Home | Livros | Companhia das Letras | IMAGENS DA BRANQUITUDE
CLIQUE PARA AMPLIAR

IMAGENS DA BRANQUITUDE

A presença da ausência

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 99,90

/ À vista

Apresentação

Em livro preciso, Lilia Moritz Schwarcz analisa o fenômeno social e cultural da branquitude a partir de suas manifestações simbólicas e iconográficas.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Imagens da branquitude

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 99,90

Companhia das Letras

A geração ansiosa

Jonathan Haidt

R$ 74,90

Companhia das Letras

Tese sobre uma domesticação

Camila Sosa Villada

R$ 69,90

Preço total de

R$ 244,70

Adicionar ao carrinho

Ficha Técnica

Páginas: 432 Formato: 15.70 X 23.00 cm Peso: 0.645 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 27/08/2024
ISBN: 978-85-3593-785-5 Selo: Companhia das Letras Capa: Victor Burton Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em livro preciso, Lilia Moritz Schwarcz analisa o fenômeno social e cultural da branquitude a partir de suas manifestações simbólicas e iconográficas.

"Ninguém lê livremente e sem as lentes e códigos da sua cultura."  A maneira pela qual as imagens nos afetam é condicionada por esquemas visuais - em geral nada inocentes - que nos foram transmitidos, e que carregam uma interpretação específica daquilo que é representado. Em Imagens da branquitude, Lilia Moritz Schwarcz analisa uma iconografia múltipla, do século XVI ao presente, passando por mapas, monumentos públicos, fotografias, publicidade, e, a partir do exame detido desses testemunhos, identifica como são atravessados por práticas racistas, buscando "desnaturalizar" essas concepções.
Muito mais do que uma análise meramente iconográfica e recortada, esta é uma história, na longa duração, de como a branquitude se manifestou simbolicamente, em especial por meio da visualidade, de modo a estabilizar um ambiente de hierarquização ou estruturas de subordinação. A presença forte mas racialmente ausente dos brancos nesses registros visuais, com o decorrente pressuposto de que seriam o normal ou o intrinsecamente dominante, assoma como ponto central deste livro necessário, que nos convida a olhar para essa produção imagética e fazer o exercício de lê-la na contramão.


"Eis o superpoder da branquitude: ser, ao mesmo tempo, invisível e onipresente. Suas teias de privilégios integram a paisagem do país do racismo por denegação. Neste livro, Lilia Schwarcz propõe um antídoto poderoso para desvendar a capa de invisibilidade que caracteriza a branquitude: ler seus rastros em imagens que compõem nossa história e imaginário. Por trás de tantas imagens lidas aqui por Lilia há um país inteiro que ainda precisa se ver no espelho e que, por meio desta obra-prima, Schwarcz nos permite enxergar com a clarividência que nos faltava. -- Thiago Amparo


O "pacto das imagens" aludido pela autora nesta obra tão importante é desnudado a partir de uma leitura de representações visuais da branquitude, as quais ao longo da história criaram imaginários que naturalizaram a supremacia branca e a acumulação de riquezas por esse grupo. O esforço de Lilia em desconstruir essas categorias é revelador do provérbio que ela mesma subverte: "Eles que são brancos já não se entendem",  pontuando ser essencial demarcar um outro lugar que pode ser ocupado pelas pessoas brancas, o da transformação da profunda desigualdade racial brasileira como condição fundamental para o atingimento da democracia.  -- Cida Bento

Sobre o autor