Livro acessível
0
Carrinho
Títulos / Companhia das Letrinhas / AMIGOS DA ONÇA
Companhia das Letrinhas
AMIGOS DA ONÇA
Ernani Ssó



O BODE, A ONÇA E O TAMANDUÁ

Há muito tempo, quando os bichos falavam e a onça nem era pintada, o bode pegou um machado e um porongo e foi procurar mel no mato. Procura que procura, topou com uma colméia num pé de jataí. Cortou um buraco no tronco e começou logo a tirar o mel do oco, pondo-o no porongo.
Nisso, apareceu a onça:
- Ei, compadre bode, que faz aí?
Louco de medo, o bode disse:
- Tirando mel, comadre onça.
A onça, muito calma e muito séria, disse:
- Gostei da idéia, compadre. Vá tirando que eu vou comer esse mel com bode e tudo.
O bode teve uma tremedeira daquelas. Tremia tanto que espirrava mel pra todo lado, menos para dentro do porongo. Era mel pelo chão, pelo focinho, pela barbicha.
- Ótimo - a onça disse se lambendo. - Assim nem preciso lambuzar o compadre pra comer.
O bode continuou, mais trêmulo do que nunca. Tinha tirado quase todo o mel do oco do tronco, quando apareceu o tamanduá. A onça rosnou, descontente:
- Intrometido.
O tamanduá fingiu que não ouviu e disse:
- Boa tarde, compadres.
Os compadres responderam. O tamanduá, fingindo não notar o nervosismo geral, perguntou:
- O que faz aí, compadre bode?
- Tirando mel.
- Não parece muito alegre. O mel é pouco ou é ruim?
- É muito e é bom.
- E então, compadre bode?
- É que a comadre onça disse que vai comer meu mel com bode e tudo. Então o tamanduá, muito sério e muito calmo, disse:
- Não, não. Eu é que vou comer o mel com onça e tudo.
O bode pensou:
- A coisa ficou melhor. Vivo, pelo menos posso lamber minha barbicha, que está toda lambuzada.
Mas mesmo assim a tremedeira não diminuiu. Os cascos do bode, batendo no chão, pareciam castanholas. Era um tec tec tec tec que não acabava mais.
O tamanduá disse, intrigado:
- Mas que diabo é isso, compadre bode? Esse tec tec tec tec!
- Ah, são meus sapatinhos. Ganhei de presente do macaco. São de couro de onça.
- Também quero sapatinhos de couro de onça - o tamanduá disse todo faceiro, e se virou pra onça. A onça se encolheu, mas era tarde: o tamanduá, nhac, deu um beliscão nela de tirar pedaço. - E agora, compadre bode, como eu faço?
- Molhe o couro no mel pra amolecer, depois bote no pé.
O tamanduá lambuzou o pedaço de couro da onça no mel do porongo. Tentou botar no pé, mas não conseguiu.
- É preciso esticar, compadre - o bode disse.
O tamanduá, com aquelas unhonas, esticou o couro pra cá, esticou pra lá. Tentou botar no pé, mas não conseguiu.
- Não amoleceu muito, compadre bode. O que é que eu faço?
- Então lamba, compadre, que a saliva ajuda.
O tamanduá lambeu o couro da onça.
- Hummmm! É bom, compadre. Acho que primeiro vou calçar meu estômago - disse, engolindo o sapatinho.
E, nhac, deu outro beliscão na onça. A onça deu um berro, mas o tamanduá não se importou: molhava no mel o pedaço de couro e comia, lambendo-se todo. Em seguida o tamanduá, nhac, deu outro beliscão. Depois outro e mais outro e mais outro. Antes que a onça fugisse, mais morta que viva, o tamanduá tinha dado não se sabe quantos beliscões.
É por isso que hoje as onças são pintadas. É que o pêlo nasceu preto onde o tamanduá beliscou.


Grupo Companhia das Letras

Editora Schwarcz S.A. - São Paulo
Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32
04532-002 - São Paulo - SP
Telefone: 11 3707-3500
Fax: 11 3707-3501
Editora Schwarcz S.A. - Rio de Janeiro
Praça Floriano, 19, sala 3001
20031-050 - Rio de Janeiro - RJ
Telefone: 21 3993-7510
Todos os direitos reservados 2019