Home | Livros | Companhia das Letras | A GLÓRIA E SEU CORTEJO DE HORRORES
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A GLÓRIA E SEU CORTEJO DE HORRORES

Fernanda Torres

R$ 64,90

/ À vista

Apresentação

Um retrato marcante da televisão, da sociedade e do teatro brasileiros, escrito por uma das vozes mais surpreendentes da literatura atual.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A glória e seu cortejo de horrores

Fernanda Torres

R$ 64,90

Companhia das Letras

Prólogo, ato, epílogo

Fernanda Montenegro

R$ 79,90

Companhia das Letras

Sobre o autoritarismo brasileiro

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 79,90

Preço total de

R$ 224,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Prólogo, ato, epílogo

Fernanda Montenegro

R$ 79,90

Companhia das Letras

Sobre o autoritarismo brasileiro

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 79,90

Companhia das Letras

A noite da espera

Milton Hatoum

R$ 69,90

Companhia das Letras

Quem tem medo do feminismo negro?

Djamila Ribeiro

R$ 49,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 63,67

Companhia das Letras

A vida invisível de Eurídice Gusmão

Martha Batalha

R$ 64,90

Companhia das Letras

A guerra não tem rosto de mulher

Svetlana Aleksiévitch

R$ 89,90

Ficha Técnica

Título original: A glória e seu cortejo de horrores Páginas: 216 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.273 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 10/11/2017
ISBN: 978-85-3592-993-5 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um retrato marcante da televisão, da sociedade e do teatro brasileiros, escrito por uma das vozes mais surpreendentes da literatura atual.

A glória e seu cortejo de horrores, novo romance de Fernanda Torres, autora de Fim, acompanha as desventuras de Mario Cardoso, um ator de meia idade, dos dias de sucesso como astro de telenovela até a total derrocada quando decide encenar uma versão de Rei Lear - e as coisas não saem exatamente como esperava. Mescla eletrizante de comédia de erros e retrato do artista, o livro atravessa diversas fases da carreira de Mario (e da história recente do Brasil), suas lembranças de juventude no teatro político, a incursão pelo Cinema Novo dos anos 60, a efervescência hippie do Verão do Desbunde, o encontro com o teatro de Tchékhov, a glória como um dos atores mais famosos de uma época em que a televisão dava as cartas no país. Um painel corrosivo de uma geração que viu sua ideia de arte sucumbir ao mercado, à superficialidade do mundo hiperconectado e, sobretudo, à derrocada de suas próprias ilusões.

Sobre o autor