Home | Livros | Companhia das Letras | O PACTO DA BRANQUITUDE
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O PACTO DA BRANQUITUDE

Cida Bento

R$ 39,90

R$ 35,91

/ À vista

Apresentação

Neste livro poderoso, Cida Bento -- eleita em 2015 pela The Economist uma das cinquenta pessoas mais influentes do mundo no campo da diversidade -- denuncia e questiona a universalidade da branquitude e suas consequências nocivas para qualquer alteração substantiva na hierarquia das relações sociais.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O pacto da branquitude

Cida Bento

R$ 35,91

Zahar

Por um feminismo afro-latino-americano

Lélia Gonzalez

R$ 62,90

Zahar

Tornar-se negro

Neusa Santos Souza

R$ 47,90

Preço total de

R$ 146,71

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Zahar

Tornar-se negro

Neusa Santos Souza

R$ 47,90

Zahar

Por um feminismo afro-latino-americano

Lélia Gonzalez

R$ 62,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Zahar

A sociedade desigual

Mario Theodoro

R$ 79,90

Companhia das Letras

Pequeno manual antirracista

Djamila Ribeiro

R$ 39,90

Companhia das Letras

A vida não é útil

Ailton Krenak

R$ 42,90

Indisponível

Companhia das Letras

Ideias para adiar o fim do mundo (Nova edição)

Ailton Krenak

R$ 42,90

Zahar

O terceiro excluído

Fernando Haddad

R$ 64,90

Ficha Técnica

Páginas: 152 Formato: 11.70 X 18.00 cm Peso: 0.155 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 21/03/2022
ISBN: 978-65-5921-232-3 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Neste livro poderoso, Cida Bento -- eleita em 2015 pela The Economist uma das cinquenta pessoas mais influentes do mundo no campo da diversidade -- denuncia e questiona a universalidade da branquitude e suas consequências nocivas para qualquer alteração substantiva na hierarquia das relações sociais.

Diante de dezenas de recusas em processos seletivos, Cida Bento identificou um padrão: por mais qualificada que fosse, ela nunca era a escolhida para as vagas. O mesmo ocorria com seus irmãos, que, como ela, também tinham ensino superior completo. Por outro lado, pessoas brancas com currículos equivalentes -- quando não inferiores -- eram contratadas.

Em suas pesquisas de mestrado e doutorado, a autora se dedicou a investigar esse modelo, que se repetia nas mais diversas esferas corporativas, e a desmistificar a falácia do discurso meritocrático. O que encontrou foi um acordo não verbalizado de autopreservação, que atende a interesses de determinados grupos e perpetua o poder de pessoas brancas. A esse fenômeno, Cida Bento deu o nome de "pacto narcísico da branquitude".

Neste livro, a cofundadora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert) reúne sua experiência para apresentar evidências desse acordo tácito e nos convidar a deslocar nosso olhar para aqueles que, a fim de se manter no centro, impelem todos os outros à margem.

Sobre o autor