Home | Livros | Companhia das Letras | O GAUCHO INSOFRÍVEL
CLIQUE PARA AMPLIAR

O GAUCHO INSOFRÍVEL

Roberto Bolaño
Tradução: Joca Reiners Terron

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Reunindo cinco ficções e duas conferências, o último livro que Roberto Bolaño deixou para ser publicado. Uma coleção de obras-primas.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O gaucho insofrível

Roberto Bolaño

R$ 69,90

Penguin-Companhia

Meditações

Marco Aurélio

R$ 39,90

Companhia das Letras

O manto da noite

Carola Saavedra

R$ 59,42

Preço total de

R$ 169,22

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Coelho maldito

Bora Chung

R$ 59,90

Companhia das Letras

A arte perdida das escrituras

Karen Armstrong

R$ 159,90

Alfaguara

Cidades da planície (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 79,90

Companhia das Letras

Manual prático do ódio

Ferréz

R$ 58,41

Companhia das Letras

O grande experimento

Yascha Mounk

R$ 109,90

Companhia das Letras

Trilogia - Autor vencedor do Nobel de literatura 2023

Jon Fosse

R$ 69,90

Companhia das Letras

Orfeu extático na metrópole (Nova edição)

Nicolau Sevcenko

R$ 99,90

Ficha Técnica

Título original: El Gaucho Insufrible Páginas: 152 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.221 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 06/02/2024
ISBN: 978-85-3593-605-6 Selo: Companhia das Letras Capa: Raul Loureiro Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Reunindo cinco ficções e duas conferências, o último livro que Roberto Bolaño deixou para ser publicado. Uma coleção de obras-primas.

Na véspera da internação que antecedeu sua morte em julho de 2003, Roberto Bolaño vagou de sua casa no povoado de Blanes até Barcelona, onde ficava sua editora, com um disquete na mochila estampada. Nele estava O gaucho insofrível, livro que trazia os últimos contos escritos pelo autor chileno. Seu desejo era entregá-lo à editora para que o livro fosse publicado em seguida, garantindo-lhe alguma segurança financeira durante o período que se sucederia ao transplante de fígado, algo que necessitava fazer com extrema urgência. Na madrugada daquele mesmo dia, no entanto, Bolaño foi internado com severa hemorragia. Duas semanas depois, aos cinquenta anos, o maior nome da literatura latino-americana do século XXI estava morto.
De fato, a morte é onipresente em O gaucho insofrível, desde "Jim", cujo protagonista, um gringo perdido no México, parece um defunto em vida, aos cruéis assassinatos investigados por Pepe, o Tira, em "O policial dos ratos". Em "Dois contos católicos", o peso da religiosidade é condensado no encontro entre um adolescente e um assassino em série. Nas duas conferências que encerram o volume, o chileno acerta contas com o destino pós-diagnose e com a mediocridade do público e dos autores de seu tempo. Em "A viagem de Álvaro Rousselot", um escritor argentino à procura de si mesmo em Paris ouve de um clochard de rua que "a única certeza é a morte". Exceção seja feita, é claro, ao imortal Roberto Bolaño.


"Um verdadeiro testamento criativo e estético." -- La Vanguardia


"Extraordinariamente belo, inteiramente novo." -- The New York Times Book Review

Sobre o autor