Home | Livros | Companhia das Letras | DIÁRIO DE UMA EXPEDIÇÃO
CLIQUE PARA AMPLIAR

DIÁRIO DE UMA EXPEDIÇÃO

Euclides da Cunha

Apresentação

Diário de uma expedição reúne uma série de reportagens, pouco conhecidas, que Euclides da Cunha fez durante a Guerra de Canudos. Escritas no coração da batalha, sem tempo para hesitações ou reflexão, essas reportagens são o embrião de Os sertões, o "livro vingador", como o definiu seu autor.

Através do Brasil

Companhia das Letras

Através do Brasil

Olavo Bilac Manoel Bomfim

R$ 67,90

Indisponível
Confissões da Bahia

Companhia das Letras

Confissões da Bahia

Ronaldo Vainfas (Org.)

R$ 74,90

Indisponível
Ordenações Filipinas

Companhia das Letras

Ordenações Filipinas

Silvia Hunold Lara (Org.)

R$ 79,90

Indisponível
Projetos para o Brasil

Companhia das Letras

Projetos para o Brasil

José Bonifácio de Andrada e Silva

R$ 69,90

Indisponível
Monstros e monstrengos do Brasil

Companhia das Letras

Monstros e monstrengos do Brasil

Afonso d'Escragnolle-Taunay

R$ 57,90

Indisponível
Código do bom-tom

Companhia das Letras

Código do bom-tom

J. I. Roquette

R$ 74,90

Indisponível
História do Brasil pelo método confuso

Companhia das Letras

História do Brasil pelo método confuso

Mendes Fradique Apparecida Saramago

R$ 62,90

Indisponível
O carapuceiro

Companhia das Letras

O carapuceiro

Padre Lopes Gama

R$ 62,00

Indisponível
Retrato do Brasil

Companhia das Letras

Retrato do Brasil

Paulo Prado

R$ 52,90

Indisponível
Vossa insolência

Companhia das Letras

Vossa insolência

Olavo Bilac

R$ 89,90

Manual do agricultor brasileiro

Companhia das Letras

Manual do agricultor brasileiro

Carlos Augusto Taunay

R$ 64,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Diário de uma expedição Páginas: 304 Formato: 11.50 X 16.00 cm Peso: 0.24 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 17/07/2000
ISBN: 978-85-3590-026-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Diário de uma expedição reúne uma série de reportagens, pouco conhecidas, que Euclides da Cunha fez durante a Guerra de Canudos. Escritas no coração da batalha, sem tempo para hesitações ou reflexão, essas reportagens são o embrião de Os sertões, o "livro vingador", como o definiu seu autor.

Quando o engenheiro militar Euclides da Cunha seguiu para o sertão, integrando a quarta expedição contra Canudos, tinha por missão ser correspondente do jornal O Estado de S. Paulo. Além disso, viajava como adido à comitiva do ministro da Guerra. Diário de uma expedição reúne uma série de reportagens, pouco conhecidas, que Euclides enviou de lá. Elas mostram o escritor no coração da batalha, aspirando o odor da pólvora e ensurdecido pelo troar da metralha. Escrevendo sem tempo para hesitações ou reflexão, Euclides presenteia o leitor com a natureza despida de artifícios, "palpitante" do fato que é notícia.Essas reportagens são também uma boa amostra do partido tomado pelas Forças Armadas brasileiras e pelos jornalistas. Assim, as notícias não objetivavam propriamente informar, mas antes veiculavam uma unanimidade: ninguém duvidava que os insurretos de Canudos imprimiam uma nódoa de atraso no brilhante panorama de modernização que a República anunciava, ao sepultar ao mesmo tempo a escravidão e a monarquia.Esse tom "oficial" está presente na correspondência enviada por Euclides, mas já é evidente a garra de escritor que viria a notabilizá-lo. Aqui reside o embrião de Os sertões, o "livro vingador", como o chamou seu autor. Só lendo estas reportagens pode-se avaliar a extensão do caminho percorrido.

Sobre o autor