Home | Livros | Companhia das Letras | TRISTE NÃO É AO CERTO A PALAVRA
CLIQUE PARA AMPLIAR

TRISTE NÃO É AO CERTO A PALAVRA

Gabriel Abreu
Previsão de reimpressão: 03/2024

Apresentação

Um mosaico que extrapola a forma narrativa para construir um retrato delicado mas feroz sobre legado, memória e amor na relação entre mãe e filho.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Triste não é ao certo a palavra

Gabriel Abreu

R$ 64,90

Companhia das Letras

Chuva de papel

Martha Batalha

R$ 45,43

Companhia das Letras

A segunda morte

Roberto Taddei

R$ 64,90

Preço total de

R$ 175,23

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O continente - vol. 1

Erico Verissimo

R$ 77,90

Indisponível

Fontanar

Em defesa do tempo

Jenny Odell

R$ 99,90

Companhia das Letras

A cidade ilhada (Nova edição)

Milton Hatoum

R$ 69,90

Companhia das Letrinhas

Bela, a fera, e Fernão, o belo

Janaina Tokitaka

R$ 9,90

Seguinte

Perfeita (na teoria)

Sophie Gonzales

R$ 54,90

Companhia das Letrinhas

O pato, a morte e a tulipa

Wolf Erlbruch

R$ 64,90

Brinque-Book

Bibo na escola

Silvana Rando

R$ 43,92

Companhia das Letrinhas

As aventuras de Dorinha

Cláudio Thebas

R$ 54,90

Ficha Técnica

Páginas: 208 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.245 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 05/04/2023
ISBN: 978-65-5921-502-7 Selo: Companhia das Letras Capa: Bloco Gráfico Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um mosaico que extrapola a forma narrativa para construir um retrato delicado mas feroz sobre legado, memória e amor na relação entre mãe e filho.

Um diário, centenas de fotografias e sessenta e oito cartas é tudo que G. tem de sua mãe, além das lembranças de um passado comum. A caixa de papelão que contém todos esses elementos guarda também as expectativas e as angústias de um filho que tenta construir sua própria identidade e recuperar o contato que se faz ausente.
Partindo em busca dessa mulher -- de quem ela foi antes da maternidade, da mãe que nasceu com ele, dos mistérios da individualidade --, G. revira bulas de remédio, diagnósticos médicos, mapas astrais, redige cartas, e-mails, questiona a si mesmo. E conclui: "Escrevo e envio esta carta para você para tentar reencontrar, em minha própria voz, a tua."
Neste sensível e ousado romance de estreia, Gabriel Abreu monta um emocionante quebra-cabeças de registros, afetos e lembranças que apenas um filho, em vias de perder a mãe, pode ter.


"De uma angústia tão delicada quanto a própria estrutura da memória, Triste não é ao certo a palavra é sobre dar voz. Ao filho, enquanto ele ainda não aprendeu a falar. À mãe, a partir do momento em que ela já não pode mais falar. Já, ainda. São modos de imergir no tempo que Gabriel integra, aproxima, transpõe. Este livro é todo pelo desejo de dar borda, narrar a mãe adentrando seus arquivos é uma estratégia lírica de tornar a mãe possível, continuamente." -- Aline Bei


"Gabriel Abreu inventa neste livro uma nova língua, a dos sentimentos indizíveis. Um livro único, feito por um raro observador das emoções humanas." -- Juliana Leite

Sobre o autor