Home | Livros | Companhia das Letras | A CULTURA-MUNDO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A CULTURA-MUNDO

Gilles Lipovetsky e Jean Serroy
Tradução: Maria Lucia Machado

Apresentação

Que cultura caracteriza o mundo hoje? De que forma ela se relaciona com os principais eixos de nossa época: capitalismo globalizado, individualismo, consumismo, internet? Num ensaio iluminador, Gilles Lipovetsky e Jean Serroy explicam a gênese e os impasses desse novo e complexo sistema de valores.

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A estetização do mundo

Gilles Lipovetsky Jean Serroy

R$ 87,90

Indisponível

Companhia das Letras

A felicidade paradoxal

Gilles Lipovetsky

R$ 69,90

Indisponível

Companhia de Bolso

O império do efêmero

Gilles Lipovetsky

R$ 49,90

Companhia das Letras

O luxo eterno

Gilles Lipovetsky Elyette Roux

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letras

A terceira mulher

Gilles Lipovetsky

R$ 64,90

Indisponível

Companhia das Letras

Um chapéu para viagem

Zélia Gattai

R$ 69,90

Companhia das Letras

A arte e a maneira de abordar seu chefe para pedir um aumento

Georges Perec

R$ 49,90

Companhia das Letras

Atravessar o fogo

Lou Reed

R$ 77,90

Ficha Técnica

Título original: La culture-monde Páginas: 208 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.265 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 17/02/2011
ISBN: 978-85-3591-797-0 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Que cultura caracteriza o mundo hoje? De que forma ela se relaciona com os principais eixos de nossa época: capitalismo globalizado, individualismo, consumismo, internet? Num ensaio iluminador, Gilles Lipovetsky e Jean Serroy explicam a gênese e os impasses desse novo e complexo sistema de valores.

Um novo sistema de valores surge na esteira da "modernidade dilacerada e limitada". Agora, os conflitos Igreja/Estado, liberalismo/comunismo, burguesia/proletariado não são mais centrais. O mundo que se anuncia supera os modelos anteriores de relação entre cultura e sociedade, baseados na aceitação ou no enfrentamento das ideias de hierarquia, autoridade e riqueza. A cultura passa a ser "um setor econômico em plena expansão", com excesso de oferta de bens mercantis e simbólicos que vão dos livros à moda, das inovações tecnológicas ao design, da música à gastronomia.
Usando referências da história, da sociologia, da psicologia e da estética, Lipovetsky e Serroy defendem a tese de uma "cultura-mundo" cheia de nuances: embora imediatista, não despreza a herança do passado; embora individualista, estimula a participação social; embora racional, vê nascer em seu interior a religiosidade como bálsamo para o "indivíduo diante de si mesmo, sem rede de proteção".

Sobre o autor