Home | Livros | Companhia das Letras | O AMOR ACABA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O AMOR ACABA

Paulo Mendes Campos

R$ 74,90

/ À vista

Apresentação

O amor acaba reúne as principais crônicas de Paulo Mendes Campos cujo tema principal é, contradizendo o título, o amor e suas variações sobre o tema: o amor pelo êxtase, a beleza feminina, a amizade, o ócio, o desregramento dos sentidos - e uma bem-humorada e ligeira luta contra os lugares-comuns, o conservadorismo, a falta de delicadeza, as convenções e, como vai bem a um boêmio, a chatice.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O amor acaba

Paulo Mendes Campos

R$ 74,90

Companhia das Letras

O complexo de Portnoy

Philip Roth

R$ 79,90

Companhia das Letras

A fina flor de Stanislaw Ponte Preta

Stanislaw Ponte Preta

R$ 89,90

Preço total de

R$ 244,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O mais estranho dos países

Paulo Mendes Campos

R$ 79,90

Boa Companhia

Primeiras leituras

Paulo Mendes Campos

R$ 49,90

Companhia das Letras

De um caderno cinzento

Paulo Mendes Campos

R$ 69,90

Companhia das Letras

Poemas

W. H. Auden

R$ 79,90

Indisponível

Companhia das Letras

A testemunha silenciosa

Otto Lara Resende

R$ 59,90

Companhia das Letras

A fina flor de Stanislaw Ponte Preta

Stanislaw Ponte Preta

R$ 89,90

Ficha Técnica

Título original: O amor acaba Páginas: 288 Formato: 13.70 X 21.00 cm Peso: 0.351 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 22/03/2013
ISBN: 978-85-3592-240-0 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O amor acaba reúne as principais crônicas de Paulo Mendes Campos cujo tema principal é, contradizendo o título, o amor e suas variações sobre o tema: o amor pelo êxtase, a beleza feminina, a amizade, o ócio, o desregramento dos sentidos - e uma bem-humorada e ligeira luta contra os lugares-comuns, o conservadorismo, a falta de delicadeza, as convenções e, como vai bem a um boêmio, a chatice.

Na literatura de Paulo Mendes Campos, a prosa encontra a poesia em sua busca frenética pelo instante precioso, pela frase iluminadora e pela cena que define o seu supremo amor pela vida - e seu ódio ao tédio. O mineiro de Belo Horizonte radicado no Rio de Janeiro não economiza em seu louvor à beleza e em seu ataque à chatice, ao lugar-comum, ao conservadorismo paralisante. Como diz em "Anatomia do tédio": "Este talvez seja em nossos dias a poluição do espírito, a poluição global. Nessa cultura estercada é que a torpeza espiritual do homem produz a flor plástica do tédio, embora seja imperativo de verdade reconhecer que suas florações mais visíveis e típicas não ocorram nas favelas e vilas operárias; nos balcões mais altos da sociedade é que vamos encontrar o que um rico poeta americano chamou o enfado celestial dos apartamentos". Usando a técnica enumerativa - em que o sujeito X é coalhado de adjetivos Y -, em "Da arte de ser infeliz" PMC estabelece o primado do homem medíocre: "Sua psicologia: todo homem tem seu preço. Sua economia: poupar os tostões. Sociologia: o povo não sabe o que quer. Filosofia: o seguro morreu de velho. O homem perfeitamente infeliz ama os seus de um amor incômodo ou francamente insuportável", ensina.
Mas nem tudo, ou melhor, quase nada é rancor nesta escrita ligeira, clara e sem nada de solene. Contraditoriamente ao título, em O amor acaba Paulo Mendes Campos demonstra como o lirismo pode começar em qualquer lugar - basta ter olhos para ver a beleza em um bar, em um decote, em um andar, na forma como se desperta em um domingo.
Como observa o professor da USP Ivan Marques no posfácio à edição de O amor acaba, "Paulo Mendes Campos ajudou a alargar os limites do gênero. Para ele, de fato, crônica podia ser tudo: tanto as digressões líricas e cômicas como as páginas de reflexão dedicadas à condição humana, às novidades do mundo moderno, às descobertas científicas e antropológicas etc. Leitor cultíssimo e atualizado, o cronista-ensaísta tem alma de pesquisador, vocação para inventar teorias e disposição para pensar sobre tudo [...]".

Sobre o autor