Home | Livros | Companhia de Bolso | RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

RESPIRAÇÃO ARTIFICIAL

Ricardo Piglia
Tradução: Heloisa Jahn

Apresentação

Publicado em 1980, quatro anos depois do golpe militar na Argentina, este é o primeiro romance de Ricardo Piglia. Escrito em plena vigência da censura, num estilo narrativo que mais disfarça do que mostra, o livro é uma vitória luminosa sobre a repressão ao pensamento.

Frequentemente comprados juntos

Companhia de Bolso

Respiração artificial

Ricardo Piglia

R$ 54,90

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 89,90

Companhia das Letras

Putas assassinas

Roberto Bolaño

R$ 64,90

Preço total de

R$ 209,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia de Bolso

A vida modo de usar

Georges Perec

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

O último leitor

Ricardo Piglia

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

Putas assassinas

Roberto Bolaño

R$ 64,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Coração das trevas

Joseph Conrad

R$ 49,90

Companhia das Letras

Formas breves

Ricardo Piglia

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

Dinheiro queimado

Ricardo Piglia

R$ 69,90

Indisponível

Companhia de Bolso

O barão nas árvores

Italo Calvino

R$ 54,90

Companhia de Bolso

Breve romance de sonho

Arthur Schnitzler

R$ 44,90

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 89,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Respiración artificial - pocket Páginas: 200 Formato: 12.50 X 18.00 cm Peso: 0.172 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 28/01/2010
ISBN: 978-85-3591-594-5 Selo: Companhia de Bolso Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Publicado em 1980, quatro anos depois do golpe militar na Argentina, este é o primeiro romance de Ricardo Piglia. Escrito em plena vigência da censura, num estilo narrativo que mais disfarça do que mostra, o livro é uma vitória luminosa sobre a repressão ao pensamento.

Publicado em 1980, quatro anos depois do golpe militar na Argentina, este é o primeiro romance de Ricardo Piglia. Escrito em plena vigência da censura, num estilo narrativo que mais disfarça do que mostra, o livro é uma vitória luminosa sobre a repressão ao pensamento.

"Dá uma história?", pergunta-se o narrador ao abrir o texto de Respiração artificial. "Se dá, começa há três anos." Em 1976. Não por acaso, o ano em que os militares tomaram o poder na Argentina e instauraram uma ditadura que duraria sete anos, com entre 9 e 30 mil pessoas mortas ou desaparecidas. Com sua ficção, Piglia busca mais do que a verdade: está determinado a dizê-la. Para isso constrói uma trama em que várias histórias e tempos se cruzam, cumprindo a função de camuflar o que o livro realiza: a exposição do arbítrio e da violência em todo o seu horror.
Respiração artificial gira em torno dos "papéis de Ossorio": um conjunto de antigas cartas guardadas entre os segredos de uma família poderosa. Regidos pela figura central do narrador Emilio Renzi - o desvendador da verdadeira história do país -, os personagens desse livro polifônico conversam uns com os outros, inclusive em diferentes tempos de ação, utilizando pontes como cartas, jornais, literatura e filosofia.
Apontado por cinquenta escritores argentinos como um dos dez melhores romances da história da literatura do país, Respiração artificial recebeu o prêmio Boris Vian de romance em 1981. No Brasil, foi publicado originalmente pela Iluminuras em 1987.

Sobre o autor