Home | Livros | Companhia de Bolso | AS DAMAS DO SÉCULO XII
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

AS DAMAS DO SÉCULO XII

Georges Duby
Tradução: Paulo Neves e Maria Lucia Machado

R$ 47,90

/ À vista

Apresentação

Em edição de bolso, a trilogia de um dos maiores historiadores do século XX sobre a mulher na Idade Média.

Frequentemente comprados juntos

Companhia de Bolso

As damas do século XII

Georges Duby

R$ 47,90

Companhia de Bolso

Idade média idade dos homens

Georges Duby

R$ 44,90

Companhia de Bolso

Os andarilhos do bem

Carlo Ginzburg

R$ 35,92

Preço total de

R$ 128,72

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia de Bolso

Idade média idade dos homens

Georges Duby

R$ 44,90

Companhia de Bolso

Os andarilhos do bem

Carlo Ginzburg

R$ 35,92

Companhia de Bolso

História do medo no ocidente, 1300-1800

Jean Delumeau

R$ 43,92

Companhia de Bolso

Cultura e imperialismo

Edward W. Said

R$ 49,22

Companhia de Bolso

O queijo e os vermes

Carlo Ginzburg

R$ 38,17

Companhia de Bolso

História noturna

Carlo Ginzburg

R$ 42,32

Companhia de Bolso

Uma história dos povos árabes

Albert Hourani

R$ 79,90

Indisponível

Companhia de Bolso

História da vida privada, vol. 2

Georges Duby

R$ 46,32

Companhia de Bolso

Cultura popular na Idade Moderna

Peter Burke

R$ 49,90

Companhia de Bolso

História da vida privada, vol. 1

Paul Veyne

R$ 50,32

Ficha Técnica

Título original: Dames du XII siècle - pocket Páginas: 384 Formato: 12.50 X 18.00 cm Peso: 0.313 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 11/07/2013
ISBN: 978-85-3592-227-1 Selo: Companhia de Bolso Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em edição de bolso, a trilogia de um dos maiores historiadores do século XX sobre a mulher na Idade Média.

Pode o amor arrebatado de uma mulher provocar a derrocada do governo de Deus sobre os homens, a desagregação das leis e linhagens e a confusão entre os Estados?
A resposta é sim, a julgar como o século XII europeu, no espaço da sociedade de nobreza feudal que se consolidava, via as mulheres e seus papéis na nova ordem das coisas.
É a partir da história de Heloísa e Isolda que Georges Duby, esse reconhecido mestre de narrativas históricas exemplares, começa a trilogia que dedicou às mulheres na Idade Média - composta de Heloísa, Isolda e outras damas do século XII, A lembrança das ancestrais e Eva e os padres.
Se o grande historiador havia dito que a Idade Média era a idade dos homens, mostrou aqui no entanto que, de certa maneira, a Idade Média foi também uma idade das mulheres. Ou pelo menos de algumas delas. Em A lembrança dos ancestrais, o segundo volume da série, revela que a essas mulheres que sobressaíam à massa anônima, a essas damas do século XII, se deve a própria identidade de determinadas famílias nobres.
No terceiro volume da trilogia, Duby analisa as relações entre as mulheres e a Igreja católica na era medieval, com ênfase no mesmo século XII. Foi aí que a Igreja criou a confissão, sacramento que lhe permitiu reger a intimidade e, desse modo, pôr seu jugo sobre pensamentos e gestos que até então ninguém considerava pecaminosos. Paradoxalmente, os mesmos padres responsáveis pela reforma da moral desenvolveram toda uma literatura que celebra os vínculos extraconjugais. Na Idade Média, um vasto repertório de sortilégios deixava os homens apavorados, à mercê das mulheres. Avara, leviana e ciumenta, considerava-se que a natureza da mulher a levava inevitavelmente a pecar. Era preciso, então, criar formas de trazê-las sob controle.
Fino prosador, Duby reconstitui com sagacidade e ironia esses tempos recuados e mostra o que eles ainda têm a nos dizer.