CLIQUE PARA AMPLIAR

PROUST

Samuel Beckett
Tradução: Arthur Nestrovski

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Neste ensaio arrebatador, o dramaturgo Samuel Beckett, nome incontornável da literatura do século XX, debruça-se sobre a obra de outro gênio do modernismo: À procura do tempo perdido, do francês Marcel Proust.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Proust

Samuel Beckett

R$ 69,90

Companhia das Letras

O fio e os rastros

Carlo Ginzburg

R$ 99,90

Companhia das Letras

Maldição em família

Dashiell Hammett

R$ 74,90

Preço total de

R$ 244,70

Adicionar ao carrinho
Morte em pleno verão

Companhia das Letras

Morte em pleno verão

Yukio Mishima

R$ 79,90

Os bastidores

Companhia das Letras

Os bastidores

Martin Amis

R$ 199,90

Búfalos selvagens

Companhia das Letras

Búfalos selvagens

Ana Paula Maia

R$ 69,90

Imagens da branquitude

Companhia das Letras

Imagens da branquitude

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 99,90

O processo (Edição especial)

Companhia das Letras

O processo (Edição especial)

Franz Kafka

R$ 129,90

O silêncio da motosserra

Companhia das Letras

O silêncio da motosserra

Claudio Angelo Tasso Azevedo

R$ 109,90

Humanamente possível

Objetiva

Humanamente possível

Sarah Bakewell

R$ 124,90

Ficha Técnica

Título original: Proust Páginas: 96 Formato: 12.00 X 18.00 cm Peso: 0.112 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 06/08/2024
ISBN: 978-85-3593-772-5 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Neste ensaio arrebatador, o dramaturgo Samuel Beckett, nome incontornável da literatura do século XX, debruça-se sobre a obra de outro gênio do modernismo: À procura do tempo perdido, do francês Marcel Proust.

Escrito sob encomenda no verão de 1930, antes da estreia de Beckett na ficção e nos palcos, Proust oferece um assombroso diálogo entre duas mentes brilhantes e prenuncia estratégias estilísticas do autor irlandês: as frases incisivas e o pensamento límpido, que parece sempre andar na corda bamba do abismo do absurdo.
Por ter sido redigido logo após sua célebre análise de James Joyce, o ensaio contempla a profunda conexão de Beckett com as vanguardas modernistas, não apenas assimilando a radicalidade do movimento, mas agindo como intérprete de sua ousadia. Esta leitura de Proust é, também, um manifesto.
As palavras de Samuel Beckett oferecem chaves inéditas para o pensamento proustiano, muitas vezes indo contra o senso comum das leituras mais óbvias de À procura do tempo perdido e servindo como um guia pelo labirinto de sua própria obra ao expor as maneiras como esta se relaciona com a memória, o tempo e a moral vigente.

Sobre o autor