CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

NEXUS

Henry Miller
Tradução: Sergio Flaksman

Apresentação

Em nova tradução, Nexus (1959) reafirma a originalidade, a coragem e a franqueza de Henry Miller ao abordar questões que continuam a definir o perfil do escritor moderno e da literatura de nossos dias.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Plexus

Henry Miller

R$ 99,90

Indisponível

Penguin-Companhia

Os 120 dias de Sodoma

Marquês de Sade

R$ 49,90

Companhia das Letras

A chave estrela

Primo Levi

R$ 62,90

Companhia das Letras

O homem sentimental

Javier Marías

R$ 54,90

Companhia das Letras

Amor insensato

Junichiro Tanizaki

R$ 64,90

Indisponível

Companhia das Letras

Cem quilos de ouro

Fernando Morais

R$ 72,90

Companhia das Letras

Paraísos artificiais

Paulo Henriques Britto

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

14 CONTOS DE KENZABURO OE

Kenzaburo Oe

R$ 89,90

Companhia das Letras

Letra só / Sobre as letras (2 volumes)

Caetano Veloso

R$ 87,90

Companhia das Letras

Todas as letras

Gilberto Gil

R$ 92,90

Indisponível

Penguin-Companhia

O vermelho e o negro

Stendhal

R$ 67,90

Ficha Técnica

Título original: Nexus (The rosy crucifixion: book 3) Páginas: 416 Formato: 13.50 X 20.50 cm Peso: 0.55 kg Acabamento: Livro capa dura Lançamento: 24/05/2006
ISBN: 978-85-3590-831-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em nova tradução, Nexus (1959) reafirma a originalidade, a coragem e a franqueza de Henry Miller ao abordar questões que continuam a definir o perfil do escritor moderno e da literatura de nossos dias.

Publicada entre 1949 e 1960, a trilogia da Crucificação Rosada é uma ficção bastante autobiográfica. Ambientados nos anos 1920 - os últimos da vivência americana de Miller, antes de sua partida para a Europa -, Sexus, Plexus e Nexus focalizam a organização da vida do protagonista/autor em torno de relações eróticas e seu intenso debate interno sobre a criação artística. Nexus, o terceiro dos três volumes, organiza esse acúmulo de experiências, sentimentos e idéias. Aqui ganham clareza tendências e noções "alternativas" que se espalhariam pelo mundo a partir do final da década de 60: o interesse pela arte e pela filosofia oriental; o desprezo pelas convenções pequeno-burguesas; as tentativas de síntese metafísica reunindo o radicalismo de Nietzsche, a concepção da história de Spencer, as experimentações narrativas e os impasses religiosos de Dostoiévski, que o autor aponta como suas principais influências.
Mesmo circulando de maneira clandestina, a obra de Henry Miller chamou a atenção de contemporâneos como Ezra Pound e T. S. Eliot. Nos anos 60, com os livros liberados nos Estados Unidos, Miller foi definitivamente consagrado como um dos maiores prosadores de língua inglesa.

Sobre o autor