Página 10 - amizade

Versão HTML básica

42
40 cartas e três parceiros. Esses recebem, cada um, nove cartas, res-
tando 13 na mesa para compras e descartes.
Cabo das Tormentas e da Boa Esperança
Desde que o navegador português Bartolomeu Dias dobrou o ex-
tremo sul do continente africano e batizou o lugar de “Cabo das Tor-
mentas”, e principalmente após a notícia correr o mundo e chegar
aos ouvidos do rei João
II
de Portugal, que mudou o nome para “Ca-
bo da Boa Esperança”, os portugueses passaram a se considerar se-
nhores dos mares e muito sortudos. Afinal, esse era o caminho certo
que ligava o Oceano Atlântico ao Oceano Índico, e o mundo nunca
pareceu tão pequeno.
monstros marinhos
As pessoas sempre tentaram colocar nos mapas o que conheciam,
mas também o que imaginavam. No século
XVI
, diante da grande in-
certeza sobre o que existia, ou o que esperavam encontrar, os mapas
ficaram cheios de desenhos e símbolos que deixavam claro o medo
frente ao desconhecido. Nas linhas incertas dos novos territórios ou
mesmo em seu interior desenhavam-se
ora espaços vazios, ora povos bárbaros
e sempre em guerra. Já nos mares, intro-
duziram-se imagens de cachoeiras que
acabavam em grandes precipícios, ou
mesmo de monstros que atacariam os
marinheiros sem dó nem piedade.
sereia
Sereias sempre povoaram o imaginário ocidental. Lindas, metade
mulheres metade peixes, elas enfeitiçariam os marinheiros com seu
canto. Odisseu, famoso personagem de Homero na
Odisseia
— uma