Home | Livros | Companhia das Letras | O ÚLTIMO GOZO DO MUNDO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O ÚLTIMO GOZO DO MUNDO

Bernardo Carvalho

R$ 57,90

/ À vista

Apresentação

A história de uma professora de sociologia que vê seu casamento desmoronar pouco antes do início de uma pandemia global. Uma distopia com ares de fábula e manifesto.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O último gozo do mundo

Bernardo Carvalho

R$ 57,90

Companhia das Letras

Baixo esplendor

Marçal Aquino

R$ 62,90

Companhia das Letras

O deus das avencas

Daniel Galera

R$ 62,90

Preço total de

R$ 183,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O deus das avencas

Daniel Galera

R$ 62,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 62,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Companhia das Letras

O som do rugido da onça - Vencedor Jabuti 2022

Micheliny Verunschk

R$ 47,53

Companhia das Letras

Nada vai acontecer com você

Simone Campos

R$ 54,32

Companhia das Letras

Solução de dois Estados

Michel Laub

R$ 57,90

Companhia das Letras

A palavra que resta

Stênio Gardel

R$ 62,90

Ficha Técnica

Páginas: 144 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.206 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 21/05/2021
ISBN: 978-65-5921-036-7 Selo: Companhia das Letras Capa: Daniel Trench Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A história de uma professora de sociologia que vê seu casamento desmoronar pouco antes do início de uma pandemia global. Uma distopia com ares de fábula e manifesto.

As distâncias e os pontos de contato entre o pessoal e o coletivo, entre a narrativa individual e a histórica, ocupam o centro de O último gozo do mundo, décimo terceiro livro de Bernardo Carvalho publicado pela Companhia das Letras.
Presa de um tempo em que "a leitura do mundo tornou-se descontínua e episódica", a protagonista desta novela parte, com o filho pequeno, numa jornada para um retiro no interior profundo do Brasil. Lá, mora um homem que passa a prever o futuro depois de ter sobrevivido ao vírus ameaçador. Entre lembranças obliteradas, encontros e desencontros e vidas até então previsíveis modificadas radicalmente, um rastro de perplexidade e de perguntas sem respostas vai sendo deixado para trás, numa narrativa enigmática, eletrizante e que se torna mais e mais perturbadora. Podemos distinguir as causas dos efeitos? Como damos sentido a uma narrativa? O que restou de humanidade num Brasil dominado pela morte? Podemos ter um projeto comum de futuro sem um relato coerente do passado?