Home | Livros | Companhia das Letras | ALGO ANTIGO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ALGO ANTIGO

Arnaldo Antunes

R$ 64,90

R$ 55,17

/ À vista

Apresentação

Novo livro de poemas de um dos artistas mais inventivos da atualidade.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Algo antigo

Arnaldo Antunes

R$ 55,17

Companhia das Letras

Agora aqui ninguém precisa de si

Arnaldo Antunes

R$ 59,90

Companhia das Letras

Risque esta palavra

Ana Martins Marques

R$ 53,91

Preço total de

R$ 168,98

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O ar que me falta

Luiz Schwarcz

R$ 69,90

Companhia das Letras

Agora aqui ninguém precisa de si

Arnaldo Antunes

R$ 59,90

Companhia das Letras

Arrancados da terra

Lira Neto

R$ 94,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 58,41

Alfaguara

Apague a luz se for chorar

Fabiane Guimarães

R$ 59,42

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 63,67

Ficha Técnica

Páginas: 224 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.279 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 12/02/2021
ISBN: 978-65-5921-017-6 Selo: Companhia das Letras Capa: Arnaldo Antunes e Marcia Xavier Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Novo livro de poemas de um dos artistas mais inventivos da atualidade.

"aqui jaz/ o presente// eterno porque eterna// mente fugaz", escreve Arnaldo Antunes. Em seu novo livro, o compositor e poeta mistura poemas, poemas visuais e fotografias para falar sobre o tempo -- o presente e também o passado: "não tenho saudades/ do que vivi// porque tudo/ está aqui".
O isolamento, o noticiário e a política são eixos centrais desses versos que, com humor e sensibilidade, impressionam por sua atualidade e contundência. Para Noemi Jaffe: "Naquele que talvez tenha sido o ano mais difícil de nossas vidas, ano de pandemia e de esboço de ditadura, Algo antigo repercute a solidão de cada um 'isolado/ por um exército de desertos', cada um como uma 'multidão amputada'. Mas é 'enfiando a adaga do sentido na palavra' que cada uma dessas multidões recupera e refaz seus sentidos possíveis, prontos para o que foi, é e virá a ser.".

Sobre o autor