Home | Livros | Companhia das Letras | O BRASIL É BOM
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O BRASIL É BOM

André Sant'Anna

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Neste novo livro de contos, André Sant'Anna desconstrói mitos e lugares-comuns da sociedade brasileira numa linguagem cáustica, irônica e mordaz.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O Brasil é bom

André Sant'Anna

R$ 62,90

Companhia das Letras

Sexo e amizade

André Sant'Anna

R$ 67,90

Companhia das Letras

O paraíso é bem bacana

André Sant'Anna

R$ 87,90

Preço total de

R$ 218,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Ficha Técnica

Título original: O Brasil é bom Páginas: 192 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.246 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 26/03/2014
ISBN: 978-85-3592-402-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Neste novo livro de contos, André Sant'Anna desconstrói mitos e lugares-comuns da sociedade brasileira numa linguagem cáustica, irônica e mordaz.

O Brasil é bom. Afinal, a Amazônia não será desmatada, os deputados não são ricos nem corruptos, as obras da Copa não foram superfaturadas e não há milhares de crianças pobres dormindo na rua. Escrevendo em um permanente tom irônico, André Sant'Anna, que em O paraíso é bem bacana e Sexo e amizade já havia mergulhado no terreno da crítica social, criou aqui o seu livro mais mordaz. Nos 22 contos que formam O Brasil é bom, a velha classe média observa - apavorada e temerosa - a ascensão da nova classe média, o consumismo é uma epidemia nociva, o dinheiro é a única coisa que move os brasileiros e a Igreja explora os fiéis. Em "Lodaçal", o texto mais longo, dois garotos que vivem à margem da sociedade imaginam, em uma narrativa delirante, inúmeros futuros para si - todos interrompidos pela violência. A metralhadora de André Sant'Anna aponta para diversos alvos: em um momento, satiriza o discurso daqueles que se consideram "cidadãos de bem" e nutrem fantasias dignas do tempo da ditadura; em outro, critica as medidas paliativas que transformaram a classe C em uma horda de consumidores, dando a eles a ilusão de que o país está melhorando e de que agora foram incluídos na sociedade. O resultado é uma visão pessimista e apocalíptica, que expõe os conflitos raciais e sociais do Brasil que apenas começaram a explodir.

Sobre o autor