Home | Livros | Alfaguara | LUZES DE EMERGÊNCIA SE ACENDERÃO AUTOMATICAMENTE
CLIQUE PARA AMPLIAR

LUZES DE EMERGÊNCIA SE ACENDERÃO AUTOMATICAMENTE

Luisa Geisler

R$ 62,90

/ À vista

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

Luzes de emergência se acenderão automaticamente

Luisa Geisler

R$ 62,90

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 79,92

Companhia das Letras

Diário da queda

Michel Laub

R$ 43,92

Preço total de

R$ 186,74

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

De espaços abandonados

Luisa Geisler

R$ 58,32

Seguinte

Enfim, capivaras

Luisa Geisler

R$ 47,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 57,90

Alfaguara

Conversas entre amigos

Sally Rooney

R$ 64,90

Indisponível

Companhia das Letras

O amor dos homens avulsos

Victor Heringer

R$ 57,90

Companhia das Letras

Com armas sonolentas

Carola Saavedra

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Como ser as duas coisas

Ali Smith

R$ 62,32

Ficha Técnica

Páginas: 296 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.447 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 24/07/2014
ISBN: 978-85-7962-316-5 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Luisa Geisler constrói em Luzes de emergência se acenderão automaticamente uma narrativa sutil, às vezes entremeada com um humor desconcertante, em outras com passagens cativantes. Ao compor esse mosaico, a autora desenvolve um romance surpreendente, emocional, sobre as incertezas do amadurecimento. De certa forma, um relacionamento são duas pessoas que se recusam a desistir uma da outra. Duas pessoas igualmente ferradas, claro. É o que escreve Henrique, ou Ike, em cadernos que carrega consigo para todos os lugares. São cadernos em que fala de seu dia a dia, dos amigos, e de sonhos difusos que ele guarda para o futuro. Henrique mora nos subúrbios de Porto Alegre com os pais, e é um garoto que se considera, em todos os aspectos, uma pessoa normal. Está na faculdade, trabalha num posto de gasolina em meio período, tem uma namorada. Fala pouco, é introspectivo, mas cultiva amizades sólidas. Tudo muda quando seu melhor amigo, Gabriel, bate a cabeça num acidente banal e, pouco tempo depois, é hospitalizado em coma. Após uma cirurgia de emergência, não há muito que fazer por ele, dizem os médicos. Apenas esperar. E Ike, os pais de Gabriel, o irmão mais velho e os amigos aguardam o menor sinal de melhora. É então que, perto do Natal, Ike começa a escrever. São cartas em sequência ao amigo, como uma conversa, onde relata o que se passa na ausência do amigo. Para "quando tu acordar", diz ele. "Queria saber quando tu ia acordar, como tu tá, o que tem acontecido, se tem algo que dê pra fazer", escreve Henrique. As cartas são entremeadas por narrativas curtas, que dão a elas uma dimensão adicional: até que ponto Ike sabe realmente o que acontece à sua volta? O que pensam os outros?

Sobre o autor