Home | Livros | Companhia das Letras | VIDA E ÉPOCA DE MICHAEL K (NOVA EDIÇÃO)
CLIQUE PARA AMPLIAR

VIDA E ÉPOCA DE MICHAEL K (NOVA EDIÇÃO)

J. M. Coetzee
Tradução: José Rubens Siqueira

R$ 79,90

R$ 63,92

/ À vista

Apresentação

O sul-africano Michael K, negro e pobre, perde a mãe e passa a viver como um andarilho, num país convulsionado pela guerra civil. Aos poucos, o protagonista se destitui dos elementos que o ligam ao mundo. Esse processo de animalização pode ser o único refúgio numa época marcada pela barbárie. O livro, de 1983, valeu a Coetzee seu primeiro Booker Prize.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Vida e época de Michael K (Nova edição)

J. M. Coetzee

R$ 63,92

Companhia das Letras

É a Ales - Autor vencedor do Nobel de literatura 2023

Jon Fosse

R$ 64,90

Companhia das Letras

O mestre de Petersburgo (Nova edição)

J. M. Coetzee

R$ 67,92

Preço total de

R$ 196,74

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O mestre de Petersburgo (Nova edição)

J. M. Coetzee

R$ 67,92

Alfaguara

Stalingrado

Vassili Grossman

R$ 189,90

Companhia das Letras

Por que ler os clássicos (Edição especial)

Italo Calvino

R$ 119,90

Companhia das Letras

É a Ales - Autor vencedor do Nobel de literatura 2023

Jon Fosse

R$ 64,90

Companhia das Letras

Dia da libertação

George Saunders

R$ 84,90

Companhia das Letras

Se um viajante numa noite de inverno (Edição especial)

Italo Calvino

R$ 119,90

Companhia das Letras

O deserto e sua semente

Jorge Baron Biza

R$ 74,90

Companhia das Letras

Cidade da vitória

Salman Rushdie

R$ 99,90

Penguin-Companhia

Um, nenhum e cem mil

Luigi Pirandello

R$ 54,90

Ficha Técnica

Título original: Life & Times Of Michael K Páginas: 216 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.273 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 25/09/2023
ISBN: 978-65-5921-364-1 Selo: Companhia das Letras Capa: Thiago Lacaz Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O sul-africano Michael K, negro e pobre, perde a mãe e passa a viver como um andarilho, num país convulsionado pela guerra civil. Aos poucos, o protagonista se destitui dos elementos que o ligam ao mundo. Esse processo de animalização pode ser o único refúgio numa época marcada pela barbárie. O livro, de 1983, valeu a Coetzee seu primeiro Booker Prize.

Negro, pobre, feio e sem ninguém no mundo - sua mãe acaba de morrer -, Michael K vaga pela África do Sul convulsionada pela guerra civil. Obrigado a esconder-se da polícia, ele vive à deriva em estradas, fazendas abandonadas, cavernas ou num campo de trabalhos forçados. Michael K alimenta-se de raízes, insetos e, excepcionalmente, de um cabrito que consegue afogar num açude. Dorme em abrigos improvisados ou ao relento e supera a tontura, a ânsia e a letargia. Preso pelo exército, sucumbe às atividades físicas que seu corpo esquálido é incapaz de suportar. Mesmo assim, foge.
Pouco a pouco, vai se destituindo dos elementos que o ligam ao mundo exterior, até ver-se reduzido a uma existência em que a realidade parece escorrer-lhe pelos poros. A certa altura, o narrador do livro conclui: "Um homem tem de viver de modo a não deixar sinal da sua vida. Foi a isso que se chegou".
Há, contudo, mais que a nota pessimista no processo de animalização por que passa o protagonista. Sua trajetória permite supor que o contato direto com o mundo em volta não apenas contribui para o desenvolvimento de uma vida interior, como parece o único refúgio possível num tempo dominado pela irracionalidade e pela barbárie.

Sobre o autor