Home | Livros | Companhia das Letras | CAIM (NOVA EDIÇÃO)
CLIQUE PARA AMPLIAR

CAIM (NOVA EDIÇÃO)

José Saramago

Apresentação

O vencedor do prêmio Nobel José Saramago reconta episódios bíblicos do Velho Testamento sob o ponto de vista de Caim, que, depois de assassinar seu irmão, trava um incomum acordo com Deus e parte numa jornada que o levará do jardim do Éden aos mais recônditos confins da criação.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Caim (Nova edição)

José Saramago

R$ 69,90

Companhia das Letras

O Evangelho segundo Jesus Cristo (Nova edição)

José Saramago

R$ 79,90

Companhia das Letras

As intermitências da Morte (Nova edição)

José Saramago

R$ 69,90

Preço total de

R$ 219,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O Evangelho segundo Jesus Cristo (Nova edição)

José Saramago

R$ 79,90

Companhia das Letras

As intermitências da Morte (Nova edição)

José Saramago

R$ 69,90

Companhia das Letras

Ensaio sobre a lucidez (Nova edição)

José Saramago

R$ 79,90

Companhia das Letras

História do cerco de Lisboa (Nova edição)

José Saramago

R$ 79,90

Companhia das Letras

A caverna (Nova edição)

José Saramago

R$ 84,90

Companhia das Letras

O ano da morte de Ricardo Reis (Nova edição)

José Saramago

R$ 89,90

Companhia das Letras

Ensaio sobre a cegueira (Nova edição)

José Saramago

R$ 74,90

Companhia das Letras

O homem duplicado (Nova edição)

José Saramago

R$ 79,90

Companhia das Letras

Claraboia (Nova edição)

José Saramago

R$ 84,90

Companhia das Letras

A jangada de pedra (Nova edição)

José Saramago

R$ 79,90

Companhia das Letras

Memorial do Convento (Nova edição)

José Saramago

R$ 89,90

Companhia das Letras

Levantado do chão (Nova edição)

José Saramago

R$ 89,90

Ficha Técnica

Páginas: 176 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.227 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 04/09/2020
ISBN: 978-85-3593-032-0 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O vencedor do prêmio Nobel José Saramago reconta episódios bíblicos do Velho Testamento sob o ponto de vista de Caim, que, depois de assassinar seu irmão, trava um incomum acordo com Deus e parte numa jornada que o levará do jardim do Éden aos mais recônditos confins da criação.

Se, em O Evangelho segundo Jesus Cristo, José Saramago nos deu sua visão do Novo Testamento, neste Caimele se volta aos primeiros livros da Bíblia, do Éden ao dilúvio, imprimindo ao Antigo Testamento a música e o humor refinado que marcam sua obra. Num itinerário heterodoxo, Saramago percorre cidades decadentes e estábulos, palácios de tiranos e campos de batalha, conforme o leitor acompanha uma guerra secular, e de certo modo involuntária, entre criador e criatura. No trajeto, o leitor revisitará episódios bíblicos conhecidos, mas sob uma perspectiva inteiramente diferente.

Para atravessar esse caminho árido, um deus às turras com a própria administração colocará Caim, assassino do irmão Abel e primogênito de Adão e Eva, num altivo jegue, e caberá à dupla encontrar o rumo entre as armadilhas do tempo que insistem em atraí-los. A Caim, que leva a marca do senhor na testa e portanto está protegido das iniquidades do homem, resta aceitar o destino amargo e compactuar com o criador, a quem não reserva o melhor dos julgamentos. Tal como o diabo de O Evangelho segundo Jesus Cristo, o deus que o leitor encontra aqui não é o habitual dos sermões: ao reinventar o Antigo Testamento, Saramago recria também seus principais protagonistas, dando a eles uma roupagem ao mesmo tempo complexa e irônica, cujo tom de farsa da narrativa só faz por acentuar.

A volta aos temas religiosos serve, também, para destacar o que há de moderno e surpreendente na prosa de Saramago: aqui, a capacidade de tornar nova uma história que conhecemos de cabo a rabo, revelando com mordacidade o que se esconde nas frestas dessas antigas lendas. Munido de ferina veia humorística, Saramago narra uma estranha guerra entre o homem e o senhor. Mais que isso, investiga a fundo as possibilidades narrativas da Bíblia, demonstrando novamente que, ao recontar o mito e confrontar a tradição, o bom autor volta à superfície com uma história tão atual e relevante quanto se pode ser.

A caligrafia da capa é de autoria do escritor Milton Hatoum.

* Leitura obrigatória do vestibular da UERJ.

Sobre o autor