Home | Livros | Companhia das Letras | BERLIM 1961
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

BERLIM 1961

Frederick Kempe
Tradução: Hildegard Feist

R$ 94,90

/ À vista

Apresentação

A história da crise política que deflagrou a construção do Muro de Berlim e definiu os rumos da Guerra Fria.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Berlim 1961

Frederick Kempe

R$ 94,90

Companhia das Letras

Ano zero

Ian Buruma

R$ 77,90

Companhia das Letras

A paz dura pouco

Chinua Achebe

R$ 62,90

Preço total de

R$ 235,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Ficha Técnica

Título original: Berlin, 1961 Páginas: 608 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.929 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 11/07/2013
ISBN: 978-85-3592-285-1 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A história da crise política que deflagrou a construção do Muro de Berlim e definiu os rumos da Guerra Fria.

Em junho de 1961, Nikita Khruschóv chamou Berlim de "o lugar mais perigoso do mundo". Ele não exagerava: a resistência das potências ocidentais em desocupar militarmente a porção oeste da cidade, conforme exigido por diversos ultimatos do líder comunista - que tentava conter as correntes de refugiados do Leste -, gerou sem dúvida a mais grave crise política do pós-guerra.
Culminando na construção do símbolo máximo da divisão do globo entre dois grupos antagônicos - o Muro de Berlim, que tornava palpável a metafórica Cortina de Ferro de Winston Churchill -, a crise de 1961 foi a primeira e única vez na história em que militares e tanques norte-americanos e soviéticos estiveram frente a frente, a metros de distância. Um erro, um soldado que perdesse o controle, um comandante menos preparado, qualquer escaramuça poderia ter gerado uma guerra atômica em questão de minutos.
Era um jogo temerário, de cujo resultado poderia depender a sobrevivência do planeta. De um lado da mesa, um presidente norte-americano pouco experiente e ainda carregando as cicatrizes da condução desastrada dos eventos na baía dos Porcos. De outro, um premiê soviético sofrendo pressões dos chineses, alemães orientais e grupos linhas-duras em seu próprio governo - e que, com a aproximação do congresso do Partido Comunista, sabia que Berlim seria determinante não apenas para o seu futuro como para o do próprio Kremlin. Nenhum dos jogadores conseguia decifrar (nem sequer entender) o outro, e a cada semana que passava a situação se tornava mais crítica.
Baseado em amplo repertório de fontes novas e entrevistas, Berlim, 1961 narra em ritmo de thriller este que foi um dos eventos cruciais do século XX, e é leitura obrigatória para a compreensão da história da Guerra Fria.

"Berlim, 1961 é o que de melhor foi escrito sobre a mais perigosa crise da Guerra Fria, com muitas lições para o presente." - Henry Kissinger

Sobre o autor