaça de modo sutil e complexo as trajetórias dessas meninas às voltas com o sexo, as drogas e a repressão política. Leia +
Companhia das Letras

Invenção e memória se alimentam mutuamente nestes fascinantes contos de maturidade, em que Lygia Fagundes Telles parte das suas lembranças de menina para dar asas à fantasia e contar desde episódios biográficos até histórias de fantasmas e seres sobrenaturais. Leia +
Companhia das Letras
PILEQUES (2013)

Os píncaros da alegria etílica e o tenebroso abismo do vício se encontram nesta seleção de textos sobre álcool de um dos mais brilhantes autores do século XX. Leia +
Companhia das Letras
JUNKY (2013)

Marco cultural dos anos 1950, Junky descreve o périplo de um viciado em drogas pesadas. O livro entra agora para o time de clássicos malditos da coleção Má Companhia. Leia +
Companhia das Letras

Autores de diversas épocas, músicos, poetas e ocultistas, bandoleiros e até um papa se encontram no romance de estreia de Joca Reiners Terron. Do mesmo autor de Do fundo do poço se vê a lua (prêmio Machado de Assis na categoria romance). Leia +
Companhia das Letras

Escrito há cerca de quinhentos anos, estes Sonetos luxuriosos, de Pietro Aretino, o mais despudorado dos poetas italianos, amado e odiado por sua franqueza, ganham nova edição pelo selo Má Companhia. Tradução e introdução de José Paulo Paes. Leia +
Companhia das Letras

Os dois romances cult dos anos 80, que contam as peripécias de um cara de trinta e poucos anos em Paris e Nova York, com altas doses de sexo, drogas e muita bebida, aparecem reunidos nesta nova edição revista pelo autor, Reinaldo Moraes, um dos escritores que integra o clã dos "malditos" da coleção Má Companhia. Leia +
Companhia das Letras

São Paulo serve de cenário a um pesadelo sufocante, que mistura ambição, culpa e violência. Assim é O invasor, de Marçal Aquino, novela que só foi concluída cinco anos depois de ter virado roteiro do premiado filme do diretor Beto Brant. Leia +
Companhia das Letras

Philip Pullman imagina uma versão para a história de Jesus Cristo, transformando esse notório personagem em dois: os gêmeos Jesus e Cristo, de personalidades opostas. Neste livro polêmico, o grande contador de histórias britânico faz, com sua prosa enxuta e contemporânea, uma crítica do autoritarismo e da alienação professados pela Igreja. Leia +
Companhia das Letras

David Grossman traça um estudo sensível e delicado do mito de Sansão, e apresenta, para além do guerreiro, um homem confrontado com um destino maior do que ele mesmo. Leia +
Companhia das Letras

A apaixonada crônica de Ruy Castro retrata o Rio de Janeiro como um palco de perigos e prazeres - desde 1502, quando Américo Vespúcio lhe deu o nome que a consagrou internacionalmente. O autor faz um misto de narrativa, ensaio, história e conversa fiada sobre uma cidade com excitante vocação para o épico - e para transformar o épico em samba. Leia +
Companhia das Letras

O escritor americano Edmund White, que morou dezesseis anos em Paris, flana pela cidade e vai a lugares praticamente desconhecidos dos visitantes (e mesmo da maioria dos parisienses). White mostra a arquitetura íntima dessa cidade que, talvez como nenhuma outra, desperta todo tipo de fantasias de felicidade. Leia +
Companhia das Letras

Em novo volume da coleção Perfis Brasileiros, Miriam Dolhnikoff realiza um retrato abrangente de José Bonifácio de Andrada e Silva, figura central para o processo de Independência do Brasil. Leia +
Companhia das Letras

Em Antônio Vieira: Jesuíta do rei, o historiador Ronaldo Vainfas analisa a personalidade multifacetada de um dos maiores escritores da língua portuguesa e reconstitui a sua intensa ligação com o Brasil, além de sua vida política e religiosa. Da coleção Perfis Brasileiros. Leia +
Companhia das Letras

Marcada por ambivalência e controvérsia, a vida de Cláudio Manuel da Costa é revisitada pela historiadora Laura de Mello e Souza, que pesquisou inventários, escrituras e processos judiciais para reconstituir os passos do poeta no Brasil e na Europa. Leia +
Companhia das Letras

Em sua curta trajetória, Leila Diniz teve um currículo de realizações artísticas expressivas, mas, acima de tudo, acabou por revolucionar o papel da mulher na sociedade brasileira; nas décadas de 1960 e 70, falou sem pudor sobre sexualidade e se deixou fotografar grávida, de biquíni. Leia +
Companhia das Letras

Neste volume da coleção Perfis Brasileiros, o historiador Francisco Doratioto investiga a figura do General Osorio, o militar mais conhecido de seu tempo, e traça uma envolvente história dos países do Rio da Prata. Leia +
Companhia das Letras

Neste volume da coleção Perfis Brasileiros, Angela Alonso traça um retrato minucioso de Joaquim Nabuco, focalizando os dilemas pessoais e embates públicos do pensador e militante abolicionista. Leia +
Companhia das Letras

José Murilo de Carvalho apresenta dois personagens em conflito mútuo. Um, mais conhecido, é o imperador d. Pedro II, que governou o Brasil por quase meio século. O outro é Pedro d'Alcântara, cidadão comum, que amava as ciências e as letras tanto quanto detestava as pompas do poder. Leia +
Companhia das Letras
RONDON (2006)

Grande responsável pela construção da linha telegráfica que deveria cruzar enorme parte da bacia amazônica, o oficial do Exército brasileiro Cândido Mariano da Silva Rondon foi um dos responsáveis por pensar o Brasil como uma nação. O historiador norte-americano Todd A. Diacon parte das expedições de Rondon pela região amazônica para traçar o seu perfil. Leia +
Companhia das Letras
NASSAU (2006)

Ao contrário do que se pensa, João Maurício de Nassau-Siegen não era nem holandês, nem príncipe. Sua família tinha linhagem alemã, e ele nasceu conde - o título de príncipe só lhe foi concedido às vésperas de completar cinqüenta anos. Evaldo Cabral de Mello esmiúça a experiência de Nassau no Brasil à luz das guerras e disputas comerciais da Europa do século XVII. Leia +
Companhia das Letras

Isabel Lustosa escreve que d. Pedro I "é o personagem mais fascinante da história do Brasil" - impulsivo, desconfiado e vingativo, traiu amigos fiéis e foi implacável com os inimigos. Transitando entre o grande panorama da história brasileira e européia no século XIX, e o retrato íntimo de Pedro de Bragança e Bourbon, ela prova o seu ponto com verve e conhecimento de causa. Leia +
Companhia das Letras

Morto com apenas 24 anos, Castro Alves já era imensamente famoso em Salvador, no Recife, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Num livro que é ao mesmo tempo perfil empenhado e crítica literária cuidadosa, Alberto da Costa e Silva mostra como um jovem perfeitamente integrado na sociedade escravocrata veio a ser o poeta da abolição. Leia +
Companhia das Letras

Nenhum governante brasileiro permaneceu no poder por tanto tempo quanto Getúlio Vargas. Para traçar o seu perfil, Boris Fausto passa ao largo do maniqueísmo e dos estereótipos, do culto ao "pai dos pobres" e da denúncia do "caudilho". Ele parte das raízes familiares de Getúlio, bem como do ambiente político em que este se formou, no Rio Grande do Sul. Leia +
Companhia das Letras

Em seu quinto livro, uma das vozes mais originais da poesia contemporânea reflete sobre as múltiplas espirais da linguagem. Câmera lenta foi o vencedor do Prêmio Oceanos 2018. Leia +
Companhia das Letras
ROL (2016)

Trazendo a morte como pano de fundo, a poética corajosa, madura e sensível de um dos maiores autores em atividade do Brasil. Leia +
Companhia das Letras

Um longo poema com versos repletos de lirismo, de uma das grandes revelações da poesia contemporânea brasileira. Leia +
Companhia das Letras

O livro das semelhanças, obra de uma das mais aclamadas poetas brasileiras contemporâneas, é um acontecimento raro em nossa cena literária. Leia +
Companhia das Letras
ESCUTA (2015)

Com Escuta, Eucanaã Ferraz mais uma vez avança em sua escrita e confere vigor a toda a poesia brasileira. Leia +
Companhia das Letras

Lirismo e aspereza nos versos de um poeta que trilha um caminho único na lírica contemporânea do Brasil. Leia +
Companhia das Letras

A estreia de um poeta maduro que exibe segurança e lirismo para falar dos eventos mais importantes da vida. Leia +
Companhia das Letras
DEVER (2013)

Com livro de poemas inéditos, um dos maiores poetas em atividade no Brasil comemora 50 anos de carreira no auge da forma. Leia +
Companhia das Letras

Os dois primeiros livros da carreira do poeta e tradutor Paulo Henriques Britto, um dos mais destacados autores brasileiros contemporâneos. Leia +
Companhia das Letras

Poeta brasileiro da nova geração, Alexandre Barbosa de Souza presenteia o leitor com cenas do cotidiano, memórias da juventude e uma voz poética que reflete e celebra a vida nos seus detalhes. Leia +
Companhia das Letras

Esta nova seleção de versos atesta as qualidades mais evidentes de Eucanaã Ferraz, poeta com uma das mais brilhantes e consistentes trajetórias da literatura brasileira contemporânea. Leia +
Companhia das Letras

Com uma poética que se caracteriza pela construção, pela ironia e pelo jogo entre linguagem do cotidiano e sofisticação intelectual, Formas do nada exprime o confronto perfeitamente incomplacente de um homem com seu entendimento. Leia +
Companhia das Letras

Em seu segundo livro - o primeiro, A vida submarina, é de 2009 - , a poeta mineira Ana Martins Marques promove uma observação ativa do mundo. Nos objetos do cotidiano ou nas surpresas do corpo, as armadilhas também se chamam vida, ou amor, ou quem sabe cigarros e silêncio. Leia +
Companhia das Letras

Onze anos depois de Elefante, mais um livro de Francisco Alvim. Os poemas pertencem às duas vertentes características do poeta: ora líricos, marcados pelo sentimento da morte e da perda, ora críticos da história que sempre passa pela fala de vozes anônimas. Leia +
Companhia das Letras
VESUVIO (2011)

Primeiro livro de poesia de uma escritora premiada que não cessa de surpreender, Vesuvio reúne poemas da vida inteira. Neles, sem abandonar a ironia, Zulmira encontra um timbre especial para falar de sua experiência no mundo. Leia +
Companhia das Letras

Em sua concisão, estes poemas desvendam horizontes. A percepção fina e a atenção aguda do poeta operam o passe de mágica que é prerrogativa da poesia: expor, desprotegido, o momento que passa. Terceira coletânea de Fernando Moreira Salles, A chave do mar confirma a presença de seu autor entre os novos nomes da poesia brasileira. Leia +
Companhia das Letras

Os poemas de De Franceschi são ao mesmo tempo sensuais e eruditos. As palavras, buscadas com precisão, oferecem a música de seus sons para dar nome, com delicadeza, mas incisivamente, às coisas - presentes e passadas. Leia +
Companhia das Letras

"O real não está nem na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia." As palavras de Guimarães Rosa descrevem o gesto poético de Alberto Martins em seu Em trânsito. "Notável", diz Francisco Alvim. Leia +
Companhia das Letras
ESQUIMÓ (2010)

"Fabrício Corsaletti permanece fiel a uma dicção que equilibra com eficiência nostalgia e ironia, lembranças da infância interiorana e referências literárias e cinematográficas, paixão vivida e distanciamento crítico." (Paulo Henriques Britto) Leia +
Companhia das Letras

Um convite ao leitor/espectador para compartilhar, como numa sessão de cinema, momentos de grande intensidade poética. Nesta Cinemateca, a vivência da poesia não oferece grandiloqüência ou monumentalidade, mas coloquialidade e franqueza de espírito. Leia +
Companhia das Letras

Lançado pela primeira vez em 1974, este livro introduz uma nova fase da escritora: é o primeiro volume de poesia depois de sua estreia na ficção. Leia +
Companhia das Letras

Lançado em 2012, o livro se tornou um clássico contemporâneo ao refletir, com humor e perspicácia, sobre questões de gênero. Leia +
Companhia das Letras

Lançado em volume independente na coleção Poesia de bolso, Distraídos venceremos é a obra lapidar de Leminski. Leia +
Companhia das Letras

Uma obra visceral, densa e revolucionária, que marcou a estética pós-tropicalista e volta agora a caber no bolso do leitor brasileiro. Inclui cronologia inédita. Leia +
Companhia das Letras

Uma das vozes femininas mais marcantes e festejadas da poesia brasileira, Ana Cristina Cesar estreia a coleção "Poesia de bolso" com o clássico A teus pés. Leitura obrigatória do vestibular da Unicamp. Leia +
Companhia das Letras

A poesia pop de Paulo Leminski agora é portátil. Leia +
Companhia das Letras

O novo caso do delegado Espinosa envolve um jogo de gato e rato que conta com um cafetão bem-sucedido, sua nova prostituta favorita e outras figuras da Lapa profunda. Leia +
Companhia das Letras

Trama policial desencadeada por um homem que faz um estranho pedido ao detetive Espinosa: investigar um assassinato que ainda não ocorreu e cujo assassino será ele próprio. O homem ignora o motivo do crime, como vai cometê-lo e quem será a vítima. Leia +
Companhia das Letras

O delegado Espinosa é encarregado de um caso que envolve um psiquiatra acometido de forte sentimento de perseguição e um paciente que desaparece em circunstâncias misteriosas. Quinto livro de Luiz Alfredo Garcia-Roza protagonizado pelo detetive, que agora precisa distinguir os fatos da imaginação, separando a realidade do delírio. Leia +
Companhia das Letras

Nova edição do quinto livro de Luiz Alfredo Garcia-Roza protagonizado pelo delegado Espinosa, que agora precisa distinguir os fatos da imaginação, separando a realidade do delírio. Leia +
Companhia das Letras

O nono romance da premiada série do commissario Guido Brunetti revela as entranhas de uma Veneza que poucos conhecem. Leia +
Companhia das Letras

Quem é Ana Cíntia Lopes? Por que Camila e Dinéia sumiram? Quem matou o dr. Rafidjian? Qual o segredo de Beatriz? Aos poucos, os mistérios vão se desvendando, até que a decifração do enigma final deixa o detetive Bellini perplexo, com um gosto horrível na boca. Romance policial na melhor tradição noir. Leia +
Companhia das Letras

O jovem detetive Remo Bellini tem de localizar um manuscrito perdido de Dashiell Hammett, o mestre do romance policial, e encontrar o assassino da bela Sílvia Maldini. Ambientado no Rio e em São Paulo, trata-se de um verdadeiro e eletrizante noir brasileiro. Leia +
Companhia das Letras

Um eletrizante livro do autor sueco com mais de 40 milhões de exemplares vendidos no mundo e intitulado "rei do crime" pela revista The Economist. Leia +
Companhia das Letras

Com explosivo enredo, Dennis Lehane está de volta às ruas de Boston, cenário do best-seller Sobre meninos e lobos. Leia +
Companhia das Letras

Em mais um capítulo da saga do delegado Espinosa, um professor com uma síndrome rara leva a investigação para o mais perigoso dos lugares: o interior da mente humana. Leia +
Companhia das Letras

No aguardado retorno do detetive Remo Bellini, uma trama de sequestros, música sertaneja e césio-137 no coração de Goiânia. Leia +
Companhia das Letras

A morte de um imigrante ilegal lança John Rebus e Siobhan em um círculo de traição, violência e morte no submundo de Edimburgo. Leia +
Companhia das Letras

Um épico explosivo e cheio de reviravoltas, por um dos mestres modernos da literatura policial. Leia +
Companhia das Letras

Inspirado no universo literário de Jane Austen, Morte em Pemberley insere os protagonistas de Orgulho e preconceito numa trama de mistério e assassinato. Leia +
Companhia das Letras

No oitavo livro da cultuada série de Donna Leon, o commissario Guido Brunetti vê sua carreira de anos ameaçada por um conflito ético originado no seio de sua própria família. Leia +
Companhia das Letras
FANTASMA (2012)

No décimo romance do premiado criador do delegado Espinosa, uma moradora de rua é possivelmente a única testemunha de um assassinato ocorrido em Copacabana. Leia +
Companhia das Letras

No sexto volume da aclamada série protagonizada pelo inspetor Kurt Wallander, o premiado autor de Assassinos sem rosto constrói uma trama arrepiante, que revela uma Suécia marcada pela violência. Leia +
Companhia das Letras

Em 1998, o detetive Patrick Kenzie encontrou a menina Amanda McCready e a arrancou do casal que a criava com segurança e afeto para devolvê-la à mãe biológica, uma mulher viciada em drogas e álcool. Doze anos depois, a adolescente Amanda some de novo, e ele tem a chance de se redimir. Leia +
Companhia das Letras

Em Denúncias, o escritor Ian Rankin apresenta o inspetor Malcolm Fox, um competidor à altura de seu mais célebre personagem, o detetive John Rebus. Fox é encarregado de investigar outros policiais e acaba investigado: ele é suspeito de um assassinato. Leia +
Companhia das Letras

Um escritor de romances policiais aparece morto num barco à deriva, com as mãos decepadas. Apesar de a autópsia indicar morte por causas naturais, uma herança polpuda, um estranho manuscrito e uma fogueira de vaidades e ressentimentos impedem que o detetive Adam Dalgliesh acredite em tal hipótese. Leia +
Companhia das Letras

Para solucionar a série de mortes ocorridas na sombria escola de enfermagem Nightingale House, no sul da Inglaterra, o detetive Adam Dalgliesh terá de adotar o sangue-frio de um legista e apurar seu senso de observação adquirido ao longo de anos de Scotland Yard. Leia +
Companhia das Letras

O delegado Adamsberg vai a Londres e se envolve em uma investigação macabra: vários pares de sapatos, com pés dentro, são achados no cemitério de Highgate. De volta a Paris, Adamsberg terá de lidar com outros crimes sinistros. Mas os pés amputados, um assassinato na Áustria e vampiros sérvios continuam a perturbar seu raciocínio investigativo. Leia +
Companhia das Letras
EM RISCO (2011)

Neste livro, a genial criadora de Kay Scarpetta nos apresenta a um novo detetive, Win Garano. Ele é designado por sua chefe, a promotora pública Monique Lamont, para uma tarefa quase impossível. Leia +
Companhia das Letras

Neste romance de 1949, o detetive bon-vivant Nero Wolfe enfrenta um caso envolvendo milionários, comunistas e gângsteres, num retrato irônico da atmosfera política dos Estados Unidos durante os anos do macarthismo. Leia +
Companhia das Letras

É verão, e o inspetor Wallander se prepara para viajar com sua nova namorada, na esperança de que seu pai idoso e sua filha rebelde não o obriguem a cancelar seus planos. Mas será uma sequência de crimes brutais que atrapalhará sua "lua de mel", mais uma vez o obrigando a mergulhar no trabalho. Leia +
Companhia das Letras

Este segundo romance protagonizado pela jovem e sagaz detetive Cordelia Gray parte de um verso de T. S. Eliot para abordar o medo paralisante da morte. Leia +
Companhia das Letras

Uma jogadora de tênis é encontrada nua e mutilada em Roma; o corpo de um menino maltratado é jogado num pântano desolado; uma mulher é ritualisticamente assassinada em sua milionária mansão na praia. A dra. Scarpetta já lidou com muitos crimes brutais e inusitados, mas nunca com uma corrente tão sinistra quanto a que tem pela frente neste Livro dos mortos. Leia +
Companhia das Letras

John Rebus, o inquieto e cínico detetive criado por Ian Rankin, está às voltas com o desaparecimento da bela e rica Philippa. No curso das investigações, ele vai ter de lidar com miniaturas sinistras, um misterioso jogo de enigmas pela internet e um possível serial killer. Leia +
Companhia das Letras

O delegado Espinosa está de licença. Recupera-se de uma facada que por pouco não acaba com sua vida. Por isso, quando uma bela mulher o procura para pedir sua proteção, ele trata de ajudá-la em caráter não oficial. Só não sabe que ela é a ponta de um labirinto de interesses, manipulações e mentiras em que poderá se perder. Leia +
Companhia das Letras

O ambiente calmo e inofensivo de uma clínica nos arredores de Londres é palco de assassinatos violentos que revelam uma engrenagem de mágoas e desejos de vingança entre serviçais, médicos e residentes. O responsável por desvendar o caso é o célebre detetive Adam Dalgliesh. Leia +
Companhia das Letras
SERENATA (2009)

Publicado pela primeira vez em 1937, este romance, de um dos mestres da literatura policial americana, conta a história do mirabolante caso de amor entre um cantor de ópera e uma prostituta mexicana. Leia +
Companhia das Letras
PREDADOR (2009)

Um suicídio, o desaparecimento de duas crianças, um crime ocorrido numa loja de artigos de Natal. Aparentemente separados no tempo e no espaço, esses eventos aos poucos se revelam integrantes da mesma trama - e levam a equipe da dra. Kay Scarpetta, personagem mais célebre da escritora Patricia Cornwell, a mais um mergulho no universo da violência hedionda e gratuita. Leia +
Companhia das Letras

Encabeçadas por "Janela indiscreta", que deu origem à obra-prima de Alfred Hitchcock, as cinco histórias deste livro, publicadas originalmente nos anos 40, trazem toda a genialidade de Cornell Woolrich, um dos mestres do romance noir. Leia +
Companhia das Letras

A estréia da jovem investigadora Cordelia Gray não poderia ser mais traumática: tão logo inaugura sua agência de detetives, o sócio comete suicídio e ela tem de assumir sozinha o primeiro caso. Leia +
Companhia das Letras

Publicada originalmente em 1941, esta obra-prima de alta voltagem emocional lida com os sentimentos humanos mais violentos e primordiais, ao mesmo tempo que pinta um retrato implacável da sociedade americana dos anos 1930. Leia +
Companhia das Letras

Em sua 13a. aventura publicada no Brasil, a dra. Kay Scarpetta, legista criada pela escritora Patricia Cornwell, revela as entranhas do dia-a-dia de um instituto médico legal numa trama macabra envolvendo um assassino serial, intrigas políticas e dramas psicológicos. Leia +
Companhia das Letras

A investigação do atropelamento de uma pensionista da Previdência Social leva o delegado Espinosa a visitar a própria infância, evocando um acidente mortal com uma menina de onze anos. Entre jogos de sedução, chantagens, mentiras e um psicopata que não mede esforços para apagar o passado, o delegado corre risco de vida. Leia +
Companhia das Letras

A rotina do excêntrico Nero Wolfe - um dos detetives mais cativantes da literatura policial -, inclui comer bem, beber muita cerveja e cuidar de orquídeas; mas é alterada quando ele resolve desvendar o assassinato do diretor de uma grande instituição americana. Leia +
Companhia das Letras

Quem está por trás das mortes misteriosas que cercam todos os que se aproximam da garota Gabrielle Leggett? Em nova tradução, Maldição em família é um thriller de diálogos cortantes e ritmo acelerado, escrito pelo criador do detetive Sam Spade e pai do moderno romance policial. Leia +
Companhia das Letras

A gerente administrativa de uma clínica psiquiátrica é vítima de um assasinato com características perturbadoras, que parecem apontar para várias direções. Pouco depois do incidente, o inspetor Dalgliesh já está na cena do crime. Sabe que o assassino continua no local e que não será fácil identificá-lo. Leia +
Companhia das Letras
CORONADO (2007)

Em sua primeira coleção de contos, Dennis Lehane volta ao submundo dos Estados Unidos para explorar, em uma narrativa ágil e arrebatadora, o impacto da violência na sociedade. Também incluída no livro está a peça Coronado, a primeira do autor. Leia +
Companhia das Letras

Narrado com precisão cirúrgica, diálogos brilhantes e um suspense quase insuportável. Indenização em dobro nos traz uma radiografia da culpa, das mentiras e dos enganos que um amor obsessivo e destruidor pode gerar. Leia +
Companhia das Letras

Nick Hoffman, professor de redação e detetive a contragosto, está acostumado com a tranqüilidade da vida no campus, mas vê seu cotidiano de discussões acadêmicas ser trocado por um universo de assassinatos e investigações criminais. Leia +
Companhia das Letras

Tiros numa escola particular, policiais suspeitos de assassinato, tráfico de drogas, políticos inescrupulosos e jornalistas em busca de fama a qualquer preço. Com esses ingredientes Ian Rankin recria a Edimburgo dos dias de hoje, envolta numa atmosfera pesada e sufocante. Leia +
Companhia das Letras

Um homem cai de cabeça da galeria de um teatro em Edimburgo. Isabel Dalhousie, editora de uma revista filosófica, presencia a cena e intui que algo estranho ronda o suposto acidente. Pautada por suas convicções éticas, começa a investigar vida e ligações do jovem morto. Leia +
Companhia das Letras

O inspetor Kurt Wallander, da polícia de Ystad, tenta penetrar nos mistérios insondáveis do mundo empresarial moderno para provar que há um assassino frio e calculista debaixo do eterno sorriso de um dos homens mais ricos e eminentes da Suécia. Leia +
Companhia das Letras

Em sua estréia na ficção policial, Reginaldo Prandi enreda o leitor numa trama surpreendente, desencadeada por um assassinato com características de sacrifício religioso. O delegado Tiago Paixão, que investiga o crime, acaba conhecendo os costumes de um terreiro de candomblé, descobre as intrigas entre os fiéis e precisa lidar com a ameaça de um conflito religioso violento. Leia +
Companhia das Letras
O FAROL (2006)

Assassinato cometido numa ilha que serve de refúgio tranqüilo para o repouso de personalidades importantes ameaça o sossego de moradores e visitantes e se transforma em fato político desestabilizante. Mais um caso para o detetive Adam Dalgliesh. Leia +
Companhia das Letras

Mesmo afastada de seu cargo de médica-legista, a dra. Kay Scarpetta recebe uma proposta inesperada de um criminoso conhecido como Lobisomem. Enquanto decide se deve ou não aceitá-la, Scarpetta é levada a encarar seus piores medos e traumas para resolver um dos casos mais desafiadores de sua carreira. Leia +
Companhia das Letras

No ano em que O silêncio da chuva - primeiro romance de Luiz Alfredo Garcia-Roza e estréia de seu personagem Espinosa - completa nove anos e ganha edição de bolso, surge a taxista Berenice, novo personagem-detetive, impelida a solucionar um crime por razões que nem ela entende. Leia +
Companhia das Letras

Em sua 11a. aventura, a dra. Kay Scarpetta luta para defender sua inocência e reputação depois de ser acusada de um dos assassinatos cometidos pelo criminoso chamado Lobisomem. Leia +
Companhia das Letras

Os xerifes Teddy Daniels e Chuck Aule vão à Shutter Island procurar uma mulher que desapareceu misteriosamente do Hospital Psiquiátrico Ashecliffe. Quanto mais perto da verdade eles chegam, mais enganosa ela se torna. Do autor de Sobre meninos e lobos. Leia +
Companhia das Letras

O detetive Dalgliesh e seu ajudante, o oficial Martin, investigam o assassinato da jovem e bela Sally Jupp, mãe solteira e empregada doméstica dos aristocráticos Maxie. O crime ocorre horas depois de Sally anunciar o casamento com Stephen, o charmoso filho da família. Leia +
Companhia das Letras

Tudo indica que Arlindo Galvet morreu de causas naturais. A não ser por uma carta, com um recorte de jornal e 5 mil dólares, deixada sob a porta da Agência Lobo de Detetives. Em sua terceira aventura, o carismático detetive Remo Bellini envolve-se com a máfia chinesa, um centro espírita e algumas mulheres, enquanto investiga a misteriosa morte do advogado. Leia +
Companhia das Letras

Primeiro ovelhas, depois pessoas: uma série de assassinatos na região do Mercantour leva o delegado Jean-Baptiste Adamsberg aos Alpes franceses. Fenômeno editorial na França, Fred Vargas já vendeu mais de 250 mil exemplares desde o lançamento de seu primeiro livro. Leia +
Companhia das Letras

Ao investigar o desaparecimento de uma menina, a dupla de detetives Patrick Kenzie e Angela Gennaro se envolve com uma rede de traficantes e outros criminosos. Um thriller de ação e densidade psicológica, marcas indefectíveis de Lehane, o premiado autor de Sobre meninos e lobos - Mystic river. Leia +
Companhia das Letras

A médica-legista Kay Scarpetta se vê às voltas com um mistério aparentemente sobrenatural quando uma autópsia revela que a vítima foi morta por um lobisomem. Enquanto isso, Kay é obrigada a lidar com a tirânica Diane Bray, a chefe de polícia interina. Leia +
Companhia das Letras

Uma série de assassinatos no museu Dupayne parece remeter aos crimes exibidos na popular Sala dos Homicídios. Adam Dalgliesh, poeta e inspetor da Scotland Yard, parte com sua equipe para desvendar mais um mistério cheio de reviravoltas da premiada autora P. D. James. Leia +
Companhia das Letras

Nesta trama intrincada e ardilosa, o detetive gourmet Nero Wolfe é novamente chamado a deixar de lado suas paixões - orquídeas, cerveja, boa comida e perfeita imobilidade - para elucidar o mistério que envolve A caixa vermelha. Com o auxílio de seu indefectível assistente Archie Goodwin, Wolfe investiga a morte enigmática da bela Molly Lauck. Leia +
Companhia das Letras
SAGRADO (2004)

Patrick Kenzie e Angela Gennaro, os detetives de Boston que protagonizam outros quatro romances de Dennis Lehane, investigam o desaparecimento da bela Desiree, filha do milionário Trevor Stone. A dupla descobre atividades criminosas de uma seita e vai à Flórida, onde Jay Becker, o melhor investigador de Boston, também sumiu. Leia +
Companhia das Letras

Um pregoeiro anuncia uma epidemia de peste negra em Paris - e cadáveres começam a aparecer. O delegado Jean-Batiste Adamsberg e seu assistente Danglard assumem a investigação desse caso de terror coletivo. Best-seller na França, o livro foi saudado pela imprensa francesa e teve direitos de publicação negociados com mais de vinte países. Leia +
Companhia das Letras

O detetive da Scotland Yard Adam Dalgliesh vive uma crise existencial e resolve abandonar a carreira. Em busca de descanso, parte para um lugarejo no litoral sul da Inglaterra, atendendo ao pedido de um amigo, o padre Baddeley. Ao chegar ao local, porém, descobre que será obrigado a voltar à sua especialidade: investigar crimes assustadores. Leia +
Companhia das Letras

Depois do elogiado Informações sobre a vítima, o ex-delegado Joaquim Nogueira traz de volta o investigador Venício, que tenta agora descobrir o paradeiro do sedutor Anatole France Castanheira, dono do motel Deneuve. Vida pregressa é uma narrativa de ação, com reviravoltas inesperadas e descrições minuciosas do cotidiano da polícia civil de São Paulo. Leia +
Companhia das Letras

A descoberta de dois corpos num bote salva-vidas pega de surpresa o inspetor sueco Kurt Wallander. O crime relaciona-se às atividades da máfia que envolve autoridades da então república soviética da Letônia. Chamado a Riga, capital letã, para ajudar nas investigações, Wallander desembarca numa cidade soturna, onde se apaixona por uma bela idealista. Leia +
Companhia das Letras

Os detetives Patrick Kenzie e Angela Gennaro investigam as ameaças ao filho de uma famosa psiquiatra, supostamente feitas pela máfia irlandesa. O trabalho se revela mais complexo e perigoso do que eles previam quando um violento psicopata volta a agir na região depois de vinte anos, enredando a dupla de detetives em seus planos. Leia +
Companhia das Letras

Numa aldeia de East Anglia, Inglaterra, o dr. Lorrimat é assassinado dentro de um laboratório especializado - ironicamente - em exames para laudos criminais. Ninguém parece lamentar a morte do perito: os suspeitos e os álibis se multiplicam entre seus colegas de trabalho. Essa é mais uma desafiadora tarefa para o detetive da Scotland Yard Adam Dalgliesh. Leia +
Companhia das Letras

Wendy Hanniford, uma garota do interior dos Estados Unidos, faz da prostituição seu meio de vida em Nova York - até que é encontrada morta em seu apartamento. A polícia encerra o caso, mas o pai da moça contrata Matthew Scudder para prosseguir com as investigações. O detetive logo descobre que sua missão tem o cheiro inconfundível da sordidez. Leia +
Companhia das Letras

Três antigos colegas, Dave, Jimmy e Sean, descobrem-se envolvidos em circunstâncias nebulosas: a bela filha de dezenove anos de Jimmy foi assassinada nas imediações dos dois bairros violentos onde os amigos constumavam se encontrar. O crime, cometido na periferia de Boston, reúne novamente os três companheiros, 25 anos depois do rapto de um deles. Leia +
Companhia das Letras

Uma assassina psicopata enreda Kay Scarpetta em crimes e jogos de palavras aterrorizantes. Ao mesmo tempo, a legista investiga um serial killer que carboniza o corpo das vítimas. As pessoas que Scarpetta mais ama - e ela própria - estão no foco de uma ameaça invisível, oculta em cada página deste impressionante thriller. Leia +
Companhia das Letras

Thriller policial protagonizado pelo inspetor Kurt Wallander, em que a ação vai da pacata e gelada Suécia para as quentes savanas africanas. Wallander investiga um assassinato na pequena cidade sueca de Ystad. Um dedo negro decepado é a pista que leva as buscas para a conturbada África do Sul, vivendo os estertores do regime do apartheid. Leia +
Companhia das Letras

Este romance narra a história do policial Venício, que começa a investigar por conta própria o assassinato de um amigo, também policial, tendo como cenário a boca do lixo da cidade de São Paulo, vista do interior do fusquinha do protagonista. Ficção de estréia do ex-delegado Joaquim Nogueira. Leia +
Companhia das Letras

Escrevendo aos oitenta anos, James está impecável na sua capacidade de construir enredos intrincados e plausíveis. Neste policial que já nasceu clássico, o inspetor Adam Dalgliesh, da Scotland Yard, encontra o terror num seminário anglicano em que alguns amam a Deus e outros amam o poder. Leia +
Companhia das Letras

Nero Wolfe elucida os mistérios que envolvem uma sinistra confraria de ex-alunos de Harvard. Refestelado em seu apartamento, religiosamente ocupado em amar suas dez mil orquídeas e tomar as providências para o jantar, o excêntrico detetive despachará o assistente Archie Godwin, sempre sedento de ação, para buscar os fatos que sustentarão sua intuição infalível. Leia +
Companhia das Letras

Depois de roubar uma moeda rara, avaliada em meio milhão de dólares, Bernard Rhodenbarr é surpreendido por dois assassinatos relacionados ao sumiço da peça. Suspeito de envolvimento nos crimes, o requintado livreiro dublê de ladrão terá de mergulhar na obra do filósofo Espinosa para encontrar os verdadeiros culpados, isto é: para continuar apenas com fama de ladrão. Leia +
Companhia das Letras

A estréia de uma formidável dupla de detetives: Patrick Kenzie e Angie Gennaro, versão mais neurótica do par Nick & Nora, de Dashiell Hammet, de quem Lehane herdou a agilidade narrativa e a crítica aguda às imbricações entre crime e poder. No enredo, conflito racial, escândalos sexuais e práticas políticas mais que duvidosas. Leia +
Companhia das Letras

Dois obscuros policiais cariocas são assassinados no intervalo de algumas horas. Encarregado do caso, o delegado Espinosa estará no terreno lodoso em que convivem corrupção, vidas paralelas, ambição e medo. Também terá de lidar com uma mulher insinuante, casada com um figurão da área econômica do governo federal. Leia +
Companhia das Letras

Em sua estréia literária, o personagem Kurt Wallander, inspetor da polícia sueca, investiga o assassinato de um casal de velhos. O caso ganha repercussão nacional, tanto pela brutalidade como por suas implicações políticas: pode estar em curso um movimento xenófobo no país. Mankell alcança uma combinação exata de ação, reflexão e suspense. Leia +
Companhia das Letras

Preso nove anos depois de matar oito mulheres, um serial killer confessa a autoria dos crimes - mas não de todos. Nega ter assassinado a sexta vítima e apresenta um álibi irrefutável. Mas se não foi ele, quem foi, então? O detetive Matthew Scudder mostrará como se descobre um assassino quando as pistas já esfriaram totalmente. Leia +
Companhia das Letras
SERPENTE (2000)

Lançado em 1934, este livro marca a estréia na literatura do gordo e perspicaz detetive Nero Wolfe. Sua parceria com Archie Goodwin acabou se firmando como uma das mais célebres de toda a história do romance policial, numa versão originalíssima da dupla Sherlock Holmes/Watson. Leia +
Companhia das Letras

Um casal de namorados desaparece. Tudo indica que eles partilharão o destino de outros casais desaparecidos: serão encontrados em estado de putrefação no meio do mato. Com sua frieza profissional temperada por um caráter passional e obsessivo, Kay Scarpetta estará na cena do crime desde o início. Leia +
Companhia das Letras

Numa das raras vezes em que aceita sair de sua casa em Nova York, o detetive Nero Wolfe se vê obrigado a solucionar dois assassinatos. Reunir os elementos para uma acusação não será trabalhoso, mas conseguir as provas dependerá de um blefe. Lance arriscado, mas à altura do talento do obeso detetive gourmet. Leia +
Companhia das Letras

O assassinato de uma advogada que defendera um jovem acusado de um homicídio brutal põe em ação o inspetor Dalgliesh e sua equipe da Scotland Yard. Leia +
Companhia das Letras

O grande personagem de Block não é um detetive, mas um ladrão. Culto e bem-humorado, Bernie Rodhenbarr é elegante por princípio, mas, ao se tornar suspeito de assassinato, ele por pouco não manda a elegância passear. Leia +
Companhia das Letras

O rabino David Small muda para Boston, mas um crime o leva de volta à sua cidadezinha: um professor é achado morto junto à casa do novo rabino. Os talentos de Small como "detetive" serão imprescindíveis para investigar os vários suspeitos. Leia +
Companhia das Letras

Voltando à ação para desvendar uma cadeia de crimes em Copacabana, o delegado Espinosa - personagem forte da literatura brasileira - confronta-se com figuras típicas do submundo carioca, como meninos de rua, prostitutas e matadores de aluguel. Leia +
Companhia das Letras

Numa retrospectiva de Humphrey Bogart, um ladrão filosófico envolve-se com um grupo de conspiradores e se apaixona por uma misteriosa mulher, que desaparece inexplicavelmente. Leia +
Companhia das Letras

No dia de Natal, um sujeito é morto no Central Park. Quando a dra. Kay Scarpetta, médica-legista, examina o cadáver, ela tem certeza de que o Mal está de volta. E, desta vez, Temple Brooks Gault, o serial killer que invadiu sua vida, foi muito além do horror que se poderia esperar dele. Leia +
Companhia das Letras

Duas jovens grávidas confundem seus destinos num perturbador jogo de espelhos. Mais um romance deste mestre do gênero noir, cuja obra inspirou clássicos do cinema como Janela indiscreta. Leia +
Companhia das Letras

A morte misteriosa de um executivo no centro do Rio; um segundo assassinato com requintes de crueldade. Cabe ao bibliófilo inspetor Espinosa descobrir o nexo entre os dois crimes numa complexa investigação. Leia +
Companhia das Letras

A autoria de um assassinato é inequivocamente atribuída a um criminoso recém-executado. Impostura? Troca de identidades? Erro judicial? Um caso sob medida para a dra. Scarpetta. Leia +
Companhia das Letras

Em pleno estúdio de rádio, um cadáver cai envenenado diante do microfone, em mais um mistério a ser desvendado pelo proverbial mau humor e poderosa inteligência dedutiva de Nero Wolfe. Leia +
Companhia das Letras

Uma série de incidentes envolvendo escritores, diretores e funcionários agita uma tradicional editora de Londres. Auxiliado por um casal de jovens inspetores, o mais famoso personagem da autora, o detetive Adam Dalgliesh, vale-se de seus dotes de poeta diletante para investigar o caso. Leia +
Companhia das Letras

Com seu desmazelo, simpatia e charme irresistíveis, o rabino Small tem mais um mistério a desvendar com a ajuda do Talmude e da sabedoria judaica, numa trama recheada de humor. Leia +
Companhia das Letras

Ao ouvir um relato suspeito, o psicanalista Michel Durand resolve investigar um de seus pacientes. Mesmo sabendo que está ferindo a ética da profissão, ele entra numa aventura digna dos suspenses de Hitchcock e descobre algo mais desconcertante do que crimes executados com mão de mestre. Leia +
Companhia das Letras

"Não chegaria a ponto de afirmar que Nero Wolfe não gostava de mulheres que se intrometiam em seus negócios": esta frase de Archie Goodwin já deixa entrever as dificuldades que o célebre detetive enfrentará neste caso repleto de mulheres e de segundas intenções. Leia +
Companhia das Letras

Três atropelamentos sem ligação aparente. Para solucioná-los, o obeso e sofisticado Nero Wolfe - um dos mais carismáticos detetives da literatura policial - conta com uma única pista: brincos de ouro em forma de aranha. Leia +
Companhia das Letras

Em plena véspera do Yom Kippur, o matemático e ex-alcoólatra Isaac Hirsh é encontrado morto com o sangue cheio de álcool e gás carbônico. Morte acidental, suicídio ou... Este é o problema do delegado de polícia, do agente da companhia de seguros e do impagável rabino David Small. Leia +
Companhia das Letras

Iguarias apetitosas, ódios subterrâneos, gênios temperamentais, mulheres sedutoras e disputas ferinas compõem o molho para o prato principal de Cozinheiros demais: assassinato. Nero Wolfe terá de abandonar a mesa para descobrir quem matou um dos quinze maiores chefs de cozinha do mundo. Leia +
Companhia das Letras

A bolsa de uma mulher assassinada é encontrada dentro do carro do rabino David Small. É assim que o religioso de aparência descuidada, nada bajulador e dono de um pensamento crítico rigoroso se envolve nesta trama - uma divertida combinação de suspense policial e crônica de costumes. Leia +
Companhia das Letras

Um executivo com apetite sexual desenfreado e um punhado de mulheres atraentes, todas elas suspeitas de assassinato, protagonizam esta trama policial regada a citações eruditas e cerveja da melhor qualidade. Nero Wolfe em plena forma. Leia +
Companhia das Letras

Estilo ríspido, diálogos contundentes, ritmo acelerado e um detetive sem glamour e de poucos escrúpulos. Com esses ingredientes, os contos deste livro, publicados originalmente na década de 1920, na revista Black Mask, inauguraram uma nova era na literatura policial. Leia +
Companhia das Letras

Sarah Durham, de 65 anos, entra em estado de amor - e teme perder a razão. Belíssima reflexão sobre os sentimentos e o envelhecimento: o tempo, a solidão - e a paixão. Romance na linhagem de O carnê dourado. Leia +
Companhia das Letras

Depois de uma temporada de autoexílio no Brasil, o heterônimo de Fernando Pessoa está de volta a Lisboa. O ano é 1936, e ele tem de pôr de lado sua índole contemplativa para poder se situar em meio aos acontecimentos políticos de uma Europa em ebulição. Leia +
Companhia das Letras

Numa pequena cidade da África, um comerciante indiano testemunha as transformações pós-coloniais. A chegada ao poder de um líder populista dissipa traços de influência britânica e dá lugar ao nacionalismo e à corrupção. Um dos principais romances do autor, Uma curva no rio é um romance sobre uma jornada pessoal e histórica ao coração do continente africano. Leia +
Companhia das Letras

Esta edição brasileira, organizada, traduzida e prefaciada por Maurício Santana Dias, traz pela primeira vez uma reunião das quarenta novelas de Pirandello que estiveram na origem de textos dramatúrgicos famosíssimos como Seis personagens em busca de autor, Assim é (se lhe parece), O homem da flor na boca e tantos outros. Leia +
Companhia das Letras
NEVE (2011)

Aprisionado pela neve em uma minúscula e remota cidade da Turquia, o poeta Ka se vê no epicentro de um microcosmo de conflitos raciais e religiosos do mundo muçulmano. Leia +
Companhia das Letras

O milionário americano Eugene Henderson, veterano de guerra e descendente de homens ilustres, resolve dar uma virada radical em sua vida, e parte para o coração da África em busca de relações humanas mais autênticas e de um sentido para a existência. Leia +
Companhia das Letras
DESONRA (2011)

Sucesso de crítica e de público, Desonra conta a história de David Lurie, professor de literatura que é expulso da universidade após ter um caso com uma aluna. Com um ritmo narrativo que magnetiza o leitor, o romance investiga as relações entre uma cultura humanista e a situação social explosiva da África do Sul pós-apartheid. Leia +
Companhia das Letras

Coletânea de sete ficções em que Kenzaburo Oe se ampara em versos do poeta inglês William Blake para descrever o cotidiano de um escritor de meia-idade com seu filho excepcional. Leia +
Companhia das Letras

Versão sarcástica da história nacional, de autoria de um humorista do início do século XX. Mendes Fradique promove a mais estapafúrdia mistura de épocas, fatos e personagens, num retrato ao mesmo tempo bem-humorado e crítico da República Velha, que parodia a estrutura dos livros didáticos. O volume traz caricaturas e charges feitas pelo autor. Leia +
Companhia das Letras

Impresso pela primeira vez em 1839, esse manual não se limitou apenas aos assuntos agrícolas, pois ao prescrever medidas para dinamizar a economia escravista brasileira, apresentou uma série de propostas para os problemas mais agudos vivenciados pelo Império na primeira metade do século XIX. Leia +
Companhia das Letras

Diário de uma expedição reúne uma série de reportagens, pouco conhecidas, que Euclides da Cunha fez durante a Guerra de Canudos. Escritas no coração da batalha, sem tempo para hesitações ou reflexão, essas reportagens são o embrião de Os sertões, o "livro vingador", como o definiu seu autor. Leia +
Companhia das Letras

Lançado em 1910, Através do Brasil é um marco da literatura paradidática brasileira. Substituindo as velhas cartilhas portuguesas, ofereceu aos leitores a possibilidade de descobrir os diferentes cenários sociais, geográficos e econômicos que compunham o Brasil da época. Leia +
Companhia das Letras

As Ordenações filipinas, promulgadas em 1603, são o mais bem-feito e duradouro código legal português. Contendo os dispositivos que definiam os crimes e a punição dos criminosos, seu Livro V explicita com nitidez a associação entre a lei e o poder régio. Leia +
Companhia das Letras

Engenheiro que se tornou historiador, Taunay (1876-1958) pesquisou a literatura dos séculos XVII e XVIII e reuniu num só livro os animais fantásticos que assustaram os primeiros brasileiros. Leia +
Companhia das Letras

Além de "Patriarca da Independência", José Bonifácio de Andrade e Silva era um político preocupado em fazer da América um país moderno e civilizado. O fim da escravidão, a reforma agrária, o acesso de todos à educação compunham o ideário desse grande estadista. Leia +
Companhia das Letras

Precioso guia de boas maneiras publicado em Portugal em 1845 e que logo ganhou uma legião de leitores fiéis na recém-criada corte imperial brasileira. Leia +
Companhia das Letras

Texto fundamental para se compreender o Brasil quinhentista. Reunião de confissões de nossos colonos "sodomitas, bígamos, fornicários, blasfemos, bruxas e cristãos-novos", feitas ao Santo Ofício quando de sua missão especial na América portuguesa, em 1591. Leia +
Companhia das Letras

O libelo que, em sua época, provocou uma longa e acalorada polêmica por atacar o espírito ufanista que ciclicamente assolava o país e o impedia de enfrentar suas eternas mazelas. Leia +
Companhia das Letras

Seleção das crônicas publicadas em jornais cariocas e paulistas revelam um lado quase desconhecido do mestre do parnasianismo. Uma importante página da história da opinião pública brasileira. Leia +
Companhia das Letras
GLAURA (1996)

Apontado como o mais brasileiro dos poetas árcades, pela admissão de motivos nacionais em seus poemas de feição neoclássica, Silva Alvarenga foi dos nossos mais notáveis intelectuais do século XVIII. Leia +
Companhia das Letras

Texto completo de 48 artigos selecionados de O carapuceiro, jornal escrito no Recife do século XIX pelo padre mestre frei Miguel do Sacramento Lopes Gama, beneditino secularizado. Leia +
Companhia das Letras
partidos e eleições no Maranhão

Escrito entre 1864 e 1865, constitui a descrição mais rica dos costumes políticos regionais da época, sobretudo das eleições, dos partidos e da imprensa, estabelecendo uma crítica devastadora do funcionamento dessas instâncias de poder locais. Leia +
Companhia das Letras

Diário de viagem pelo interior do Brasil, publicado em 1882. O autor, presidente de Goiás, registra fatos e costumes com talento narrativo, pondo o leitor na chuva e no sol, no desconforto mais agudo, na hospitalidade tosca do sertão, em meio a animais tresmalhados e embarcações que quase vão a pique. Leia +
Companhia das Letras

Uma breve seleção de poemas de amor do poeta Vinicius de Moraes para encerrar bem o ano. Leia +
Companhia das Letras

Publicado nos anos 1990, o volume com artigos e crônicas sobre cinema escritos por Vinicius de Moraes ganha uma reedição caprichada - que inclui textos inéditos em livro, garimpados no acervo do autor. Leia +
Companhia das Letras

Todas as canções que Vinicius compôs - sozinho ou com seus "parceirinhos", como dizia o poeta. Beleza e lirismo que não morrem jamais. Leia +
Companhia das Letras

Nesta reunião de poemas do jovem Vinicius, o leitor encontrará uma faceta menos conhecida do grande poeta, mas sempre com a mesma inquietação e um forte desejo de fazer da poesia um instrumento de compreensão de tudo que estivesse fora do circuito das coisas comuns. Leia +
Companhia das Letras

Dando seqüência à reedição completa da obra de Vinicius de Moraes, este volume traz poemas inéditos e póstumos, além de posfácio, textos históricos sobre o autor e caderno de imagens. Organização do poeta Eucanaã Ferraz. Leia +
Companhia das Letras

Primeiro livro de Vinicius de Moraes, publicado quando o poeta tinha apenas dezenove anos, O caminho para a distância surpreendeu crítica e público com seus dramas místicos e existenciais. Leia +
Companhia das Letras

Este volume reúne dois altos momentos da obra de Vinicius de Moraes. Poemas, sonetos e baladas, publicado em São Paulo em 1946, é provavelmente o mais importante e o mais belo livro do poeta. Acrescentou-se a Poemas, sonetos e baladas um único poema, o emocionante Pátria minha, que apareceu como um pequeno livro, em 1949, numa edição limitada. Leia +
Companhia das Letras

Esta pequena e rara coletânea de poemas é uma homenagem de Vinicius, "com muito amor e muita dor", ao amigo Neruda, escrita dias depois de sua morte, em 1973, e agora publicada pela primeira vez em edição comercial. Apresentação de Ferreira Gullar e xilogravuras de Calasans Neto. Leia +
Companhia das Letras

Esta Nova antologia poética vem assinada pelos poetas Antonio Cicero e Eucanaã Ferraz, e foi lançada originalmente em 2003. Os organizadores reviram conceitos, refizeram a estrutura e montaram uma seleção criteriosa, lançando um olhar renovado sobre a obra viniciana. Leia +
Companhia das Letras

As mais de duzentas cartas escritas e recebidas por Vinicius de Moraes durante quase cinqüenta anos, entre 1932 e 1980, revelam o homem por trás do artista. Entre destinatários e remetentes estão parentes - principalmente a mãe e as irmãs - e amigos, como Bandeira, Drummond, João Cabral, Tom Jobim, Rubem Braga, Otto Lara Resende e Chico Buarque, entre outros. Leia +
Companhia das Letras

Vinicius de Moraes investiu parte considerável de seu talento no teatro. Como dramaturgo, exercitou-se em diversos gêneros: poema dramático, tragédia, drama realista e comédia musicada. Orfeu da Conceição, Procura-se uma rosa e Pobre menina rica são algumas de suas peças incluídas nesta coletânea. Leia +
Companhia das Letras

Contorções interiores, retratos das paisagens por onde circulou, homenagens a amigos mortos, sonetos moldados pela urgência, confissões e versos dedicados à morte. Uma coletânea que aponta para as diversas facetas de Vinicius - o sonetista, o escritor metafísico, o bon vivant. Leia +
Companhia das Letras

Livro que registra os passos iniciais do poeta. Reúne textos escritos durante seus primeiros catorze anos de atividade literária, entre 1933 e 1946, época em que a metafísica e o peso da formação católica ainda não haviam dado lugar ao coloquialismo e à temática amorosa. Leia +
Companhia das Letras

Declaração de amor de Vinicius à sua cidade, com fotografias de Marcia Ramalho. Publicado postumamente, o livro foi composto a partir das indicações do próprio escritor. Leia +
Companhia das Letras

Nesta seleção de crônicas, o leitor pode acompanhar o firme desenvolvimento da prosa de Vinicius de Moraes, que se definiu na nota introdutória da primeira edição como um "poeta disfarçado em cronista". Leia +
Companhia das Letras

Nova edição de um dos mais célebres livros de Vinicius de Moraes ganha caderno de imagens e fortuna crítica, além de um posfácio de Alcides Villaça. Organização do poeta Eucanaã Ferraz. Leia +
Companhia das Letras

Neste que é um de seus livros mais singulares, o autor conjuga prosa e poesia para lançar uma visão ao mesmo tempo lírica e aguda do cotidiano. Posfácio de Francisco Bosco. Leia +
Companhia das Letras

A imagem da montanha-russa é usada por Sevcenko para descrever o processo de aceleração tecnológica que marca a transição do século XX para o XXI. Uma aceleração excitante, mas também inconseqüente: vai aumentando as desigualdades entre os grupos e sociedades, multiplicando crises e violências e ameaçando o equilíbrio ambiental. Leia +
Companhia das Letras

Civilização, progresso, velocidade: o final do século XIX representa o momento triunfal de uma certa modernidade que não podia esperar. Mas esses "tempos modernos" traziam seus limites: veneno e antídoto, a ciência representava, ao mesmo tempo, a utopia e seu calvário. Leia +
Companhia das Letras

A passagem do século XVIII para o século XIX no Brasil foi marcada pelas Inconfidências de Minas, Rio de Janeiro e Bahia - e pela transferência da família real lusitana para o país. Foi uma virada que assistiu à possibilidade de fragmentação do território colonial em Brasis e à criação de um império luso-brasileiro sediado na América. Leia +
Companhia das Letras

Estudando a passagem do século XVII para o XVIII, as autoras mostram como a descoberta do ouro e o perigo de invasões estrangeiras, entre outros fatores, contribuíram para mudar a política imperial portuguesa e secularizar a noção de "império", antes permeada de um ideal messiânico. Leia +
Companhia das Letras

Jacqueline Hermann estuda o período entre 1580 e 1600 e mostra o início de um tempo marcado por guerras, perseguições, exílios e utopias. É quando surge o sebastianismo, a crença de que o rei d. Sebastião, desaparecido entre os muçulmanos, voltaria um dia para libertar os portugueses. Leia +
Companhia das Letras
1480-1520

Estudo sobre a virada do século XV para o XVI, quando milhares de navegantes, mercadores, espiões, cruzados e fidalgos trilharam o mundo em busca de fortuna e aventura ou com a missão de expandir o reino de Cristo. Quando o vasto Oceano perdeu seus mistérios, uniu mundos, acelerou e intensificou o intercâmbio de povos distantes. "Cumpriu-se o mar", diria mais tarde o poeta Fernando Pessoa. Leia +
Companhia das Letras

Como o homem reagiu à primeira passagem de milênio da era cristã? A partir dessa pergunta, o autor reconstitui certas expressões de uma "sensibilidade coletiva" medieval e, olhando o espelho da história, estabelece um diálogo entre o ano 1000 e o tempo presente. Leia +
Companhia das Letras

Agora reunidos em volume único, os dois últimos livros de Zélia Gattai revivem saborosas memórias dos mais de cinquenta anos que ela compartilhou com Jorge Amado. Leia +
Companhia das Letras

Entre viagens a países longínquos e sentimentos ambíguos diante da política e da realidade, pequenas histórias do dia a dia e amigos que não param de lhe trazer surpresas, Zélia Gattai continua sua trajetória de narradora sábia e serena neste livro de memórias delicado. Leia +
Companhia das Letras

Em seu único romance, Zélia Gattai revive a passagem da infância para a adolescência ao narrar o processo de amadurecimento de uma menina na São Paulo da década de 1950. Leia +
Companhia das Letras

Zélia Gattai e Jorge Amado viveram longos anos num belo casarão no bairro do Rio Vermelho, em Salvador. Casa festiva e cheia de amigos, distante da clausura dos gabinetes e das academias literárias, é ela o centro deste livro delicioso, repleto de imagens de época. Leia +
Companhia das Letras

Neste livro delicado, Zélia se debruça sobre os hábitos e as idiossincrasias de sua família, mostrando que seus laços não se sustentam apenas nos vínculos de sangue, mas, sobretudo, na celebração de uma mesma língua. Leia +
Companhia das Letras

No aniversário de setenta anos de Jorge Amado, Zélia Gattai presenteou o marido com este livro sobre seus primeiros anos de casamento. Com bom humor e sensibilidade, ela narra as lutas políticas, as histórias divertidas da sogra e a descoberta da cultura baiana. Leia +
Companhia das Letras

Expulsos da França, depois de dois anos de exílio em Paris, Zélia Gattai e Jorge Amado são obrigados a se mudar para a Tchecoslováquia. Jardim de inverno narra os anos de desassossego e aflição, mas também de descobertas intensas, vividos pelo casal entre 1949 e 1952. Leia +
Companhia das Letras

O périplo do casal Jorge e Zélia no exílio europeu, ao lado de amigos e personalidades de fama mundial. Leia +
Companhia das Letras

Um retrato afetivo da vida em família na São Paulo do início do século XX. Leia +