Home | Livros | Companhia das Letras | A TRAGÉDIA BRASILEIRA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A TRAGÉDIA BRASILEIRA

Sérgio Sant'Anna

R$ 54,90

/ À vista

Apresentação

No "romance-teatro" A tragédia brasileira, Sérgio Santa'Anna recria o atropelamento de uma garota de doze anos sob o ponto de vista de várias testemunhas, experimentando assim as diferentes possibilidades estéticas e emocionais do episódio.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A tragédia brasileira

Sérgio Sant'Anna

R$ 54,90

Companhia das Letras

50 contos e 3 novelas

Sérgio Sant'Anna

R$ 92,90

Companhia das Letras

Um romance de geração

Sérgio Sant'Anna

R$ 52,90

Preço total de

R$ 200,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Um romance de geração

Sérgio Sant'Anna

R$ 52,90

Companhia das Letras

50 contos e 3 novelas

Sérgio Sant'Anna

R$ 92,90

Companhia das Letras

O concerto de João Gilberto no Rio de Janeiro

Sérgio Sant'Anna

R$ 62,90

Companhia das Letras

O conto zero e outras histórias

Sérgio Sant'Anna

R$ 57,90

Companhia das Letras

Páginas sem glória

Sérgio Sant'Anna

R$ 49,90

Companhia das Letras

A senhorita Simpson

Sérgio Sant'Anna

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letras

Prólogo, ato, epílogo

Fernanda Montenegro

R$ 64,90

Ficha Técnica

Páginas: 160 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.205 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 26/08/2005
ISBN: 978-85-3590-686-8 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

No "romance-teatro" A tragédia brasileira, Sérgio Santa'Anna recria o atropelamento de uma garota de doze anos sob o ponto de vista de várias testemunhas, experimentando assim as diferentes possibilidades estéticas e emocionais do episódio.

Em A tragédia brasileira, publicado originalmente em 1987, a exuberância temática e o experimentalismo formal de Sérgio Sant'Anna se resolvem numa síntese brilhante. Definido pelo próprio autor como um "romance-teatro", o livro tem traços de romance, monólogo, teatro e ensaio.
O centro da obra é o atropelamento de Jacira, uma menina de doze anos com a sexualidade prestes a desabrochar. O episódio é recriado do ponto de vista de várias testemunhas, entre elas o Poeta voyeur de espírito romântico e suicida e o próprio Motorista, para quem a menina se torna objeto de desejo, adoração e culpa. Ao conduzir as ramificações da história, o Autor-Diretor enfrenta seus próprios dilemas pessoais na relação com o elenco e nos percalços do processo criativo.
Mais do que compor um enredo com início, meio e fim, Sant'Anna procura extrair do acidente todas as possibilidades estéticas e emocionais: "a partir dessa pequena morte, refletir tudo", diz o autor. Em um epílogo memorável, Buda e Jesus Cristo aparecem como protagonistas de uma bem-humorada reflexão filosófica e religiosa.

Sobre o autor