Home | Livros | Companhia das Letras | O SOM DO RUGIDO DA ONÇA - VENCEDOR JABUTI 2022
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O SOM DO RUGIDO DA ONÇA - VENCEDOR JABUTI 2022

Micheliny Verunschk

R$ 69,90

R$ 62,91

/ À vista

Apresentação

Neste romance embebido de lirismo, Micheliny Verunschk joga luz sobre a história de duas crianças indígenas raptadas no Brasil do século XIX.
Vencedor do Prêmio Jabuti na categoria "Romance Literário".

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O som do rugido da onça - Vencedor Jabuti 2022

Micheliny Verunschk

R$ 62,91

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 74,90

Companhia das Letras

Pequena coreografia do adeus

Aline Bei

R$ 64,90

Preço total de

R$ 202,71

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Quadrinhos na Cia

Grande sertão: veredas (Edição em quadrinhos)

João Guimarães Rosa

R$ 129,90

Companhia das Letras

A palavra que resta

Stênio Gardel

R$ 69,90

Companhia das Letras

Freud (1905) - Obras Completas volume 7

Sigmund Freud

R$ 99,90

Suma

Achados e perdidos

Stephen King

R$ 89,90

Companhia das Letras

O continente - vol. 1

Erico Verissimo

R$ 89,90

Indisponível

Suma

Mr. Mercedes

Stephen King

R$ 99,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Niketche (Edição de bolso)

Paulina Chiziane

R$ 59,90

Fontanar

Em defesa do tempo

Jenny Odell

R$ 99,90

Ficha Técnica

Páginas: 168 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.213 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 09/03/2021
ISBN: 978-65-5921-021-3 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Neste romance embebido de lirismo, Micheliny Verunschk joga luz sobre a história de duas crianças indígenas raptadas no Brasil do século XIX.
Vencedor do Prêmio Jabuti na categoria "Romance Literário".

Em 1817, Spix e Martius desembarcaram no Brasil com a missão de registrar suas impressões sobre o país. Três anos e 10 mil quilômetros depois, os exploradores voltaram a Munique trazendo consigo não apenas um extenso relato da viagem, mas também um menino e uma menina indígenas, que morreriam pouco tempo depois de chegar em solo europeu.
Em seu quinto romance, Micheliny Verunschk constrói uma poderosa narrativa que deixa de lado a historiografia hegemônica para dar protagonismo às crianças -- batizadas aqui de Iñe-e e Juri -- arrancadas de sua terra natal. Entrelaçando a trama do século XIX ao Brasil contemporâneo, somos apresentados também a Josefa, jovem que reconhece as lacunas de seu passado ao ver a imagem de Iñe-e em uma exposição.
Com uma prosa embebida de lirismo, este é um livro sem paralelos na literatura brasileira ao tratar de temas como memória, colonialismo e pertencimento.

"Um romance que expande as fronteiras da arte literária ao trazer memória, argumentos antropológicos e o melhor que a ficção pode nos oferecer." -- Itamar Vieira Junior

* Leitura obrigatória do vestibular da UFMS.