Home | Livros | Companhia das Letras | CIDADÃOS
CLIQUE PARA AMPLIAR

CIDADÃOS

Simon Schama
Tradução: Hildegard Feist

Apresentação

Crônica vigorosa dos acontecimentos que resultaram na Revolução de 1789, em que o evento reaparece com a vivacidade de uma narrativa ficcional, com personagens fortes e enredo de lances dramáticos e surpreendentes.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O desconforto da riqueza

Simon Schama

R$ 109,90

Indisponível

Companhia das Letras

Paisagem e memória

Simon Schama

R$ 107,90

Indisponível

Companhia das Letras

História da Revolução Francesa

Jules Michelet

R$ 60,00

Indisponível

Companhia das Letras

Travessias difíceis

Simon Schama

R$ 87,90

Companhia das Letras

O poder da arte

Simon Schama

R$ 107,90

Indisponível

Companhia das Letras

A história dos judeus

Simon Schama

R$ 87,90

Companhia das Letras

A paixão terna

Peter Gay

R$ 67,00

Indisponível

Companhia das Letras

1789

Jean Starobinski

R$ 42,00

Indisponível

Companhia das Letras

Território do vazio

Alain Corbin

R$ 60,00

Indisponível

Companhia das Letras

Negociação e conflito

João José Reis Eduardo Silva

R$ 39,90

Indisponível

Companhia das Letras

O espelho de próspero

Richard M. Morse

R$ 39,00

Indisponível

Companhia das Letras

Viena fin-de-siècle

Carl E. Schorske

R$ 60,00

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Citizens Páginas: 728 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 1.24 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 03/11/1989
ISBN: 978-85-7164-073-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Crônica vigorosa dos acontecimentos que resultaram na Revolução de 1789, em que o evento reaparece com a vivacidade de uma narrativa ficcional, com personagens fortes e enredo de lances dramáticos e surpreendentes.

Longe de ser um acadêmico compêndio de história, política ou sociologia, Cidadãos é uma vigorosa crônica - como diz o próprio subtítulo - dos acontecimentos que antecederam e que constituíram a tão famosa Revolução Francesa. Esse evento capital, tantas vezes analisado, interpretado e avaliado, reaparece com a vivacidade de uma narrativa quase ficcional, com personagens fortes, enredo aliciante, lances dramáticos e surpreendentes - enfim, todos os componentes romanescos que tornam sua leitura fácil e absorvente. Não faltam também uma boa dose de violência e sangue - para Simon Schama, o Terror não foi uma deturpação, mas o próprio motor da Revolução - e um certo tom irônico, pois o autor vê com desconfiança e distanciamento crítico as proclamadas conquistas revolucionárias. Não por acaso, a narrativa começa com um elefante de gesso se decompondo na praça da Bastilha e termina com uma louca revolucionária, nua no hospício, praguejando contra os que haviam traído a Revolução.

Sobre o autor