Home | Livros | Companhia das Letras | ATÉ O DIA EM QUE O CÃO MORREU
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ATÉ O DIA EM QUE O CÃO MORREU

Daniel Galera

R$ 59,90

/ À vista

Apresentação

O romance de estréia de Daniel Galera, reeditado pela Companhia das Letras, traz um jovem protagonista em busca da própria identidade. Seu impasse vem da dificuldade de escolher entre um cotidiano tedioso e sem riscos e as possibilidades infinitas dos afetos.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Até o dia em que o cão morreu

Daniel Galera

R$ 59,90

Companhia das Letras

Barba ensopada de sangue

Daniel Galera

R$ 74,90

Companhia das Letras

Cordilheira

Daniel Galera

R$ 69,90

Preço total de

R$ 204,70

Adicionar ao carrinho
Barba ensopada de sangue

Companhia das Letras

Barba ensopada de sangue

Daniel Galera

R$ 74,90

Meia-noite e vinte

Companhia das Letras

Meia-noite e vinte

Daniel Galera

R$ 69,90

O deus das avencas

Companhia das Letras

O deus das avencas

Daniel Galera

R$ 69,90

Cachalote

Quadrinhos na Cia

Cachalote

Daniel Galera Rafael Coutinho

R$ 89,90

Indisponível
O jogo da amarelinha

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 124,90

Prólogo, ato, epílogo

Companhia das Letras

Prólogo, ato, epílogo

Fernanda Montenegro

R$ 79,90

História universal da infâmia (1935)

Companhia das Letras

História universal da infâmia (1935)

Jorge Luis Borges

R$ 59,90

Marrom e Amarelo

Alfaguara

Marrom e Amarelo

Paulo Scott

R$ 64,90

Ficha Técnica

Título original: Até o dia em que o cão morreu Páginas: 104 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.164 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 08/03/2007
ISBN: 978-85-3590-987-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O romance de estréia de Daniel Galera, reeditado pela Companhia das Letras, traz um jovem protagonista em busca da própria identidade. Seu impasse vem da dificuldade de escolher entre um cotidiano tedioso e sem riscos e as possibilidades infinitas dos afetos.

Depois de alugar um apartamento vazio no centro de Porto Alegre, um homem de cerca de 25 anos gasta os dias olhando a cidade pela janela, bebendo cerveja e caminhando pela vizinhança. Até que um cachorro aparece em sua porta, e uma modelo chamada Marcela entra em sua vida.
O impasse do narrador também tem um caráter particular: a dificuldade de escolher entre um cotidiano cheio de privações, mas sem riscos emocionais, e as possibilidades infinitas dos afetos. É aí que o mundo se torna mais complexo e interessante. É aí, também, que as paixões cobram seu preço.
Com um estilo minimalista e em algumas passagens virtuosístico, Galera conduz o leitor com um vagar nada gratuito: em suas pequenas acelerações e grandes pausas, é como se Até o dia em que o cão morreu reproduzisse o tempo interno do seu personagem - a lenta evolução, quase despida de acidentes, até que suas certezas iniciais comecem a esmorecer. As últimas páginas, narradas por Marcela, iluminam com sutileza o instante em que tudo pode estar prestes a mudar. É então que, numa história tão marcada pelo signo da morte, a vida enfim dá o ar de sua graça.
Até o dia em que o cão morreu foi adaptado para o cinema por Beto Brant e Renato Ciasca, com o título de Cão sem dono.

Sobre o autor