CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A FÚRIA

E outros contos

Silvina Ocampo
Tradução: Livia Deorsola

R$ 84,90

R$ 72,17

/ À vista

Apresentação

Os contos de Silvina Ocampo -- monstruosos, insólitos, perturbadores, sinistros, irreais -- são o tesouro mais bem guardado da literatura latino-americana do século XX.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A fúria

Silvina Ocampo

R$ 72,17

Companhia das Letras

Risque esta palavra

Ana Martins Marques

R$ 59,90

Companhia das Letras

Os contos

Lygia Fagundes Telles

R$ 139,90

Preço total de

R$ 271,97

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Marrom e Amarelo

Paulo Scott

R$ 64,90

Alfaguara

Todos os santos

Adriana Lisboa

R$ 64,90

Companhia das Letras

A vida de Vernon Subutex - Volume 1

Virginie Despentes

R$ 89,90

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 106,17

Companhia das Letras

O perigo de uma história única

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 44,90

Companhia das Letras

Hoje estarás comigo no paraíso

Bruno Vieira Amaral

R$ 89,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 74,90

Ficha Técnica

Título original: La furia Páginas: 224 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.279 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 09/08/2019
ISBN: 978-85-3593-260-7 Selo: Companhia das Letras Capa: Elisa von Randow Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Os contos de Silvina Ocampo -- monstruosos, insólitos, perturbadores, sinistros, irreais -- são o tesouro mais bem guardado da literatura latino-americana do século XX.

Finalmente vemos chegar ao Brasil um livro de Silvina Ocampo, que está entre os escritores mais surpreendentes e intensos do continente. Publicado em 1959, A fúria é considerado "o mais ocampiano" dos livros de Silvina, obra em que a autora encontra sua voz única e inaugura seu universo alucinado. "Nos seus contos há algo que não consigo compreender: um estranho amor por certa crueldade inocente e oblíqua", escreveu o amigo Jorge Luis Borges. Saídas do que Roberto Bolaño chamou de "uma limpa cozinha literária", suas histórias misturam elegância e excesso, distanciamento e intensidade, calma e horror. Há a influência macabra que a antiga dona de uma casa exerce na nova inquilina ("A casa de açúcar", o conto favorito de Julio Cortázar); adivinhos e premonições ("A sibila" e "Magush"); amores loucos ("A paciente e o médico"); a festa de aniversário de uma jovem paralítica ("As fotografias"); e uma profusão de crianças malignas, como a que incendeia cruelmente uma amiga no conto que dá título ao livro. Revalorizada com entusiasmo nos últimos anos, a literatura de Silvina Ocampo é singular, complexa, envolvente e nos convida, como poucas, à fantasia e à imaginação.

"Eu não conheço outro escritor que capture melhor a magia dos rituais cotidianos, o rosto proibido ou oculto que nossos espelhos não nos mostram." -- Italo Calvino



"Irmã de Victoria Ocampo, esposa de Adolfo Bioy Casares, amiga íntima de Jorge Luis Borges, uma das mulheres mais ricas e extravagantes da Argentina, uma das escritoras mais talentosas e singulares da literatura em espanhol: todos estes títulos não explicam Silvina, não a definem, não servem para entender o seu mistério." -- Mariana Enriquez



"A fúria é uma das reuniões de contos mais intensas da literatura argentina. A primeira leitura deste livro pode suscitar mal-estares, mudanças de ânimo, deslumbramentos. Certas frases e uma ou outra palavra violenta desencadeiam a perplexidade e a inquietude física." -- Tomás Eloy Martínez

Sobre o autor