Home | Livros | Companhia das Letras | FORA DO TEMPO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

FORA DO TEMPO

David Grossman
Tradução: Paulo Geiger

R$ 54,90

/ À vista

Apresentação

Em Fora do tempo, Grossman usa a poesia e um cenário mitológico para examinar a impalpável experiência do luto pela perda de um filho.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Fora do tempo

David Grossman

R$ 54,90

Companhia das Letras

O inferno dos outros

David Grossman

R$ 59,90

Companhia das Letras

Ver

David Grossman

R$ 97,90

Preço total de

R$ 212,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O inferno dos outros

David Grossman

R$ 59,90

Companhia das Letras

O livro da gramática interior

David Grossman

R$ 82,90

Companhia das Letras

Garoto zigue-zague

David Grossman

R$ 64,90

Companhia das Letras

Alguém para correr comigo

David Grossman

R$ 77,90

Indisponível

Companhia das Letras

Os inimigos íntimos da democracia

Tzvetan Todorov

R$ 52,90

Indisponível

Companhia das Letras

Todo aquele jazz

Geoff Dyer

R$ 62,90

Companhia das Letras

Evolução política do Brasil

Prado Jr., Caio

R$ 54,32

Ficha Técnica

Título original: Nofel mi-jutz la-zman (Falling out of time) Páginas: 176 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.232 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 22/08/2012
ISBN: 978-85-3592-156-4 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em Fora do tempo, Grossman usa a poesia e um cenário mitológico para examinar a impalpável experiência do luto pela perda de um filho.

Em junho de 2011, ao lançar Fora do tempo em Israel, David Grossman preferiu não dar entrevistas. Talvez porque o livro seja uma investigação íntima da experiência do luto. Como se sabe, em agosto de 2006, o filho do autor, Uri, então sargento do Exército israelense, foi morto, pouco antes do fim do conflito com o Líbano. Por uma triste ironia, o romancista havia acabado de se manifestar em favor de um cessar-fogo, ao lado de Amós Oz e A. B. Yehoshua.
Num registro único, deixando transparecer o contexto pessoal e israelense apenas por alusão, Fora do tempo retoma o drama medieval para, com o auxílio da parábola e do maravilhoso, forçar os limites da expressão e dar voz ao luto desde dentro. Depois de cinco anos de dor muda, um Homem subitamente recupera a fala e anuncia a sua Mulher que partirá numa jornada para "lá", onde sente que o espera o filho morto. Andando em círculos, ele magnetiza uma cidade de pais enlutados, que, numa espécie de transe, marcham como se pudessem franquear a linha de fronteira entre "aqui" e "lá". A estranha disputa entre um Anotador supostamente incumbido pelo Duque da cidade de registrar as dores alheias e um atormentado Centauro - metade homem, metade escrivaninha - com bloqueio criativo evidencia que o trabalho do luto é também o percurso tantas vezes extenuante de esclarecimento da experiência da perda e corajosa retomada da palavra.
Com efeito, talvez a poesia tenha se revelado a "língua da dor" para Grossman, justamente por sua excepcional plasticidade, como se fosse a única linguagem capaz de roçar essa realidade tão impositiva quanto inabordável: a morte.


"A poesia serve aqui para estabelecer distância, e ao mesmo tempo garante valiosa força à dor dos personagens. Em outras palavras, Grossman encontrou um maravilhoso equilíbrio entre conter e soltar um grito. É preciso tirar o chapéu para Grossman: poesia inquietante, poesia em sua melhor forma." - Haaretz

Sobre o autor