Home | Livros | Companhia das Letras | O LIVRO DAS VIDAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O LIVRO DAS VIDAS

New York Times
Tradução: Denise Bottmann

R$ 79,90

/ À vista

Apresentação

O livro das vidas, uma seleção de obituários publicados no New York Times, é também uma aula de jornalismo, assinada por profissionais que combinam humor, ironia, poder de síntese e raro talento para contar a história de pessoas comuns que levaram vidas incomuns.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O livro das vidas

New York Times

R$ 79,90

Companhia das Letras

A mulher do próximo

Gay Talese

R$ 94,90

Companhia das Letras

Dentro da floresta

David Remnick

R$ 99,90

Preço total de

R$ 274,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Filme

Lillian Ross

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

Dentro da floresta

David Remnick

R$ 99,90

Companhia das Letras

A feijoada que derrubou o governo

Joel Silveira

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

Fama e anonimato

Gay Talese

R$ 109,90

Companhia das Letras

O segredo de Joe Gould

Joseph Mitchell

R$ 39,90

Indisponível

Companhia das Letras

A milésima segunda noite da avenida Paulista

Joel Silveira

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

Elogiemos os homens ilustres

James Rufus Agee Walker Evans

R$ 99,90

Companhia das Letras

Honra teu pai

Gay Talese

R$ 94,90

Indisponível

Companhia das Letras

O super-homem vai ao supermercado

Norman Mailer

R$ 99,90

Companhia das Letras

A árvore de Gernika

George L. Steer

R$ 99,90

Ficha Técnica

Título original: New York times obituaries Páginas: 312 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.395 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 29/01/2008
ISBN: 978-85-3591-154-1 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O livro das vidas, uma seleção de obituários publicados no New York Times, é também uma aula de jornalismo, assinada por profissionais que combinam humor, ironia, poder de síntese e raro talento para contar a história de pessoas comuns que levaram vidas incomuns.

Este título da coleção Jornalismo Literário apresenta ao leitor brasileiro uma pequena amostra da arte de escrever obituários. O livro das vidas reúne uma seleção de textos publicados na seção de obituários do New York Times, com ênfase nas histórias de pessoas comuns, cujas vidas ganham outra dimensão ao serem descritas com o olhar curioso e afetuoso dos repórteres do diário americano.
Em detalhado posfácio que acompanha o volume, Matinas Suzuki Jr., coordenador da coleção Jornalismo Literário, mostra como a seção de obituários foi ganhando importância nos jornais americanos e ingleses ao longo das últimas quatro décadas. Suzuki relembra a trajetória de Alden Whitman, imortalizado por Gay Talese como o Sr. Má Notícia (em perfil incluído na coletânea Fama & anonimato), que deu novo impulso a este tipo de texto ao entrevistar figuras famosas com o objetivo declarado de recolher informações para os seus futuros obituários. "A seção de obituários do Times é uma cerimônia de adeus diária de bom jornalismo e uma das campeãs de leitura do jornal mais influente do mundo. Há quem pense que a valorização do obituário pela imprensa de língua inglesa seja um ritual de morbidez, mas isso é uma falsa impressão", escreve Suzuki.
Para além dos "mortos ilustres", esta coletânea mostra como a seção de obituários pode alcançar grandes momentos ao descrever, com humor, ironia e notável poder de síntese, histórias de pessoas que dificilmente freqüentariam as páginas dos jornais. Gente como Angelo Zuccotti, o sujeito que cuidava da porta de El Marocco, famosa boate nova-iorquina, e que considerava sua atividade uma arte. Ou Anton Rosenberg, amigo dos beatniks Jack Kerouac e Allen Ginsberg, que tinha uma atitude tão cool e uma despreocupação e indiferença tão grandes que "nunca chegou muito a nada".
Entre os autores dos obituários desta coletânea, um merece atenção especial: Robert McG. Thomas Jr., que levou ao requinte literário a tarefa de sintetizar a vida dos personagens em uma única frase, a primeira do texto. Autor de 657 obits - ou McGs, como ficaram conhecidos - no New York Times, morto aos sessenta anos, tornou-se ele próprio personagem de um texto nesta coletânea.

Sobre o autor