OSCAR 2024 | Adaptações de livros da Companhia das Letras estão entre os indicados (#LeiaAntesDeAssistir)

05/02/2024

A cerimônia do Oscar 2024, que acontece em Hollywood no dia 10 de março, conta com três adaptações cinematográficas baseadas em obras publicadas pela Companhia das Letras. Os longas Assassinos da Lua das Flores, A sociedade da neve e A Zona de Interesse figuram a lista de possíveis vencedores com dez, duas e cinco indicações respectivamente.

Saiba mais sobre os livros e suas adaptações:

Assassinos da Lua das Flores

Capa do livro e pôster do filme Assassinos da lua das flores

A obra do jornalista David Grann conta a história real da primeira grande investigação de homicídios da FBI, serviço de inteligência norte-americano.

Nos Estados Unidos dos anos 1920, as pessoas com maior renda per capita do mundo eram membros do povo indígena Osage. Até que, um a um, eles começaram a ser mortos. Com o aumento do número de vítimas, o recém-criado Federal Bureau of Investigation assume o caso, e, junto com os Osage, expõe uma das conspirações mais assombrosas da história dos Estados Unidos.

Nas telas, a adaptação foi dirigida pelo cineasta Martin Scorsese, que concorre ao Oscar de Melhor Direção. O filme conta com elenco estrelado, com nomes como Leonardo DiCapio, Robert De Niro, indicado na categoria de Melhor Ator Coadjuvante, e Lily Gladstone, indicada ao Oscar de Melhor Atriz. Ao todo, são dez indicações de Assassinos da lua das flores na maior premiação do cinema, incluindo também Melhor Filme, Melhor Edição e Melhor Fotografia.

A sociedade da neve

Capa do livro e pôster do filme A sociedade da neve

O livro do romancista e Pablo Vierci narra a história real dos sobreviventes da tragédia dos Andes de 1972, quando um avião fretado da Força Aérea do Uruguai que rumava para o Chile se chocou contra uma montanha nos Andes. Das 45 pessoas a bordo – a maioria parte de um time de rúgbi amador –, 29 sobreviveram ao impacto, mas apenas dezesseis foram resgatadas, depois de improváveis 72 dias.

A obra de Vierci dá voz aos dezesseis sobreviventes, que narram a história de seu ponto de vista pela primeira vez: do choque do avião com a montanha, até o momento em que, incomunicáveis e abandonados, decidem sair de lá por si mesmos.

A adaptação da Netflix, dirigida pelo espanhol Juan Antonio Bayona, concorre ao Oscar nas categorias de Melhor Filme Internacional e Melhor Maquiagem e Cabelo. Embora os ensaios para o longa tenham sido realizados em Barcelona, as cenas foram gravadas no Uruguai, na Argentina e no Chile, inclusive no mesmíssimo Valle de las Lágrimas – local em que se passou a história real. Para a crítica, o longa espanhol conseguiu reconstruir o drama, sem cair na glamorização hollywoodiana.

A Zona de Interesse

Capa do livro e pôster do filme A zona de interesse

A Zona de Interesse, em Auschwitz, era o local onde os judeus recém-chegados passavam pela triagem, processo que determinava se seriam destinados aos trabalhos forçados ou às câmaras de gás. Neste romance, Martin Amis reafirma seu lugar entre os mais argutos intérpretes de nosso tempo, com uma história que se passa nesse lugar infernal, em agosto de 1942.

Cada um dos personagens testemunha o inominável à sua maneira: um oficial nazista que está de olho na mulher do comandante, um homem que decide o destino de todos os judeus, o chefe de uma equipe de prisioneiros que ajudam os nazistas na logística do genocídio.

O livro deu origem ao filme de Jonathan Glazer, indicado a cinco categorias do Oscar 2024, incluindo Melhor filme e Melhor direção. Com Sandra Hüller e Christian Friedel no elenco, estreia 15 de fevereiro nos cinemas brasileiros.

 

Leia antes de assistir!

Compartilhe:

Veja também