Home | Livros | Companhia de Bolso | PROSAS SEGUIDAS DE ODES MÍNIMAS (EDIÇÃO DE BOLSO)
CLIQUE PARA AMPLIAR

PROSAS SEGUIDAS DE ODES MÍNIMAS (EDIÇÃO DE BOLSO)

José Paulo Paes

R$ 39,90

/ À vista

Apresentação

Edição de bolso de uma das obras mais marcantes do poeta, tradutor e ensaísta José Paulo Paes.

Frequentemente comprados juntos

Companhia de Bolso

Prosas seguidas de Odes mínimas (Edição de bolso)

José Paulo Paes

R$ 39,90

Companhia das Letras

Niketche (Nova edição)

Paulina Chiziane

R$ 79,90

Companhia das Letras

As meninas

Lygia Fagundes Telles

R$ 71,91

Preço total de

R$ 191,71

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Prosas seguidas de odes mínimas

José Paulo Paes

R$ 37,90

Indisponível

Companhia das Letras

A vida não é útil

Ailton Krenak

R$ 44,90

Penguin-Companhia

A ilustre Casa de Ramires

Eça de Queirós

R$ 59,90

Companhia de Bolso

A cortina (Edição de bolso)

Milan Kundera

R$ 49,90

Companhia das Letras

Morda meu coração na esquina

Roberto Piva

R$ 84,92

Companhia das Letras

Como organizar uma biblioteca

Roberto Calasso

R$ 69,90

Companhia das Letras

Niketche (Nova edição)

Paulina Chiziane

R$ 79,90

Clássicos Zahar

As aventuras de Tom Sawyer: edição comentada e ilustrada

MARK TWAIN

R$ 89,90

Ficha Técnica

Páginas: 88 Formato: 12.40 X 18.00 cm Peso: 0.063 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 22/03/2023
ISBN: 978-65-5425-004-7 Selo: Companhia de Bolso Capa: Elisa von Randow Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Edição de bolso de uma das obras mais marcantes do poeta, tradutor e ensaísta José Paulo Paes.

Marcado pela lucidez, pela ironia, pela concisão verbal e pela aversão ao sentimentalismo, este volume -- publicado originalmente em 1992 -- percorre os principais temas que compõem a obra de José Paulo Paes, um dos principais nomes da literatura brasileira do século XX.
Entre outros motes, os poemas abordam o amor, a força da memória, a proximidade da morte e a crítica política -- com alguma descrença, mas também com intenso lirismo e uma boa dose de experimentação formal. Nas palavras do escritor Marcelo Coelho, "o autor faz uma poesia que, sem ser confessional, é íntima, cheia de lembranças e experiências biográficas. Fala de seus pais, de amigos mortos, da perna que teve de amputar, mas não cede nunca às tentações da autopiedade e do desespero".

* Leitura obrigatória do vestibular da UNICAMP.

Sobre o autor