Home | Livros | Companhia das Letras | AS VIRGENS SUICIDAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

AS VIRGENS SUICIDAS

Jeffrey Eugenides
Tradução: Daniel Pellizzari

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Escrita no começo da década de 1990, a história da morte voluntária, sucessiva e inexplicável de cinco irmãs adolescentes mantém todo o seu frescor.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

As virgens suicidas

Jeffrey Eugenides

R$ 62,90

Companhia das Letras

Pessoas normais

Sally Rooney

R$ 45,43

Companhia das Letras

Não me abandone jamais

Kazuo Ishiguro

R$ 72,90

Preço total de

R$ 181,23

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

O céu dos suicidas

Ricardo Lísias

R$ 57,90

Companhia das Letras

Middlesex

Jeffrey Eugenides

R$ 89,90

Indisponível

Companhia das Letras

A elegância do ouriço

Muriel Barbery

R$ 72,90

Companhia das Letras

A trama do casamento

Jeffrey Eugenides

R$ 72,90

Objetiva

Me diga quem eu sou

Helena Gayer

R$ 47,90

Alfaguara

Norwegian Wood

Haruki Murakami

R$ 79,90

Ficha Técnica

Título original: The virgin suicides Páginas: 232 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.299 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 07/02/2013
ISBN: 978-85-3592-219-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Escrita no começo da década de 1990, a história da morte voluntária, sucessiva e inexplicável de cinco irmãs adolescentes mantém todo o seu frescor.

Num típico subúrbio dos Estados Unidos nos anos 1970, cinco irmãs adolescentes se matam em sequência e sem motivo plausível. A tragédia, ocorrida no seio de uma família que, em oposição aos efeitos já perceptíveis da revolução sexual, vive sob severas restrições morais e religiosas, é narrada pela voz coletiva e fascinada de um grupo de garotos da vizinhança. O coro lírico que então se forma ajuda a dar um tom sui generis a esta fábula da inocência perdida.
Adaptado ao cinema por Sofia Coppola, publicado em 34 idiomas e agora em nova tradução, o livro de estreia de Jeffrey Eugenides logo se tornou um cult da literatura
norte-americana contemporânea. Não por acaso: essa obra de beleza estranha e arrebatadora, definida pela crítica Michiko Kakutani como "pequena e poderosa ópera no formato inesperado de romance", revela-se ainda hoje em toda a sua atualidade.

"Ardente." - Newsweek
"Inesquecível." - Harper´s Bazaar
"Pungente... lírico." - The New York Times
"Envolvente..." - The Wall Street Journal

Sobre o autor