Home | Livros | Companhia das Letras | ESTAÇÃO CARANDIRU
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ESTAÇÃO CARANDIRU

Drauzio Varella

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

O médico Drauzio Varella relata dez anos de atendimento voluntário na Casa de Detenção de São Paulo, o maior presídio do Brasil, e mostra como um código penal não-escrito organizava o comportamento da população carcerária.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Estação Carandiru

Drauzio Varella

R$ 62,90

Companhia das Letras

Carcereiros

Drauzio Varella

R$ 59,90

Companhia das Letras

Prisioneiras

Drauzio Varella

R$ 59,90

Preço total de

R$ 182,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Freud (1926 - 1929) - Obras completas volume 17

Sigmund Freud

R$ 82,90

Seguinte

Minha história para jovens leitores

Michelle Obama

R$ 46,32

Fontanar

Crianças francesas não fazem manha

Pamela Druckerman

R$ 59,90

Objetiva

A lógica do Cisne Negro (Edição revista e ampliada)

Nassim Nicholas Taleb

R$ 94,90

Suma

Carrie, a estranha

Stephen King

R$ 64,90

Zahar

Maria Antonieta

Stefan Zweig

R$ 99,90

Seguinte

A heroína da alvorada

Alwyn Hamilton

R$ 54,90

Ficha Técnica

Título original: Estação carandiru Páginas: 368 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.5 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 07/06/1999
ISBN: 978-85-7164-897-5 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O médico Drauzio Varella relata dez anos de atendimento voluntário na Casa de Detenção de São Paulo, o maior presídio do Brasil, e mostra como um código penal não-escrito organizava o comportamento da população carcerária.

O médico Drauzio Varella relata dez anos de atendimento voluntário na Casa de Detenção de São Paulo, o maior presídio do Brasil, e mostra como um código penal não-escrito organizava o comportamento da população carcerária.
Em 1989, o médico Drauzio Varella iniciou na Detenção um trabalho voluntário de prevenção à AIDS. Entre os mais de 7200 presos, conheceu pessoas como Mário Cachorro, Roberto Carlos, Sem-Chance, seu Jeremias, Alfinete, Filósofo, Loreta e seu Luís. Não importava a pena a que tinham sido condenados, todos seguiam um rígido código penal não escrito, criado pela própria população carcerária. Contrariá-lo poderia equivaler à morte.
O relato de Drauzio Varella neste livro tem as tonalidades da experiência pessoal: não busca denunciar um sistema prisional antiquado e desumano; expressa uma disposição para tratar com as pessoas caso a caso, mesmo em condições nada propícias à manifestação da individualidade.
Lançado em 1999 e transformado em filme em 2003, por Hector Babenco, Estação Carandiru recebeu o Prêmio Jabuti 2000 de livro do ano e, desde então, já vendeu centenas de milhares de exemplares.

Sobre o autor

Prêmios