Home | Livros | Companhia das Letras | ARARAS VERMELHAS
CLIQUE PARA AMPLIAR

ARARAS VERMELHAS

Poesia

Cida Pedrosa

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Um olhar emocionante sobre os eventos que moldaram a história recente do Brasil por uma das vozes mais admiráveis da poesia contemporânea.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Araras vermelhas

Cida Pedrosa

R$ 69,90

Companhia das Letras

Futuro ancestral

Ailton Krenak

R$ 44,90

Companhia das Letras

Manifesto

Bernardine Evaristo

R$ 74,90

Preço total de

R$ 189,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O continente - vol. 1

Erico Verissimo

R$ 89,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

Bela, a fera, e Fernão, o belo

Janaina Tokitaka

R$ 9,90

Fontanar

Em defesa do tempo

Jenny Odell

R$ 99,90

Companhia das Letras

A cidade ilhada (Nova edição)

Milton Hatoum

R$ 69,90

Seguinte

Um sonho em Tóquio

Emiko Jean

R$ 69,90

Companhia das Letrinhas

Adonis (Nova edição)

Blandina Franco

R$ 59,90

Zahar

O contrato racial

Charles W. Mills

R$ 79,90

Brinque-Book

Lelê é pequenininha

Rafaela Deiab Tieza Tissi

R$ 54,90

Companhia das Letrinhas

O mundo é de todo mundo

Tati Bernardi

R$ 47,92

Seguinte

Perfeita (na teoria)

Sophie Gonzales

R$ 59,90

Companhia das Letras

Triste não é ao certo a palavra

Gabriel Abreu

R$ 69,90

Companhia das Letras

O guarda-roupa modernista

Carolina Casarin

R$ 109,90

Ficha Técnica

Páginas: 144 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.211 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 11/11/2022
ISBN: 978-65-5921-183-8 Selo: Companhia das Letras Capa: Celso Longo Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um olhar emocionante sobre os eventos que moldaram a história recente do Brasil por uma das vozes mais admiráveis da poesia contemporânea.

Neste longo e comovente poema, a autora do premiado Solo para Vialejo narra um episódio ainda pouco comentado na história recente do Brasil: a Guerrilha do Araguaia. Ao entrelaçar memórias pessoais, acontecimentos históricos e referências culturais das décadas de 1960 e 1970, Cida Pedrosa constrói um retrato brutal do autoritarismo e da violência do Estado -- mas revela também uma inabalável esperança em construir outro futuro.
Para o poeta Edimilson de Almeida Pereira, que assina a orelha do volume, "Cida Pedrosa responde às ruínas da história com um poema-mundo que, movido pela utopia de falar a todos sobre tudo, exorciza o horror e se ancora firmemente, como testemunha a poeta, numa 'esperança andarilha'".

Sobre o autor