Companhia das Letras
D. PEDRO I
#D.PEDROI
Isabel Lustosa escreve que d. Pedro I "é o personagem mais fascinante da história do Brasil" - impulsivo, desconfiado e vingativo, traiu amigos fiéis e foi implacável com os inimigos. Transitando entre o grande panorama da história brasileira e européia no século XIX, e o retrato íntimo de Pedro de Bragança e Bourbon, ela prova o seu ponto com verve e conhecimento de causa.
Apresentação
O ângulo escolhido por Isabel Lustosa para analisar d. Pedro I foi o do herói macunaímico - aquele sem nenhum caráter. De personalidade turbulenta, mal-educado e chucro, Pedro de Bragança e Bourbon tinha tudo para ser um péssimo governante. Em certo sentido o foi: dizendo-se liberal, exerceu o poder de maneira autocrática, dissolveu a Constituinte que ele mesmo convocou, humilhava os aliados e amigos, quando no Brasil se cercou de uma corja de dar medo, e admitia abertamente a corrupção. Tanto que, ao abandonar o Rio de Janeiro, já no navio que o levaria à Europa, retrucou as queixas do marquês de Paranaguá, seu ministro, de que não tinha como se sustentar, com o exemplo de outro ministro: "Por que não roubou como Barbacena? Estaria bem agora".
No plano pessoal, d. Pedro I tratava as esposas (sobretudo a primeira) e amantes (cinco, contando apenas aquelas com quem teve filhos) de maneira pouco cavalheiresca. Era duro no trato e agressivo no comportamento. Mas, apesar de tantos defeitos, o primeiro imperador acabou sendo um herói à sua maneira, como demonstra Isabel Lustosa. Era amado pelos brasileiros, tinha um real talento jornalístico (se bem que sua gramática e sintaxe fossem pouco canônicas, para dizer o mínimo) e, mais importante, estava sintonizado com os ares do tempo. Pode ter proclamado a Independência num arroubo, mas desafiou as Cortes lusitanas, liderou, na Bahia, uma guerra difícil contra a metrópole e outorgou a mais duradoura das constituições nacionais, que esteve em vigor por quase sete décadas.
Foi, igualmente, um herói na Europa. Apeado do poder no Brasil, foi recebido pelos liberais do Velho Continente como um príncipe americano iluminado, ainda que um tanto exótico. Desafiando os bem-pensantes, formou um exército de mercenários e invadiu Portugal, disposto a recuperar o trono para a filha. A guerra durou três anos e foi sangrenta. D. Pedro só a venceu, derrotando um exército de 80 mil homens, porque a transformou em guerra popular.
Ficha Técnica
Título original: D. PEDRO I
Capa: warrakloureiro
Páginas: 368
Formato: 13.50 x 21.00 cm
Peso: 0.450 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 20/04/2006
ISBN: 9788535908077
Selo: Companhia das Letras
Série
ANTÔNIO VIEIRA - Jesuíta do rei
Ronaldo Vainfas
Em Antônio Vieira: Jesuíta do rei, o historiador Ronaldo Vainfas analisa a personalidade multifacetada de um dos maiores escritores da língua portuguesa e reconstitui a sua intensa ligação com o Brasil, além de sua vida política e religiosa. Da coleção Perfis Brasileiros. Leia +
CASTRO ALVES - Um poeta sempre jovem
Alberto da Costa e Silva
Morto com apenas 24 anos, Castro Alves já era imensamente famoso em Salvador, no Recife, no Rio de Janeiro e em São Paulo. Num livro que é ao mesmo tempo perfil empenhado e crítica literária cuidadosa, Alberto da Costa e Silva mostra como um jovem perfeitamente integrado na sociedade escravocrata veio a ser o poeta da abolição. Leia +
CLÁUDIO MANUEL DA COSTA - O letrado dividido
Laura de Mello e Souza
Marcada por ambivalência e controvérsia, a vida de Cláudio Manuel da Costa é revisitada pela historiadora Laura de Mello e Souza, que pesquisou inventários, escrituras e processos judiciais para reconstituir os passos do poeta no Brasil e na Europa. Leia +
D. PEDRO I - Um Herói sem nenhum caráter
Isabel Lustosa
Isabel Lustosa escreve que d. Pedro I "é o personagem mais fascinante da história do Brasil" - impulsivo, desconfiado e vingativo, traiu amigos fiéis e foi implacável com os inimigos. Transitando entre o grande panorama da história brasileira e européia no século XIX, e o retrato íntimo de Pedro de Bragança e Bourbon, ela prova o seu ponto com verve e conhecimento de causa. Leia +
D. PEDRO II - Ser ou não ser
José Murilo de Carvalho
José Murilo de Carvalho apresenta dois personagens em conflito mútuo. Um, mais conhecido, é o imperador d. Pedro II, que governou o Brasil por quase meio século. O outro é Pedro d'Alcântara, cidadão comum, que amava as ciências e as letras tanto quanto detestava as pompas do poder. Leia +
GENERAL OSORIO - A espada liberal do Império
Francisco Doratioto
Neste volume da coleção Perfis Brasileiros, o historiador Francisco Doratioto investiga a figura do General Osorio, o militar mais conhecido de seu tempo, e traça uma envolvente história dos países do Rio da Prata. Leia +
GETÚLIO VARGAS - O poder e o sorriso
Boris Fausto
Nenhum governante brasileiro permaneceu no poder por tanto tempo quanto Getúlio Vargas. Para traçar o seu perfil, Boris Fausto passa ao largo do maniqueísmo e dos estereótipos, do culto ao "pai dos pobres" e da denúncia do "caudilho". Ele parte das raízes familiares de Getúlio, bem como do ambiente político em que este se formou, no Rio Grande do Sul. Leia +
JOAQUIM NABUCO - Os salões e as ruas
Angela Alonso
Neste volume da coleção Perfis Brasileiros, Angela Alonso traça um retrato minucioso de Joaquim Nabuco, focalizando os dilemas pessoais e embates públicos do pensador e militante abolicionista. Leia +
JOSÉ BONIFÁCIO
Miriam Dolhnikoff
Em novo volume da coleção Perfis Brasileiros, Miriam Dolhnikoff realiza um retrato abrangente de José Bonifácio de Andrada e Silva, figura central para o processo de Independência do Brasil. Leia +
LEILA DINIZ - Uma revolução na praia
Joaquim Ferreira dos Santos
Em sua curta trajetória, Leila Diniz teve um currículo de realizações artísticas expressivas, mas, acima de tudo, acabou por revolucionar o papel da mulher na sociedade brasileira; nas décadas de 1960 e 70, falou sem pudor sobre sexualidade e se deixou fotografar grávida, de biquíni. Leia +
NASSAU - Governador do Brasil holandês
Evaldo Cabral de Mello
Ao contrário do que se pensa, João Maurício de Nassau-Siegen não era nem holandês, nem príncipe. Sua família tinha linhagem alemã, e ele nasceu conde - o título de príncipe só lhe foi concedido às vésperas de completar cinqüenta anos. Evaldo Cabral de Mello esmiúça a experiência de Nassau no Brasil à luz das guerras e disputas comerciais da Europa do século XVII. Leia +
RONDON - O marechal da floresta
Todd A. Diacon
Grande responsável pela construção da linha telegráfica que deveria cruzar enorme parte da bacia amazônica, o oficial do Exército brasileiro Cândido Mariano da Silva Rondon foi um dos responsáveis por pensar o Brasil como uma nação. O historiador norte-americano Todd A. Diacon parte das expedições de Rondon pela região amazônica para traçar o seu perfil. Leia +
Autor
Faça seu cadastro no Grupo Companhia das Letras e personalize sua experiência


Grupo Companhia das Letras

Editora Schwarcz S.A.
Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32
04532-002 - São Paulo - SP
Telefone.: 11 3707-3500
Fax: 11 3707-3501
Todos os direitos reservados 2017