Home | Livros | Quadrinhos na Cia | LOVECRAFT/POE
CLIQUE PARA AMPLIAR

R$ 94,90

/ À vista

Apresentação

Reunidos pela primeira vez em um único volume, os universos inquietantes de H.P. Lovecraft e Edgar Allan Poe adaptados por um dos maiores quadrinistas de todos os tempos.

Frequentemente comprados juntos

Quadrinhos na Cia

Lovecraft/Poe

H. P. Lovecraft e Edgar Allan Poe

R$ 94,90

Zahar

Dicionário de psicanálise

Michel Plon e Elisabeth Roudinesco

R$ 259,90

Zahar

O Seminário, livro 1

Jacques Lacan

R$ 142,90

Preço total de

R$ 497,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Ficha Técnica

Título original: E.A. Poe's short stories' adaptations Páginas: 200 Formato: 21.00 X 27.00 cm Peso: 0.709 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 29/09/2022
ISBN: 978-65-8495-301-7 Selo: Quadrinhos na Cia Ilustração: Alberto Breccia

SOBRE O LIVRO

Reunidos pela primeira vez em um único volume, os universos inquietantes de H.P. Lovecraft e Edgar Allan Poe adaptados por um dos maiores quadrinistas de todos os tempos.

No início dos anos 1970, durante uma viagem de Madri a Milão, Alberto Breccia compra uma edição barata com os contos de H.P. Lovecraft. O episódio o transporta imediatamente para a sua adolescência em Buenos Aires, quando nas páginas da edição argentina da revista Weird Tales entrou pela primeira vez em contato com o universo daquele que, segundo Neil Gaiman, é "o começo de toda a literatura de horror". Nos anos seguintes, Breccia criaria versões para clássicos de Lovecraft e também de Edgar Allan Poe, testando diversas variações estilísticas e demonstrando seu domínio excepcional do desenho e da composição.
Das experiências com colagem e monotipo de "O chamado de Cthulhu" à montagem cinematográfica e minimalista de "O coração delator", dos tons grotescos de "William Wilson" ao clima expressionista de "O estranho caso do Sr. Valdemar", o virtuosismo e a desenvoltura de Breccia assombram. Exemplo extraordinário da complexa relação entre literatura e quadrinhos, o mundo dos dois mestres do horror ressurge mais perturbador do que nunca. "Eu não queria oferecer ao leitor apenas a minha visão", anotou Breccia, "também queria que cada leitor acrescentasse algo de seu, que utilizasse a base que eu fornecia para revesti-la com seus próprios temores, com seu próprio medo".