Home | Livros | Companhia de Bolso | O COMPLEXO DE PORTNOY
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O COMPLEXO DE PORTNOY

Philip Roth
Tradução: Paulo Henriques Britto

Apresentação

Agora em edição de bolso o clássico de Philip Roth, lançado em 1969, comprova que o humor, a ferocidade e o virtuosismo que fizeram a fama do autor permanecem intactos.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O complexo de Portnoy

Philip Roth

R$ 72,90

Companhia de Bolso

Pastoral americana

Philip Roth

R$ 49,90

Indisponível

Companhia de Bolso

A marca humana

Philip Roth

R$ 47,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Casei com um comunista

Philip Roth

R$ 49,90

Companhia de Bolso

Complô contra a América

Philip Roth

R$ 49,90

Companhia de Bolso

O teatro de Sabbath

Philip Roth

R$ 49,90

Companhia de Bolso

Adeus Columbus

Philip Roth

R$ 37,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Operação Shylock - Uma confissão

Philip Roth

R$ 44,90

Companhia das Letras

A América de Philip Roth (Caixa com dois volumes)

Philip Roth

R$ 204,90

Companhia de Bolso

O avesso da vida

Philip Roth

R$ 62,90

Ficha Técnica

Título original: Portnoy's complaint (pocket) Páginas: 240 Formato: 12.50 X 18.00 cm Peso: 0.198 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 19/02/2013
ISBN: 978-85-3592-226-4 Selo: Companhia de Bolso Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Agora em edição de bolso o clássico de Philip Roth, lançado em 1969, comprova que o humor, a ferocidade e o virtuosismo que fizeram a fama do autor permanecem intactos.

Quando lançado, em 1969, O complexo de Portnoy se tornou best-seller e foi saudado como a consagração definitiva do talento de Philip Roth. A crítica, porém, teve certa dificuldade em classificá-lo. Seria "literatura séria" ou apenas humor? Não era a primeira vez na história do romance que um livro engraçadíssimo parecia uma obra importante; mas havia ao menos dois elementos que causavam estranheza. Em primeiro lugar, o traço caricatural na construção dos personagens lembrava o humor dos grandes comediantes judeus da época, como Lenny Bruce e Woody Allen, que se apresentavam em boates; ao mesmo tempo, porém, a interioridade do narrador-protagonista era de grande densidade. Em segundo lugar, era inegável o desconforto causado pela centralidade do autoerotismo no enredo: o incesto é um tema respeitável desde a tragédia grega, e o homossexualismo ganhava cada vez mais espaço naquele conturbado fim de década em que nada parecia ser proibido - mas masturbação, definitivamente, não era matéria apropriada para um romance com pretensões artísticas.
Nos últimos quarenta anos caíram não apenas os últimos tabus sexuais como também as barreiras entre "arte elevada" e "arte de consumo". Escritores sofisticados como Thomas Pynchon e John Barth demonstraram que é possível utilizar linguagens pouco nobres para fazer literatura de primeira grandeza. Relendo o livro, agora nesta edição de bolso, constatamos que o humor, a ferocidade e o virtuosismo de Roth permanecem intactos, e podemos mais do que nunca fazer justiça a esta pequena joia literária que é O complexo de Portnoy.

Sobre o autor