CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

R$ 87,90

/ À vista

Apresentação

Lançado um ano após a morte do autor, 2666 foi considerado o melhor romance de Roberto Bolaño e, após receber críticas positivas no mundo hispânico, venceu o National Book Critics Circle Award nos Estados Unidos e foi eleito o livro do ano pela Time Magazine.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

2666

Roberto Bolaño

R$ 87,90

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 124,90

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Preço total de

R$ 312,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Os detetives selvagens

Roberto Bolaño

R$ 87,90

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 124,90

Companhia das Letras

Putas assassinas

Roberto Bolaño

R$ 59,90

Indisponível

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Companhia das Letras

A literatura nazista na América

Roberto Bolaño

R$ 67,90

Companhia das Letras

Antologia da literatura fantástica

Jorge Luis Borges Adolfo Bioy Casares Silvina Ocampo

R$ 102,90

Indisponível

Companhia das Letras

O quarto de Giovanni

James Baldwin

R$ 59,90

Ficha Técnica

Título original: 2666 Páginas: 856 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 1.136 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 18/05/2010
ISBN: 978-85-3591-648-5 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Lançado um ano após a morte do autor, 2666 foi considerado o melhor romance de Roberto Bolaño e, após receber críticas positivas no mundo hispânico, venceu o National Book Critics Circle Award nos Estados Unidos e foi eleito o livro do ano pela Time Magazine.

Maior sucesso latino-americano em escala mundial desde Gabriel García Márquez, Roberto Bolaño consolidou-se na direção contrária de seu predecessor, apresentando, em lugar da literatura fantástica que notabilizou o autor de Cem anos de solidão, um realismo cru, de humor sardônico e pessimista. É nessa chave que se desenrola 2666.
Fiel aos dois principais temas que atravessam toda a obra do autor chileno - violência e literatura -, o livro é composto de cinco romances, interligados por dois dramas centrais: a busca por um autor recluso e uma série de assassinatos na fronteira México-Estados Unidos.
A primeira história narra a saga de quatro críticos europeus em busca de Benno von Archimboldi, um escritor alemão recluso do qual não se conhecem fotos. Na segunda, há a agonia de um professor mexicano às voltas com seus problemas existenciais. O terceiro romance conta a história de um jornalista esportivo que acaba se envolvendo com crimes cometidos contra mulheres da cidade de Santa Teresa, no México (ficcionalização de Ciudad Juárez). Na quarta e mais extensa das partes do livro, os crimes de Santa Teresa são narrados com a frieza e o distanciamento próprios da linguagem jornalística das páginas policiais. E finalmente, na quinta história o leitor é conduzido de volta à Segunda Guerra, tornando-se testemunha do passado misterioso de Benno von Archimboldi. Apesar do tamanho monumental - a edição espanhola de 2666 tem mais de mil páginas -, a trama enigmática mantém o leitor em estado de suspensão até as últimas palavras, quando só então o autor oferece a solução que permite compreender o conjunto do livro.
Recheado de reflexões sobre a natureza do mal, a relação entre cultura e violência e, de quebra, a situação do intelectual latino-americano, 2666 é um livro inteligente, surpreendente e de leitura fácil. Não por acaso, fez uma carreira tão assombrosa no contexto da crítica internacional e entrou para o rol dos grandes fenômenos literários da atualidade.

"O que Bolaño perseguiu e alcançou foi o romance total, colocando o autor de 2666 no mesmo time de Cervantes, Sterne, Melville, Proust, Musil e Pynchon." - Rodrigo Fresán

"Não somente o grande romance em língua espanhola da década, mas também um dos pilares que definem toda uma literatura." - La Vanguardia

"Bolaño é o mais influente e admirado romancista de língua espanhola da sua geração." - Susan Sontag

"Todos eles são Bolaño, todos nós somos Bolaño, até você é Bolaño." - Patti Smith

Sobre o autor