Home | Livros | Companhia das Letras | A NEVE ESTAVA SUJA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A NEVE ESTAVA SUJA

Georges Simenon
Tradução: Eduardo Brandão

R$ 59,90

/ À vista

Apresentação

Num dos romances mais celebrados de sua obra, Simenon traça um retrato perturbador da França sob a ocupação nazista.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A neve estava suja

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

O cavalariço da Providence

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

Inferno a bordo

Georges Simenon

R$ 59,90

Preço total de

R$ 179,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O círculo dos Mahé

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

O cavalariço da Providence

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

A cabeça de um homem

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

A noite da encruzilhada

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

Sombras na Place des Vosges

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

A dançarina do cabaré

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

O enforcado de Saint-Pholien

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

Os porões do Majestic

Georges Simenon

R$ 59,90

Companhia das Letras

A gafieira de dois tostões

Georges Simenon

R$ 59,90

Ficha Técnica

Título original: La neige était sale Páginas: 232 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.258 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 21/10/2014
ISBN: 978-85-3592-494-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Num dos romances mais celebrados de sua obra, Simenon traça um retrato perturbador da França sob a ocupação nazista.

Além das dezenas de histórias protagonizadas pelo Comissário Maigret, Georges Simenon é autor de um conjunto de romances que ficaram conhecidos por sua dimensão psicológica, análoga à de obras de ficção escritas por seus contemporâneos Albert Camus e Jean-Paul Sartre. A neve estava suja, de 1942, figura entre os mais celebrados livros desse conjunto. Aos dezenove anos, Frank Friedmaier vive na França sob a ocupação nazista, no início dos anos 1940. Todos lutam para sobreviver. Ele mora na casa da mãe, um prostíbulo que serve aos oficiais alemães, mas busca um sentido para sua vida. Friedmaier é um cafetão, um bandido, um ladrão. Assim que o livro começa, ele acaba de cometer seu primeiro assassinato. Pela escuridão de um inverno interminável, o protagonista se afundará na abjeção até que não haja mais saída. Este livro já foi descrito como "um dos raros romances nascidos sob a França ocupada que vão direto ao ponto". Atrás das grades depois de ser descoberto pelos oficiais, Frank vive os dias como se fossem um só, desiste de comer, domestica seus desejos e cultiva uma indiferença absoluta em relação à vida. Num estudo da mente criminosa comparado a O assassino em mim, de Jim Thompson, Simenon mapeia uma terra de ninguém em que a natureza humana é levada à destruição por forças que estão além de seu controle. "Deus criou você para escrever, assim como criou meu pai para pintar. É por isso que vocês dois fazem isso tão bem." - Jean Renoir, em carta a Georges Simenon

Sobre o autor