Home | Livros | Companhia das Letras | O SOL SE PÕE EM SÃO PAULO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O SOL SE PÕE EM SÃO PAULO

Bernardo Carvalho

Apresentação

Num fim de noite no bairro da Liberdade, a dona de um restaurante japonês aborda um cliente retardatário e pergunta: "Você é escritor?". Começa assim, para o protagonista de O sol se põe em São Paulo, uma viagem vertiginosa rumo ao Japão da Segunda Guerra Mundial - e também às raízes e fraturas de sua própria identidade.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Simpatia pelo demônio

Bernardo Carvalho

R$ 59,90

Companhia das Letras

Onze

Bernardo Carvalho

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letras

Aberração

Bernardo Carvalho

R$ 42,90

Indisponível

Companhia das Letras

As iniciais

Bernardo Carvalho

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

Teatro

Bernardo Carvalho

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

Os bêbados e os sonâmbulos

Bernardo Carvalho

R$ 47,90

Indisponível

Companhia das Letras

O último gozo do mundo

Bernardo Carvalho

R$ 57,90

Ficha Técnica

Título original: O sol se põe em São Paulo Páginas: 168 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.246 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 05/03/2007
ISBN: 978-85-3590-977-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Num fim de noite no bairro da Liberdade, a dona de um restaurante japonês aborda um cliente retardatário e pergunta: "Você é escritor?". Começa assim, para o protagonista de O sol se põe em São Paulo, uma viagem vertiginosa rumo ao Japão da Segunda Guerra Mundial - e também às raízes e fraturas de sua própria identidade.

No Japão da Segunda Guerra, um triângulo amoroso envolve Michiyo, Jokichi e Masukichi - uma moça de boa família, um filho de industrial e um ator de kyogen, o teatro cômico japonês. À primeira vista, isso é tudo que Setsuko, a dona do restaurante japonês, tem a contar ao narrador de O sol se põe em São Paulo. Mas logo a trama se complica e se desdobra em outras mais, passadas e presentes, que desnorteiam o narrador involuntário, agora compelido a um verdadeiro trabalho de detetive para completar a história em que se viu enredado.
Pois o relato de Setsuko aponta para além do desejo, da humilhação e do ressentimento amorosos, e se vincula aos momentos mais terríveis da História contemporânea - tanto do Japão como do Brasil. Romance sem fronteiras, que une a Osaka de outrora à São Paulo de hoje, e esta à Tóquio do século XXI, o romance de Bernardo Carvalho entrelaça tempos e espaços que o leitor julgaria essencialmente separados - e nos quais a prosa de ficção brasileira não costuma se arriscar.
Caberá ao narrador de O sol se põe em São Paulo transitar de um pavilhão japonês no bairro do Paraíso a um cybercafé na Tóquio pós-moderna, das fazendas do interior de São Paulo aos campos de batalha da guerra no Pacífico. Tudo a fim de deslindar uma trama tortuosa, que envolve ainda um soldado raso, um primo do imperador e um escritor famoso (o romancista Junichiro Tanizaki) - também sua própria pessoa, sua própria identidade: pária ou escritor?