Home | Livros | Companhia das Letras | O AMIGO AMERICANO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O AMIGO AMERICANO

Antonio Pedro Tota

R$ 89,90

/ À vista

Apresentação

Perfil de um mais influentes empresários e políticos norte-americanos do século XX revela seu profundo envolvimento com o Brasil.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O amigo americano

Antonio Pedro Tota

R$ 89,90

Companhia das Letras

O fio e os rastros

Carlo Ginzburg

R$ 99,90

Companhia das Letras

A especulação imobiliária

Italo Calvino

R$ 64,90

Preço total de

R$ 254,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O imperialismo sedutor (Nova edição)

Antonio Pedro Tota

R$ 79,90

Companhia das Letras

O fio e os rastros

Carlo Ginzburg

R$ 99,90

Companhia das Letras

Vida

Paulo Leminski

R$ 79,90

Indisponível

Companhia das Letras

Censores em ação

Robert Darnton

R$ 99,90

Companhia das Letras

O mundo em chamas

Siri Hustvedt

R$ 99,90

Companhia das Letras

Memórias de um casamento

Louis Begley

R$ 69,90

Companhia das Letras

Getúlio 2 (1930-1945)

Lira Neto

R$ 99,90

Companhia das Letras

Sobre a revolução

Hannah Arendt

R$ 94,90

Companhia das Letras

Costumes em comum

E. P. Thompson

R$ 99,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: O amigo americano Páginas: 480 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.578 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 21/07/2014
ISBN: 978-85-3592-429-9 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Perfil de um mais influentes empresários e políticos norte-americanos do século XX revela seu profundo envolvimento com o Brasil.

Herdeiro de uma das maiores fortunas do mundo, membro da ala "liberal" do Partido Republicano, Nelson Aldrich Rockefeller foi governador do estado de Nova York por quatro mandatos, vice-presidente dos Estados Unidos e eterno aspirante ao primeiro posto da República ianque. Mas o que se revela neste saboroso perfil é a faceta menos conhecida de sua biografia: a de propulsor do capitalismo brasileiro. Rockefeller aproximou-se do país quando se tornou chefe do Office of Inter-American Affairs, a agência para assuntos interamericanos dos Estados Unidos (a qual trouxe Orson Welles e Walt Disney para o Brasil, e mandou Carmen Miranda na via inversa), organismo que tinha por missão afastar o governo Vargas do nazifascismo e, uma vez vencida a Segunda Guerra, garantir que o Brasil permanecesse no bloco de influência norte-americano. Com afinco, "boas intenções" e fortemente imbuído da ideologia de seu país e de sua classe, o político manifestou genuíno interesse pelo Brasil, e aqui se envolveu, inclusive como investidor direto, mecenas e empresário, nas mais diversas atividades, do cultivo da borracha ao planejamento urbanístico de São Paulo, do incentivo às artes à constituição de fundos de investimento que modernizaram o mercado de capitais local, sempre na tentativa de importar a eficiência e o American way of life como antídotos à expansão do comunismo. "Em O amigo americano, Antonio Pedro Tota traça o perfil daquele que, meio século atrás, era por muitos considerado a quintessência do imperialismo, um açambarcador da riqueza nacional, um manipulador demoníaco. Conseguiu, no entanto, compor o retrato equilibrado de um empresário e político que, de modo coerente, buscou fomentar o desenvolvimento econômico no Brasil." - Jorge Caldeira

Sobre o autor