Home | Livros | Companhia das Letras | O AR QUE ME FALTA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O AR QUE ME FALTA

História de uma curta infância e de uma longa depressão

Luiz Schwarcz

R$ 67,90

/ À vista

Apresentação

Um sensível relato sobre família, culpa e depressão.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O ar que me falta

Luiz Schwarcz

R$ 67,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 62,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Preço total de

R$ 203,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letrinhas

E foi assim que eu e a Escuridão ficamos amigas

Emicida

R$ 39,90

Indisponível

Companhia das Letras

A organização

Malu Gaspar

R$ 109,90

Companhia das Letras

Uma terra prometida

Barack Obama

R$ 87,90

Paralela

O alquimista

Paulo Coelho

R$ 47,90

Seguinte

Eleanor & Park

Rainbow Rowell

R$ 54,90

Companhia das Letras

O oráculo da noite

Sidarta Ribeiro

R$ 89,90

Seguinte

Sempre em frente

Rainbow Rowell

R$ 62,90

Companhia das Letras

Sapiens (Nova edição)

Yuval Noah Harari

R$ 79,90

Ficha Técnica

Páginas: 200 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.251 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 26/02/2021
ISBN: 978-85-3593-433-5 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um sensível relato sobre família, culpa e depressão.

Luiz Schwarcz carrega consigo a história de uma família que abandonou tudo para fugir ao terror nazista: o pai, húngaro, conseguiu escapar, sozinho, de um trem a caminho do campo de extermínio de Bergen-Belsen, deixando Láios, seu pai, no vagão que acabou por levá-lo à morte; a mãe, croata, teve de decorar aos três anos um novo nome, falso, para embarcar com a família num périplo que os levou primeiro à Itália e depois ao outro lado do Atlântico. Os dois, André e Mirta, se encontraram no Brasil, com as lembranças dolorosas do passado trágico a pesarem sobre a nova vida.
Filho único, Luiz, ainda jovem, entendeu ser responsável por expurgar as culpas que André carregava por não ter podido evitar o fim extremo do próprio pai – avô do autor –, e se via como o elo a manter estável o casamento de André e Mirta, união cheia de silêncio, dor e incompatibilidade. Assumir esse papel, porém, será a fonte de angústias que o acompanharão ao longo de toda a infância, adolescência e vida adulta.
Ao recuperar com franqueza estas memórias, Luiz Schwarcz constrói um sensível e detalhado relato de como a depressão e os traumas, próprios e de terceiros, podem tirar o fôlego de qualquer um e permanecer latentes em existências por fora marcadas pela aparência do sucesso.

Sobre o autor