Home | Livros | Companhia das Letras | CARTAS PARA MINHA AVÓ
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

CARTAS PARA MINHA AVÓ

Djamila Ribeiro

R$ 42,90

R$ 34,32

/ À vista

Apresentação

Um relato memorialístico pungente e sensível sobre ancestralidade, feminismo e antirracismo na criação de filhos.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Cartas para minha avó

Djamila Ribeiro

R$ 34,32

Companhia das Letras

Pequeno manual antirracista

Djamila Ribeiro

R$ 31,92

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 50,32

Preço total de

R$ 116,56

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Meio sol amarelo (Nova capa)

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 82,90

Companhia das Letras

Política é para todos

Gabriela Prioli

R$ 49,90

Zahar

Uma história feita por mãos negras

Beatriz Nascimento

R$ 62,90

Companhia das Letras

Belo mundo, onde você está

Sally Rooney

R$ 51,92

Pequena Zahar

Diário de Pilar em Machu Picchu

Flávia Lins E Silva

R$ 64,90

Indisponível

Ficha Técnica

Páginas: 200 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.313 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 30/07/2021
ISBN: 978-65-5921-091-6 Selo: Companhia das Letras Capa: Estúdio Daó Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um relato memorialístico pungente e sensível sobre ancestralidade, feminismo e antirracismo na criação de filhos.

No mais pessoal e delicado de seus livros, a filósofa Djamila Ribeiro revisita sua infância e adolescência para discutir temas como ancestralidade negra e os desafios de criar filhos numa sociedade racista. O relato se dá na forma de cartas a sua saudosa avó Antônia -- carinhosa e amorosa, conhecedora de ervas curativas e benzedeira muito requisitada.
A cumplicidade que sempre houve entre avó e neta é o que permite que a autora rememore episódios difíceis, como a perda do pai e da mãe, as agressões que sofreu como mulher negra no Brasil e os desafios para integrar a vida acadêmica. Djamila também fala de relacionamentos amorosos e experiências profissionais, das músicas, das leituras e das amizades que a acompanharam em sua construção pessoal -- e da percepção paulatina de que a memória das lutas e das conquistas das pessoas negras que vieram antes de nós é a força que nos permite seguir adiante.

Sobre o autor