Títulos / Companhia das Letras / A MORTE DE RIMBAUD
Companhia das Letras
A MORTE DE RIMBAUD
Leandro Konder


#AMORTEDERIMBAUD
Um milionário apaixonado por literatura francesa resolve sustentar cinco escritores que julga muito talentosos. Passa a chamá-los pelo nome de grandes autores franceses. Um deles, Rimbaud, aparece morto. Primeiro livro de ficção do filósofo Leandro Konder.
Apresentação
Leitores de romances policiais não precisam de disciplina intelectual. Costumam se entregar à leitura com uma displicência voraz. Se dificilmente largam um livro pela metade, não é por questão de princípio nem por dever de ofício, mas apenas porque não agüentam não chegar ao fim: em geral, são compulsivos. Possuem um tipo de imaginação que os faz iludir-se alegremente com as armadilhas do enredo. Fingem-se de inocentes, pois sabem que acreditar no que lêem é condição para desfrutar de um imenso prazer.
A morte de Rimbaud sugere que Leandro Konder é bem esse tipo de leitor. Talvez até se dedique à leitura comodamente escrachado no sofá da sala, numa dessas posturas que deixam apopléticos os ortopedistas.
Sem a sua experiência de leitor, ele com certeza não teria escrito um livro que se enquadra com tanta exatidão no gênero policial. A trama envolve um milionário apaixonado por literatura francesa que resolve sustentar cinco escritores considerados por ele muito talentosos. O mecenas passa a chamá-los pelo nome de grandes autores franceses: Rimbaud, Aragon, Rousseau, Malraux e Claudel. Oferece-lhes uma polpuda verba mensal e despacha-os anualmente para férias na França. Rimbaud é encontrado morto. Pode ter sido acidente - ou não.
As características do gênero estão dadas. Existe, aqui, por exemplo, um provável assassinato; uma ilustre coleção de suspeitos; um conjunto variado de motivações para o crime e de oportunidades para cometê-lo; pequenas tramas paralelas que são puro diversionismo; uma série de detalhes aparentemente gratuitos e que no entanto se revelam determinantes para o desenrolar da ação; um detetive paciente, pertinaz e autoconfiante, desses que são capazes de se fazerem de bobos apenas para soltar a língua de um suspeito.
Isto é um romance policial, sem dúvida.
Mas também não é.
As epígrafes já desmentem o gênero. Não costumam aparecer em policiais, muito menos capítulo por capítulo. E menos ainda se extraídas de autores como Marx, Maquiavel, Petrônio, Borges, Drummond, Shakespeare, Fernando Pessoa, Rousseau, Malraux, Claudel, Aragon e Rimbaud. O filósofo Leandro Konder traz para este livro um pouco da erudição exigida pelo seu trabalho intelectual "verdadeiro". Mas sabe muito bem combinar as coisas: dá à sua escrita a leveza de quem pode se fazer de inocente apenas para desfrutar de uma boa história.
Foi um leitor feliz que escreveu A morte de Rimbaud.
Ficha Técnica
Título original: A MORTE DE RIMBAUD
Capa: Marcello Serpa
Páginas: 160
Formato: 14.00 x 21.00 cm
Peso: 0.235 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 23/03/2000
ISBN: 9788571649828
Selo: Companhia das Letras
Série
BILAC VÊ ESTRELAS
Ruy Castro
Nesta sua estréia na ficção, Ruy Castro envolve Olavo Bilac num caso hilariante de espionagem industrial. Ao investigar a possível morte de seu amigo José do Patrocínio, Bilac vê-se enredado numa trama que inclui um fabuloso dirigível, um padre ambicioso e uma sedutora espiã portuguesa - tudo sob a atmosfera agitada da Belle Époque carioca. Leia +
BORGES E OS ORANGOTANGOS ETERNOS
Luis Fernando Verissimo
Após conhecer seu ídolo Jorge Luis Borges em Buenos Aires, o cinqüentão solitário Vogelstein vê-se no centro de um crime que envolve demônios arcanos, a cabala e a possibilidade de destruição da humanidade. Humor e inteligência nessa história em que os sinais do crime estão sempre à vista. A questão é como vê-los. Leia +
OS LEOPARDOS DE KAFKA
Moacyr Scliar
Com seu humor característico, Scliar conta a história de um jovem russo que, em 1916, deixa sua aldeia para cumprir uma missão revolucionária a mando de Trotski. Por engano, ele recebe um texto de Kafka e o entende como uma mensagem cifrada. A situação kafkiana que se cria terá desdobramentos até no Brasil do golpe militar. Leia +
MEDO DE SADE
Bernardo Carvalho
Um homem é acusado de ter matado uma pessoa que participou com ele de uma orgia. Como não se lembra de nada, vai parar num manicômio. Convencido de que é vítima de um mal-entendido, tenta dar nexo às imagens confusas de sua memória, conversando com o interno que está trancado com ele numa cela escura. Leia +
A MORTE DE RIMBAUD
Leandro Konder
Um milionário apaixonado por literatura francesa resolve sustentar cinco escritores que julga muito talentosos. Passa a chamá-los pelo nome de grandes autores franceses. Um deles, Rimbaud, aparece morto. Primeiro livro de ficção do filósofo Leandro Konder. Leia +
STEVENSON SOB AS PALMEIRAS
Alberto Manguel
Elaboração ficcional dos últimos dias de R. L. Stevenson nas ilhas Samoa. Manguel constrói uma espécie de redoma erótica e, dentro dela, explora as tensões entre o recato e a desinibição, entre o pecado e a simplicidade, entre fato e ficção. Leia +
Autor
Faça seu cadastro no Grupo Companhia das Letras e personalize sua experiência


Grupo Companhia das Letras

Editora Schwarcz S.A. - São Paulo
Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32
04532-002 - São Paulo - SP
Telefone: 11 3707-3500
Fax: 11 3707-3501
Editora Schwarcz S.A. - Rio de Janeiro
Praça Floriano, 19, sala 3001
20031-050 - Rio de Janeiro - RJ
Telefone: 21 3993-7510
Todos os direitos reservados 2017