Home | Livros | Companhia das Letras | HISTÓRIA. FICÇÃO. LITERATURA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

HISTÓRIA. FICÇÃO. LITERATURA

Luiz Costa Lima

Apresentação

Um dos mais renomados teóricos brasileiros da literatura se dedica ao problema das fronteiras entre a história, a ficção e a literatura - terreno pantanoso desde que se passou a realçar o quanto a escrita da história depende de recursos literários.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

História. Ficção. Literatura

Luiz Costa Lima

R$ 89,90

Quadrinhos na Cia

Manual do Minotauro

Laerte

R$ 118,92

Companhia das Letras

Os contos

Lygia Fagundes Telles

R$ 139,90

Preço total de

R$ 348,72

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Os vendilhões do templo

Moacyr Scliar

R$ 79,90

Companhia das Letras

O pintor de batalhas

Arturo Pérez-Reverte

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 104,90

Companhia das Letras

Vida de escritor

Gay Talese

R$ 94,90

Indisponível

Companhia das Letras

Poemas (2006-2014)

Louise Glück

R$ 89,90

Companhia das Letras

Istambul

Orhan Pamuk

R$ 89,90

Indisponível

Companhia das Letras

Comunidades imaginadas

Benedict Anderson

R$ 84,90

Companhia de Bolso

Abaixo as verdades sagradas

Harold Bloom

R$ 54,90

Companhia das Letras

Iniciação à literatura portuguesa

António José Saraiva

R$ 69,90

Ficha Técnica

Título original: História. Ficção. Literatura Páginas: 440 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.657 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 03/07/2006
ISBN: 978-85-3590-857-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um dos mais renomados teóricos brasileiros da literatura se dedica ao problema das fronteiras entre a história, a ficção e a literatura - terreno pantanoso desde que se passou a realçar o quanto a escrita da história depende de recursos literários.

História. Ficção. Literatura traz as respostas originais de Luiz Costa Lima a um desafio teórico polêmico. Por sua condição necessariamente discursiva, a historiografia não pode prescindir da interseção com os domínios da ficção e da literatura. Mas será isso suficiente para reduzi-la a uma espécie de discurso ficcional?
Para o autor, é preciso destacar as diferentes metas que orientam a escrita da história e a ficção. Assim como a ficção extrapola o domínio da literatura, a história responde a uma necessidade específica do ser humano: conhecer o seu passado.
Sem negar que esse conhecimento não se realiza senão num discurso, Costa Lima ressalta que a história reivindica uma veracidade estranha à ficção. Se o discurso ficcional se caracteriza pela porosidade, o historiográfico trabalha com uma verdade sem poros, numa aporia que ameaça converter-se em blindagem contra o autoquestionamento.

Sobre o autor