Home | Livros | Companhia das Letras | A FESTA DA INSIGNIFICÂNCIA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A FESTA DA INSIGNIFICÂNCIA

Milan Kundera
Tradução: Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Em 2013, o mundo editorial se surpreendeu com um novo romance de Milan Kundera, que já não publicava obras de ficção desde o lançamento de A ignorância, em 2002. A festa da insignificância foi aclamado pela crítica e despertou enorme interesse dos leitores na França e na Itália, onde logo figurava em todas as listas de best-sellers.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A festa da insignificância

Milan Kundera

R$ 69,90

Companhia das Letras

A imortalidade

Milan Kundera

R$ 89,90

Companhia de Bolso

A insustentável leveza do ser

Milan Kundera

R$ 59,90

Preço total de

R$ 219,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A insustentável leveza do ser

Milan Kundera

R$ 79,90

Companhia das Letras

Os testamentos traídos - Ensaios

Milan Kundera

R$ 79,90

Companhia de Bolso

A insustentável leveza do ser

Milan Kundera

R$ 59,90

Companhia das Letras

A arte do romance

Milan Kundera

R$ 69,90

Companhia de Bolso

A valsa dos adeuses

Milan Kundera

R$ 59,90

Companhia de Bolso

Risíveis amores

Milan Kundera

R$ 54,90

Companhia de Bolso

O livro do riso e do esquecimento

Milan Kundera

R$ 54,90

Companhia das Letras

Terra sonâmbula

Mia Couto

R$ 69,90

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 124,90

Ficha Técnica

Título original: La fête de l'insignifiance Páginas: 136 Formato: 14.30 X 21.00 cm Peso: 0.292 kg Acabamento: Livro capa dura Lançamento: 17/07/2014
ISBN: 978-85-3592-466-4 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em 2013, o mundo editorial se surpreendeu com um novo romance de Milan Kundera, que já não publicava obras de ficção desde o lançamento de A ignorância, em 2002. A festa da insignificância foi aclamado pela crítica e despertou enorme interesse dos leitores na França e na Itália, onde logo figurava em todas as listas de best-sellers.

Lembrando A grande beleza, filme de Paolo Sorrentino acolhido com entusiasmo pelo público brasileiro no mesmo ano, o romance de Milan Kundera coloca em cena quatro amigos parisienses que vivem numa deriva inócua, característica de uma existência contemporânea esvaziada de sentido. Eles passeiam pelos jardins de Luxemburgo, se encontram numa festa sinistra, constatam que as novas gerações já se esqueceram de quem era Stálin, perguntam-se o que está por trás de uma sociedade que, em vez dos seios ou das pernas, coloca o umbigo no centro do erotismo.
Na forma de uma fuga com variações sobre um mesmo tema, Kundera transita com naturalidade entre a Paris dos anos 2010 e a União Soviética de outrora, propondo um paralelo entre essas duas épocas. Assim o romance tematiza o pior da civilização e lança luz sobre os problemas mais sérios com muito bom humor e ironia, abraçando a insignificância da existência humana. Mas será insignificante a insignificância?