Home | Livros | Companhia das Letras | IDEIAS PARA ADIAR O FIM DO MUNDO (NOVA EDIÇÃO)
CLIQUE PARA AMPLIAR

IDEIAS PARA ADIAR O FIM DO MUNDO (NOVA EDIÇÃO)

Ailton Krenak

R$ 44,90

/ À vista

Apresentação

Uma parábola sobre os tempos atuais, por um de nossos maiores pensadores indígenas.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Ideias para adiar o fim do mundo (Nova edição)

Ailton Krenak

R$ 44,90

Companhia das Letras

A vida não é útil

Ailton Krenak

R$ 44,90

Companhia das Letras

A queda do céu

Davi Kopenawa e Bruce Albert

R$ 109,90

Preço total de

R$ 199,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A vida não é útil

Ailton Krenak

R$ 44,90

Companhia das Letras

Ensaio sobre a cegueira (Nova edição)

José Saramago

R$ 74,90

Companhia das Letras

Uma terra prometida

Barack Obama

R$ 99,90

Clássicos Zahar

O conde de Monte Cristo: edição comentada e ilustrada

Alexandre Dumas

R$ 239,90

Companhia das Letras

Pequeno manual antirracista

Djamila Ribeiro

R$ 44,90

Zahar

Por um feminismo afro-latino-americano

Lélia Gonzalez

R$ 79,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 63,67

Objetiva

Antifrágil (Nova edição)

Nassim Nicholas Taleb

R$ 119,90

Quadrinhos na Cia

Sapiens (Edição em quadrinhos): O nascimento da humanidade

Yuval Noah Harari

R$ 99,90

Ficha Técnica

Páginas: 104 Formato: 11.00 X 16.00 cm Peso: 0.09 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 24/07/2020
ISBN: 978-85-3593-358-1 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Uma parábola sobre os tempos atuais, por um de nossos maiores pensadores indígenas.

Ailton Krenak nasceu na região do vale do rio Doce, um lugar cuja ecologia se encontra profundamente afetada pela atividade de extração mineira. Neste livro, o líder indígena critica a ideia de humanidade como algo separado da natureza, uma "humanidade que não reconhece que aquele rio que está em coma é também o nosso avô".
Essa premissa estaria na origem do desastre socioambiental de nossa era, o chamado Antropoceno. Daí que a resistência indígena se dê pela não aceitação da ideia de que somos todos iguais. Somente o reconhecimento da diversidade e a recusa da ideia do humano como superior aos demais seres podem ressignificar nossas existências e refrear nossa marcha insensata em direção ao abismo.
"Nosso tempo é especialista em produzir ausências: do sentido de viver em sociedade, do próprio sentido da experiência da vida. Isso gera uma intolerância muito grande com relação a quem ainda é capaz de experimentar o prazer de estar vivo, de dançar e de cantar. E está cheio de pequenas constelações de gente espalhada pelo mundo que dança, canta e faz chover. [...] Minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história."
Desde seu inesquecível discurso na Assembleia Constituinte, em 1987, quando pintou o rosto com a tinta preta do jenipapo para protestar contra o retrocesso na luta pelos direitos indígenas, Krenak se destaca como um dos mais originais e importantes pensadores brasileiros. Ouvi-lo é mais urgente do que nunca.
Esta nova edição de Ideias para adiar o fim do mundo, resultado de duas conferências e uma entrevista realizadas em Portugal entre 2017 e 2019, conta com posfácio inédito de Eduardo Viveiros de Castro.

* Leitura obrigatória do vestibular da UFPR.

Sobre o autor

Material para o professor