Home | Livros | Zahar | OS CONDENADOS DA TERRA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

OS CONDENADOS DA TERRA

Frantz Fanon
Tradução: Ligia Fonseca Ferreira e Regina Salgado Campos

R$ 64,90

/ À vista

Apresentação

A obra-prima do mais importante pensador da luta antirracista e anticolonial.

Frequentemente comprados juntos

Zahar

Os condenados da terra

Frantz Fanon

R$ 64,90

Zahar

Por uma revolução africana

Frantz Fanon

R$ 72,90

Companhia das Letras

Futuro ancestral

Ailton Krenak

R$ 39,90

Preço total de

R$ 177,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Zahar

Por uma revolução africana

Frantz Fanon

R$ 72,90

Zahar

Eu sou o monstro que vos fala

Paul B. Preciado

R$ 44,90

Zahar

Por um feminismo afro-latino-americano

Lélia Gonzalez

R$ 50,32

Companhia das Letras

O pacto da branquitude

Cida Bento

R$ 39,90

Zahar

Dispositivo de racialidade

Sueli Carneiro

R$ 69,90

Zahar

Tornar-se negro

Neusa Santos Souza

R$ 47,90

Zahar

Manifesto contrassexual

Paul B. Preciado

R$ 69,90

Companhia das Letras

História do Brasil em 25 mapas

Andréa Doré Junia Furtado

R$ 169,90

Ficha Técnica

Título original: Les damnés de la terre Páginas: 376 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.467 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 28/10/2022
ISBN: 978-65-5979-084-5 Selo: Zahar Capa: Oga Mendonça Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A obra-prima do mais importante pensador da luta antirracista e anticolonial.

Os condenados da terra é o ponto culminante de uma obra radical e incontornável abreviada pela morte precoce do psiquiatra martinicano Frantz Fanon, um dos pensadores mais revolucionários do século XX.
Ao analisar a situação colonial, Fanon tensiona política, sociedade e indivíduo, demonstrando de forma clara as estratégias e efeitos do poder dominante -- o resultado da opressão é raiva, dor e loucura. Com isso, o autor desmonta a lógica colonial europeia -- branca, brutal e racista --, e propõe uma "descolonização do ser", afirmando: "É preciso mudar completamente, desenvolver um pensamento novo, tentar criar um homem novo." Só assim é possível criar um mundo realmente humano, onde a massa deserdada de homens e mulheres dos países colonizados e pobres -- os condenados da terra -- sejam os inventores de sua própria vida.
Publicado em 1961, ano da morte de Fanon, que o escreveu doente e sabendo que o tempo era escasso, o livro é considerado um clássico absoluto, suma de seu pensamento e um tratado magistral sobre as relações entre colonialismo, racismo e insubmissão.


Esta edição traz apresentação de Thula Pires, Wanderson Flor do Nascimento e Marcos Queiroz, além do prefácio de Jean-Paul Sartre à edição original de 1961 e texto de Cornel West.

Sobre o autor