Home | Livros | Penguin-Companhia | O RETRATO DE DORIAN GRAY
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O RETRATO DE DORIAN GRAY

Oscar Wilde
Tradução: Paulo Schiller
Previsão de reimpressão: 02/2024

Apresentação

Um clássico da era vitoriana sobre a relação entre a aparência e a virtude, a vida pública e a esfera privada, O retrato de Dorian Gray é também uma alegoria sobre o desejo da juventude eterna.

Frequentemente comprados juntos

Penguin-Companhia

O retrato de Dorian Gray

Oscar Wilde

R$ 49,90

Penguin-Companhia

Mrs. Dalloway

Virginia Woolf

R$ 42,90

Penguin-Companhia

O grande Gatsby

F. Scott Fitzgerald

R$ 47,90

Preço total de

R$ 140,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Suma

Doutor sono

Stephen King

R$ 74,90

Clássicos Zahar

O conde de Monte Cristo: edição bolso de luxo

Alexandre Dumas

R$ 109,90

Suma

Escuridão total sem estrelas

Stephen King

R$ 77,90

Zahar

Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan - vol. 1

Marco Antonio Coutinho Jorge

R$ 84,90

Indisponível

Paralela

The Risk - Sucesso no TikTok

Elle Kennedy

R$ 59,90

Companhia das Letrinhas

O Homem-Cão #1

Dav Pilkey

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

A guerra não tem rosto de mulher

Svetlana Aleksiévitch

R$ 67,90

Zahar

O andar do bêbado

Leonard Mlodinow

R$ 52,90

Companhia das Letras

Sobre o autoritarismo brasileiro

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 64,90

Companhia de Bolso

Niketche (Edição de bolso)

Paulina Chiziane

R$ 47,90

Ficha Técnica

Título original: The picture of Dorian Gray Páginas: 264 Formato: 13.00 X 20.00 cm Peso: 0.257 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 12/04/2012
ISBN: 978-85-6356-043-8 Selo: Penguin-Companhia Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um clássico da era vitoriana sobre a relação entre a aparência e a virtude, a vida pública e a esfera privada, O retrato de Dorian Gray é também uma alegoria sobre o desejo da juventude eterna.

Em 1891, quando foi publicado em sua versão final, O retrato de Dorian Gray foi recebido com escândalo, e provocou um intenso debate sobre o papel da arte em relação à moralidade. Alguns anos mais tarde, o livro foi inclusive usado contra o próprio autor em processos judiciais, como evidência de que ele possuía "uma certa tendência" - no caso, a homossexualidade, motivo pelo qual acabou condenado a dois anos de prisão por atentado ao pudor.
Mais de cem anos depois, porém, o único romance de Oscar Wilde continua sendo lido e debatido no mundo inteiro, e por questões que vão muito além do moralismo do fim do período vitoriano na Inglaterra, definida por um dos personagens do livro como "a terra natal da hipocrisia". Seu tema central - um personagem que leva uma vida dupla, mantendo uma aparência de virtude enquanto se entrega ao hedonismo mais extremado - tem apelo atemporal e universal, e sua trama se vale de alguns dos traços que notabilizaram a melhor literatura de sua época, como a presença de elementos fantásticos e de grandes reflexões filosóficas, além do senso de humor sagaz e do sarcasmo implacável característicos de Wilde.